Pilhas e baterias usadas: perigoso lixo tóxico


As pilhas e as baterias estão presentes na maioria das casas do mundo todo. Eles são utilizados em computadores, controles remotos, rádios portáteis, laptops, telefones celulares, e diversos outros aparelhos eletrônicos. Mas, na maioria das vezes, nós não levamos a sério que estes produtos são perigosos lixos tóxicos e acabamos fazendo o descarte desses materiais de maneira incorreta. Dessa maneira, ao invés deles serem descartados em locais específicos e preparados para recebe-los, eles acabam sendo jogados em lixões a céu aberto, prejudicando não apenas o meio ambiente (como por exemplo os lençóis freáticos e o solo), mas também a saúde dos seres humanos, podendo causar até mesmo doenças.

Por que as pilhas e as baterias usadas são tão perigosas?

Apesar de parecerem produtos inofensivos, por causa do seu tamanho reduzido, muita gente acaba não tendo consciência do grande problema que pode ser causado pelo descarte incorreto desse tipo de produto. No nosso país, são produzidas cerca de 800 milhões de pilhas ao ano, na qual a maioria, cerca de 80% possuem carbono e zinco, e os outros 20% pilhas alcalinas. Vale ressaltar que em ambos os tipos há mercúrio em sua composição.

Pilhas e baterias usadas

As pilhas e as baterias também se modernizaram e como consequência, elas ficaram ainda menores, ou seja, mais compactas, e mais potentes. Por este motivo, ficaram com um risco maior de contaminação.

O chumbo, o mercúrio e o cádmio, que fazem parte da composição destes materiais, são metais altamente tóxicos e afetam principalmente os rins, o sistema nervoso, os pulmões e o fígado. O mercúrio e o cádmio também são capazes de provocar mutações genéticas em seres humanos. Por serem biocumulativos eles não se decompõem com facilidade, e podem ficar armazenados no meio ambiente durante anos e anos.

Por estes motivos que citamos, as pilhas e as baterias usadas são caracterizadas como sendo perigosos resíduos domésticos. Por isso, existem programas de coleta seletiva para este tipo de produto, além do que o descarte deles devem ser feitos em aterros sanitários, locais específicos para receber substâncias perigosas.

Mas, infelizmente no Brasil, esse perigoso lixo tóxico é na maioria das vezes descartado em lixões ao ar livre. Por consequência, o solo é contaminado. Já quando estes produtos são descartados em aterros, os cursos de água e os lençóis freáticos acabam sendo contaminados, e a fauna e a flora de regiões mais próximas também sofrem com este problema. Através do processo de cadeia e de teia alimentar, estes metais tóxicos acabam prejudicando a saúde dos seres humanos, mas da pior forma, acumulativa.

O que existe no interior das pilhas e das baterias usadas

Quando as pilhas e as baterias usadas são descartadas de maneira incorreta, há um grande perigo que começa a desenvolver. Isso porque, nesses produtos encontramos diversos metais pesados, que além de serem prejudiciais ao meio ambiente, também prejudicam a saúde humana, como por exemplo o mercúrio, o chumbo e o cádmio. Dentro os principais problemas podemos citar as mutações genéticas e o câncer.

É bom deixar claro, que as pilhas e as baterias que ainda possuem carga para serem utilizadas não oferecem riscos à saúde e ao meio ambiente, já que o perigo real está dentro do interior desses produtos. O grande problema é quando este material é descartado, fazendo com que as cápsulas sejam deformadas. Dessa maneira, as pilhas e as baterias usadas são amassadas, estouram e o líquido tóxico acaba vazando de seus interiores. Este líquido acaba se acumulando no meio ambiente, mas ele não se decompõe com o passar dos anos, caracterizando o que conhecemos como lixo não biodegradável. Os lençóis freáticos e o solo são contaminados, prejudicando assim a hidrografia e a agricultura.

As pilhas e as baterias usadas são produtos biocumulativas, e é exatamente por isso que se faz necessário um descarte correto deste tipo de material.

Este tipo de material não pode ser descartado no lixo comum. Existem atualmente algumas leis em que os fabricantes são obrigados a receberem as pilhas e as baterias usadas de volta, dando assim um destino mais adequado a esses materiais. Também seria de grande importância que fossem colocadas advertências na embalagem desses produtos, alertando o consumidor sobre os perigos que eles podem oferecer quando não é feito um descarte correto do mesmo.

O importante é que o lixo tóxico seja separado do restante. Dessa maneira, a coleta será facilitada, e consequentemente haverá uma melhora no que se refere a armazenagem nos aterros especiais e destinados para esse tipo de material. Ao se optar o envio para o fabricante, o consumidor estará alertando a ele sobre a sua preocupação com o meio ambiente, e dessa maneira, tomará consciência de sua responsabilidade como produtor do mesmo e para que após o seu uso, seja dado um correto destino para este tipo de produto.