Sistema Indiano de Castas


Em comunidades consideradas liberais, existe uma crença de que o indivíduo é capaz de mudar de classe social e econômica caso seja bem sucedido. Ou seja, o acúmulo de riquezas seria o suficiente para promover a chamada mobilidade social. No entanto, o sistema indiano de castas representa uma situação específica, em que a atividade profissional e o dinheiro não explicam sozinhos a posição do sujeito. Isso significa que existe uma ordenação mais complexa e inflexível dos grupos na sociedade. Na índia, emprega-se parâmetros de religião, bem como de hereditariedade para se dividir a população. A Índia conta com aproximadamente 11 bilhões de habitantes, sendo 75% deles seguidores do hinduísmo.

Sistema Indiano de Castas

De acordo com certos estudos, essa forma de se categorizar as pessoas no país prevalece há mais de 2600 anos, datando do período de ocupação do local. O primeiro indício de tal estrutura se deu em torno de 600 a.C., quando os arianos foram distinguidos dos nativos da região, de tez mais escura, pela expressão “varna”, que quer dizer “de cor”. Depois dessa separação, os varna foram hierarquizados socialmente conforme as diferentes partes do corpo de Brahma, divindade máxima da crença Hindu. Destaca-se que essa compartimentação traz deveres e eventuais privilégios. No topo do sistema indiano de castas estão os brahmin, que representam a boca do Brahma. Em relação numérica, eles correspondem a somente 15% dos indianos e executam tarefas de sacerdócio e filosofia. Também atuam como professores de várias áreas. Cabe ressaltar que apenas brahmin são autorizados a realizar cultos religiosos e ensinar os dogmas para os conterrâneos.

Diretamente abaixo aparecem os kshatriya que, consoante à tradição, teriam surgido dos braços do Deus Supremo. Eles efetuam ofícios de caráter militar ou mesmo político e estão submetidos às orientações dadas pelos brâmanes. Ainda assim, em muitas épocas da história dessa nação os kshatriya coordenaram rebeliões contra os comandos vindos da camada social superior.

Na base do sistema indiano de castas vêm então os vaishas e shudras. Os primeiros seriam originários da coxa de Brahma e têm como atribuições principais o trabalho agrícola e comercial. Por sua vez, os shrudas compõem uma vasta classe que abrange camponeses, artesãos e operários. Segundo o credo Hindu, eles surgiram dos pés da entidade religiosa. Até pouco tempo atrás, todos os membros dessa casta era proibida de aprender os preceitos do hinduísmo.

  • O sistema de indiano de castas não prevê mobilidade social;
  • Essa ordenação social data de cerca de 2.600 anos atrás, quando o país foi ocupado;
  • Na crença hindu, cada grupo reflete uma parte do corpo de Brahma, o Deus Supremo;
  • A divisão da sociedade define também o trabalho dos indivíduos;
  • As castas mais conhecidas são (da mais alta a mais baixa): os brahmin, os kshatriya, os vaishas e os shudras;
  • Os integrantes do grupo inferior não podiam conhecer os mandamentos hindus.

Entretanto, há outras maneiras de se diferenciar a população, como será explicado em maiores detalhes a seguir.

Outras classes sociais encontradas na Índia

De modo paralelo, há outros dois níveis de classificação do povo da índia para além das castas. Os dalit, também referidos como párias, contemplam todos aqueles que transgrediram a ordem de classes infringindo alguma norma social. Em decorrência disso, o grupo se dedica a funções tidas como inferiores e até desprezáveis, tipo limpar esgotos, lidar com cadáveres e recolher lixo. É importante salientar a partir do momento que alguém é rebaixado a dalit, toda a sua descendência terá a mesma posição.

Por fim, existem os jatis, cidadãos que não se encaixam em nenhum dos critérios mais amplos do sistema indiano de castas. A despeito de não integrarem nenhuma das classes sociais descritas previamente, eles tentam conseguir o reconhecimento por parte dos grupos superiores, incorporando costumes dos brâmanes. No geral, os jatis têm profissões liberais passadas por seus pais, sem influência da tradição hinduísta.

  • Os grandes excluídos da estrutura indiana de castas são os dalit, que tem atribuições consideradas indignas pelo resto da população;
  • A posição de pária passa de geração em geração;
  • Os jatis não se enquadram nas categorias descritas anteriormente, mas buscam se aproximar das castas superiores;
  • Membros desse grupo são sobretudo profissionais liberais.

O sistema indiano de castas atualmente

Oficialmente, a constituição instaurada em 1950 aboliu o sistema de castas no território inteiro. Porém, as práticas tradicionais e a presença da religião tendem a enfrentar as determinações do governo. Da mesma forma, essas mudanças não acompanham o novo cenário econômico que beneficia os indianos de menor status. Pelo contrário, o regime mais rígido apresenta em torno de 3 mil grupos e subgrupos que constituem esse intricado método de segmentação do povo na índia.

• A constituição firmada em 1950 proíbe o sistema de castas, porém os efeitos da segregação continuam;
• Estima-se que haja mais de 3 mil classes e subclasses na interpretação mais minuciosa da divisão social na índia.