Tinea Negra: Sinais e diagnóstico da doença


A Tinea Negra é um tipo raro de dermatomicose – micose superficial – geralmente comum em áreas de clima tropical e subtropical. O agente causador desta patologia é o fungo Phaeoannellomyces Werneckii, anteriormente denominado de Exophiala Werneckiic (fungo que produz melanina dando a pele coloração preta).

Origem

Estudos apontam que a doença foi observada pela primeira vez no Brasil, especificamente no estado da Bahia por volta de 1891 por Alexandre Cerqueira. Já no ano de 1916 Castro Pinto Cerqueira relata outros casos da mesma patologia, então, cerca de cinco anos depois, Parreira Horta conseguiu isolar o fungo causador da doença.

Tinea Negra

Por volta do ano de 1970 o agente etiológico recebe o nome de Exophiala e só em 1985 Mc Ginnis e alguns de seus colaboradores propõem um novo gênero para o fungo que passa a ser denominado Phaeoannellomyce.

Sinais e diagnóstico da doença

Acredita-se que há maior incidência da Tinea Negra em mulheres, contudo, sua identificação é subestimada, afinal esta patologia é assintomática. Sua principal manifestação é um tipo de lesão em formato de mácula, algo que assemelha-se a uma mancha escura, geralmente observada na região da planta do pé ou ainda na palma da mão, mas, também pode aparecer em outras partes do corpo.

Em geral, o diagnóstico da doença só é confirmado após a infecção fúngica comprometer o extrato córneo da pele, considerado o mais externo. O exame se dá da seguinte forma: coleta-se parte da pele já comprometida por meio de um “raspado”, em seguida é colocado em cultura e, posteriormente, analisado no microscópio. Só assim é possível observar hifas de tom acastanhado, septadas e ramificadas de modo irregular, além disso, é possível visualizar elementos em broto.

Pode-se dizer que o diagnóstico da doença é fácil e aqui cabe a máxima, quanto mais cedo for diagnosticado, mais chances de ser tratado. A confirmação da infecção é feita por meio de um exame micológico que tem capacidade de revelar hifas demáceas.

Tratamento

O tratamento, basicamente, consiste na retirada dos microorganismos. Tal processo é feito basicamente por meio de ceratolíticos, substâncias que provocam a lise da queratina.

Durante o tratamento são utilizados ácidos salicílicos, benzóicos, 3% de enxofre e 2% de formalina. A aplicação de medicamentos tópicos também é muito importante, bons exemplos são: unguento de Whitield, miconazol, cetoconazol, fluconazol, tintura de iodo e algumas pomadas feitas a partir do ácido salicílico.

Casos já descritos

Como já mencionado no início deste artigo a Tinea Negra, que também pode ser denominada TN, é causada por um fungo que tem o surgimento favorável em regiões de clima tropical.

Esta patologia já foi descrita nas Américas do Sul, do Norte e Central, além do Continente Africano e também na Ásia. O agente causador da doença pode ser facilmente encontrado no solo, na areia da praia e ainda na vegetação.

Até 2001 – 14 anos atrás – tinham sido descritos sessenta e cinco casos de Tinea Negra no mundo todo, acredita-se que destes, trinta e sete já ganharam publicações específicas e cerca de vinte e oito já foram apresentados em congressos sobre Dermatologia. É bom frisar que em 18 destes casos não se menciona a idade dos pacientes, dado que demonstra a dificuldade em se obter informações a respeito do assunto no Brasil.

A seguir você confere alguns dados levantados no Brasil: De acordo com informações da literatura nacional cerca de trinta e um pacientes acometido pela Tinea Negra tinham idade inferior a 19 anos, 18 estavam na faixa entre os cinco e treze anos, outros oito entre 14 e 19 anos e, por fim, cinco na faixa que compreende o período pré-escolar (um e quatro anos).

Pode-se dizer que no Brasil a patologia é mais freqüente em colegiais, destoando dos dados mundiais, em que a predominância é em adultos jovens. Já a menor idade de um paciente acometido pela TN é de dois anos,o dado se repete tanto na literatura nacional quanto na mundial.

Como já mencionado a predominância no sexo feminino é maior, sendo de vinte e duas meninas e sete meninos em uma escala de 30 pacientes.

Outro dado importante é que doença acomete mais pessoas de cor branca, além disso, os locais mais frequentes onde se apresenta é na palma das mãos, palmar bilateral e espaço interdigital das mãos respectivamente. Áreas mais raras onde a doença pode se manifestar é no pescoço, punho, pernas, pênis e região lombar.

Pode-se dizer que algumas vezes a Tinea Negra é subdiagnosticada, afinal, não apresenta sintomas visíveis. A TN pode ser facilmente eliminada pela coleta de escamas ou ainda, pela própria fricção durante a higiene, mas é claro, que algumas vezes merece um olhar mais atento por parte do paciente, afinal, em caso de manchas, inchaços ou coloração estranha na pele é bom procurar um especialista, principalmente se estes sinais aparecerem após estadia em regiões de clima tropical ou subtropical.