Lei de Raoult, Osmose e Fator de Correção de Van’t Hoff


Lei de Raoult

Em 1887 o químico francês François Marie Raoult estudou as pressões de misturas e as transformou em expressões matemáticas, que foram chamadas de Lei de Raoult.

Esta lei fala sobre a maneira como acontece à variação da pressão parcial de um solvente, quando se adiciona um soluto. Sendo assim, a pressão parcial do vapor de um solvente e sua fração molar precisa ser proporcional.

Todas as soluções que se aplicam a esta lei são chamadas de ideais, e todas precisam ser diluídas e com o número de entalpia que esteja mais perto do zero.

O que é osmose?

É quando a água se movimenta de uma membrana a outra livremente. A pressão na qual a água atravessa a membrana é chamada de pressão osmótica.

A osmose é influenciada pelo número de partículas do soluto. As soluções que contém uma quantidade semelhante de partículas (sendo ela medida por unidade de volume) há a mesma pressão osmótica, e são chamadas de isotônicas.

O que mede a pressão osmótica em soluções é o osmômetro, um tubo de vidro fechado com membrana impermeável, onde se deposita a solução, que é colocado em um recipiente com água destilada.

Isso tem relação com o Fator de Correção de Van’t Hoff?

Com certeza! As formulas acima não podem ser aplicadas em soluções iónicas, somente em soluções moleculares onde ocorre a dissolução de moléculas de soluto.

As soluções que possuem íons, que vem da ionização ou então de uma dissociação iónica proveniente de uma solução que vou dissolvida, só conseguem contar a quantidade de íons baseado em qual soluto foi dissolvido, ou seja, qual seu tipo.

Sendo assim, o físico e químico Holandês Jacobus Henricus Van’t Hoff propôs um fator de correção em fórmulas que precisam ter soluções iônicas calculadas. Este fator de correção recebeu o nome de Fator de Van’t Hoff.

Ou seja, é a soma da quantidade de íons que foram gerados durante a dissociação iônica ou da ionização de um soluto.