Funções Orgânicas – Haletos Orgânicos


São compostos orgânicos que apresentam um ou mais átomos de halogênios, ou seja, elementos da família 7A (F, Cl, Br, I), substituindo os hidrogênios dos hidrocarbonetos. Nomenclatura oficial: nome do hidrocarboneto, substituindo-se a terminação o por ol mais localização (em cadeias normais). Já em cadeias ramificadas, a cadeia principal apresentará maior quantidade em átomos de carbono e ramificações, com numeração iniciando-se pela extremidade mais próxima da hidroxila.

Funções Orgânicas

Nomenclatura oficial: utiliza-se o nome do hidrocarboneto correspondente, substituindo a terminação o por ol. Quando necessário, a hidroxila deve ser localizada na cadeia, de forma que a numeração se inicie pela extremidade mais próxima a ela.
Exemplos:

Nomenclatura usual: (somente para os monoálcoois) utilização da palavra álcool seguida do radical ligado à hidroxila, encerrando com a terminação iço.

Nomenclatura usual: utiliza-se a palavra álcool, seguida do radical alcenila ligado à hidroxila, mais a terminação iço.

São compostos orgânicos que apresentam o grupo funcional hidroxila (OH) ligado diretamente a átomo de carbono de um anel aromático.

Enóis

São compostos orgânicos derivados dos hidrocarbonetos insaturados, proveniente da substituição do hidrogénio de um carbono com ligação dupla (não pertencente a anel aromático) por uma hidroxila (OH). Os enóis podem ser considerados como compostos que têm o grupo hidroxila ligado a radical alcenila.

Nomenclatura oficial: como os fenóis são considerados derivados de hidrocarbonetos aromáticos, pela substituição de um ou mais hidrogénio por igual número de hidroxilas, utiliza-se a palavra hidróxi (precedida dos prefixos di, tri…, conforme o número de hidroxilas) seguida do nome dó hidrocarboneto correspondente.

Funções orgânicas – Continuação Ácidos carboxílicos

São compostos orgânicos que apresentam o grupo funcional carboxila.

Éteres

São compostos orgânicos considerados derivados da água, pela substituição do hidrogénio por radicais monovalentes, derivados dos hidrocarbonetos.
Exemplos:

Nomenclatura oficial: utiliza-se o nome do radical alcóxi ao radical mais simples, seguido do nome do hidrocarboneto correspondente ao radical mais complexo.

Nomenclatura oficial: utiliza-se a palavra ácido, mais o nome do hidrocarboneto correspondente, seguido da terminação oiço, para ácidos monocarboxílicos (dióicos para dicarboxílicos e assim por diante).

Os ácidos carboxílicos encontrados na natureza apresentam, em sua maioria, nomes triviais, os quais são formados pela palavra ácido mais a ocorrência na natureza, seguida da terminação iço.

Nomenclatura usual: utiliza-se o nome éter, seguido dos radicais ligados ao oxigénio. Ao último radical, o mais complexo, acrescenta-se a terminação iço.

Ácido fórmico – CH3 – COOH
Ácido acético – CH3 – CH2 – COOH
Ácido propiônico – CH3 – CH2 – CH2 – COOH
Ácido butírico
CH3 – (CH2)3 – COOH Ácido valérico
CH3 – (CH2)4 – COOH Ácido capróico

Os principais ácidos, com mais de dez átomos de carbonos, denominados graxos, são:
CH3 – (CH2)10 – COOH Ácido láurico
CH3 – (CH2)14 – COOH Ácido palmítico
CH3 – (CH2)16 – COOH Ácido esteárico

Sais de ácidos carboxílicos

São compostos orgânicos que apresentam um metal substituindo o hidrogênio da carboxila em ácidos carboxílicos. Para a nomenclatura, tanto oficial quanto usual, substitui a terminação oiço do ácido por ato, mais a preposição de, seguida do nome do metal inserido na estrutura.

Os grupos R’ e R” podem ser hidrogênios ou radicais. As amidas também podem ser definidas como sendo derivadas da amónia (NH3), sendo originadas pela substituição de um ou mais átomos de hidrogênio por radicais acila.

As amidas são classificadas em:
•      Primárias: substituição de apenas um hidrogênio da molécula da amónia.
• Secundárias: substituição de dois hidrogênios da molécula da amónia.
• Terciárias: substituição de três hidrogênios da molécula da amónia.

Propanoato de sódio ou propionato de sódio.

Nomenclatura oficial: nome do ácido, substituindo a terminação oiço por amida.

Etanoato de cálcio ou acetato de cálcio

São compostos orgânicos que resultam da substituição do grupo hidroxila (OH) da molécula de um ácido pelo grupo. Nomenclatura usual: substitui a terminação iço do nome trivial do ácido por amida. São compostos orgânicos derivados de ácidos pela substituição do hidrogênio da hidroxila por um radical monovalente, proveniente dos hidrocarbonetos. Nomenclatura dos ésteres inorgânicos: semelhante à dos sais minerais.

Hidrogenossulfato de etila ou sulfato ácido de etila

São compostos orgânicos que se originam da eliminação de uma molécula de água (desidratação) de duas carboxilas, apresentando o grupo funcional: Nomenclatura oficial: utiliza-se a palavra anidrido seguida do nome do ácido de origem. Os ésteres podem ser orgânicos, os que provêm de ácidos orgânicos, e minerais, os que provêm de ácidos minerais, como os ácidos clorídrico, nítrico e sulfúrico.

O Éster inorgânico

Nomenclatura dos ésteres orgânicos: nome do ácido, trocando a terminação iço por ato, mais a preposição de seguida pelo radical ligado ao oxigénio.