Vitamina D: Benefícios da Vitamina D


A vitamina D é um hormônio lipossolúvel fundamental para o corpo humano e sua falta pode acarretar uma sequência de complicações.

O hormônio recebeu esse nome, em 1922, após ser o quarto elemento descoberto após as vitaminas A, B e C. Nessa época acreditava-se que a vitamina só poderia ser adquirida através da alimentação. A partir de estudos pesquisadores constataram, em 1970, que a vitamina D era capaz de ser sintetizada pelo organismo. Por esse motivo ela é considerada um hormônio e não uma vitamina.

A vitamina D é fundamental para diversas funções do organismo, entre elas, a conservação do tecido ósseo, controle do sistema imunológico, sendo importante para o tratamento de doenças autoimunes, no método de separação celular, atua na secreção hormonal e em muitas doenças crônicas não transmissíveis, como a diabete tipo 2 e o Alzheimer. A falta dessa substância beneficia 17 tipos de câncer diferentes.

Vitamina D

O organismo humano produz cerca de 90% da vitamina D necessária para o corpo, os outros 10 % estão nos alimentos.

A exposição à luz do sol também contribui para a produção desse nutriente, uma vez que a parte B da radiação ultravioleta transforma um precursor em pré-vitamina D ele é velozmente transformado em vitamina D.

Benefícios da Vitamina D

– Fortalecimento dos ossos: a vitamina D é fundamental para a absorção do cálcio nos ossos. O cálcio é o nutriente responsável pela fortificação dos ossos e dentes, a falta dele pode ocasionar o raquitismo na infância e a osteoporose na idade adulta. Indivíduos com falta de vitamina D no corpo absorvem 30% menos cálcio dos alimentos.

– Protege o coração: age no controle das contrações dos músculos do coração que bombeiam o sangue para o resto do corpo, além de permitir o relaxamento dos vasos sanguíneos e contribuir com a produção do hormônio responsável por regular a pressão arterial, a renina.

A ausência de vitamina D no corpo pode provocar o acumulo de cálcio nas artérias impedindo a passagem do sangue. As chances de uma pessoa ter um infarto, derrame ou insuficiência cardíaca são maiores nesse caso.

– Prevenção e controle da diabetes: a vitamina D induz a produção da renina que evita o diabetes e, também, participa da produção de insulina pelo pâncreas.

– Gravidez sem risco: a falta de vitamina D na gravidez pode ocasionar o aborto espontâneo no primeiro trimestre de gestação. No fim do período gestacional a falta do nutriente causa a pré-eclâmpsia, doença que desenvolve hipertensão na gestante e aumenta as chances da criança desenvolver o autismo, uma vez que a vitamina D ajuda no desenvolvimento do cérebro do bebê.

– Ajuda na força muscular: a ausência de vitamina D leva a redução da força muscular aumentando o risco de fraturas e quedas.

Uma pesquisa realizada com idosos, acima de 65 anos, na Universidade de Zurique contatou que a ingestão de vitamina D pode diminuir em 19% o risco de quedas.

Onde encontramos Vitamina D

Existem alimentos ricos em vitamina D principalmente os de origem animal, como óleo de fígado de bacalhau, alimentos que derivam do leite e ovos. Além desses, alimentos como manteigas, margarinas e iogurtes também são enriquecidos com esse nutriente.

Outras formas de adquirir essa vitamina são através de suplementos alimentares, que devem ser consumidos com o acompanhamento de um médio e através da exposição à luz solar, que estimula a produção de vitamina D pelo organismo.

Sintomas de deficiência de Vitamina D

A opção mais certa usada para descobrir a carência de vitamina D é o exame de sangue que mede o nível da vitamina no corpo. No entanto, o aparecimento de algumas doenças pode identificar esse déficit.

Doenças respiratórias, fraqueza muscular, psoríase, doença renal crônica, diabetes, asma, doença periodontal, doença cardiovascular, esquizofrenia, depressão e câncer, todas essas doenças podem estar associadas à falta de vitamina D.

No caso do câncer, pesquisadores da universidade de Washington DC encontraram uma ligação ente o consumo excessivo de vitamina D e a diminuição do risco de surgimento do câncer de mama em até 75 % e 50% no caso de pessoas que já apresentaram a doença. A vitamina controla o crescimento e desenvolvimento do câncer de mama do tipo estrogênio-sensível.

Curiosidades

· A utilização de filtro solar com proteção UVB que tenha fator maior do que 30 bloqueia 95% da fabricação de vitamina D;

· A vitamina D pode ser ingerida ou uma vez por semana ou uma vez por mês, desde que a dose seja ajustada. Isso ocorre porque a vitamina D tem meia vida de dois a três meses;

· Pessoas que possuem tom de pele negra precisam ficar expostas ao sol três vezes mais do que indivíduos de pele branca, para realizar a mesma quantidade de vitamina D, devido a quantidade de melanina presente na epiderme;

· Quanto maior for a idade do indivíduo, menor é sua capacidade de produzir vitamina D através da pele.