Resumo da Desigualdade Social


É notável a disparidade social encontrada entre diferenciados continentes, não é mesmo? Se formos comparar a riqueza norte-americana com algum país de extremo sul asiático ou norte africano, certamente a surpresa será grandiosa no quesito social.

Porém, essa desigualdade social pode estar muito mais próxima do que nós imaginamos. Ela está não só entre os continentes, como também de países vizinhos, regiões ou até mesmo entre os estados e cidades brasileiras.

Nos dias de hoje, a desigualdade social é caracterizada como um dos maiores problemas da população, sendo também uma expressiva causa para os conflitos entre povos. O processo é intensificado de maneira cada vez mais gradativa, o que aumenta também os problemas (principalmente socioeconômicos) dos mais pobres.

Desigualdade Social

Como surge a desigualdade social?

Há muito tempo, o filósofo Rousseau disse que o capitalismo e os problemas sociais se iniciaram quando “o primeiro homem cercou um pedaço de terra e disse ‘isso é meu’”.

Atualmente, a desigualdade social é considerada como uma consequência principalmente por conta da má distribuição de renda, atrelado é claro, a outras ações. O fato é que essa distribuição errônea é um fato não só no Brasil, como em grande parte dos países de todo o mundo.

Isso faz com que a sociedade seja dividida e em seu meio se instaure um contraste tanto social como econômico na população, que por sua vez, faz com que grande parte da riqueza seja de posse de apenas uma parcela populacional. Enquanto isso, a grande maioria do povo deve se contentar unicamente com uma pequena parcela de distribuição de bens.

De acordo com as últimas estatísticas divulgadas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, a renda de 1% dos indivíduos mais ricos em âmbito mundial está diretamente relacionada com 57% dos rendimentos de toda a população com menor renda do mundo. Esse dado é capaz de comprovar que existe uma grande diferença na concentração de renda entre a população mais rica e os mais pobres. E é claro que isso reflete diretamente na educação de base, alimentação e demais bens de consumo essenciais para a manutenção da vida do indivíduo.

A linha da pobreza

Para estudar e entender melhor a disparidade econômica entre as classes que o Banco Mundial criou uma medida que define quais são as 10 piores linhas de pobreza de todo o país, com base no dólar PPC.

Dessa forma, os indivíduos que recebem menos de 1,25 desse dólar por dia são considerados extremamente pobres, enquanto os que ganham entre 1,25 e 2 dólares são considerados pobres.

E os dados são bem alarmantes: segundo o Banco Mundial, cerca de 22% de todos os indivíduos do mundo vivem em situação de extrema pobreza, enquanto outros 44% ganham entre 1,25 e 2 dólares por dia. Sendo assim, o estudo concluiu que 66% da população de todo o mundo vive em uma situação bem alarmante, com destaque para algumas regiões da América Latina, África Subsaariana e sul do continente Europeu.

As principais causas da desigualdade social

Além da errônea maneira de distribuir a renda entre a população, outros fatores também são responsáveis pela instauração da desigualdade social em todo o mundo.

Entre as causas o destaque vai para a má gestão dos recursos naturais, os salários mais baixos e a própria falta de empregos assalariados. Além disso, um modelo político capitalista, centrado no conceito de mais valia e de consumo e a própria corrupção dos governos, também são causas para o aumento da disparidade entre uma classe social e outra, já que governos corruptos tendem a tornar o “rico cada vez mais rico, e o pobre cada vez mais pobre”.

Além disso, outro problema capaz de aumentar a desigualdade entre as classes é a própria falta de investimentos em âmbito social e cultural. A educação e saúde pública de qualidade também são de extrema importância, porém, infelizmente são deixados de lados em muitos países.

As consequências da desigualdade social

E é claro que essa disparidade não poderia deixar de trazer uma série de consequências, começando com a miséria e a pobreza que por sua vez, são as grandes responsáveis pelo efeito de favelização. A marginalização também aumenta e isso já nos leva a um novo problema: a criminalidade e o aumento cada vez maior de índices de violência.

Além disso, a desigualdade é também a principal causa da mortalidade infantil, da desnutrição e da própria fome, não só envolvendo crianças como famílias em todo o mundo, que não têm recursos suficientes para manter suas necessidades básicas e diárias.

A desigualdade social também intensifica o surgimento de mais e mais classes sociais, lembrando que isso é um fator capaz de atrasar e muito o progresso gradativo de uma nação em vários aspectos.

Por fim, devemos destacar que o quadro de disparidade social gera um processo extremamente atrasado e prejudicial no que diz respeito à educação, saúde, moradia, emprego e outros que são de direito do cidadão.