Acentuação: Regras Básicas e Tipos de Acento


Essencial na comunicação escrita, a acentuação é um dos requisitos da Língua Portuguesa que guia o leitor no momento de ler. Sem ela, por exemplo, um profissional de rádio ao ler o roteiro de programação poderia cometer diversos equívocos ao realizar a narrativa, já que problemas em relação à acentuação podem causar diversas ambiguidades.

Além de ser necessária para a interpretação dos textos, a acentuação está entre as regras estabelecidas pelo que chamamos de Gramática Normativa. Essas regras existem para que haja um sistema de organização em relação à tonicidade. Por sua vez, tonicidade nada mais é do que a intensidade que empregamos na pronúncia das sílabas – no caso, as sílabas tônicas.

Acentuação

A acentuação, portanto, é uma regra da gramática da Língua Portuguesa exigida nos colégios, provas, vestibulares e concursos, sendo de extrema importância que os estudantes tenham domínio sobre esse assunto. A melhor maneira de escrever, ainda, é adotando hábitos de leitura e redação. Como diz o velho ditado popular: “a prática leva à perfeição”.

As novas regras da gramática portuguesa, que são exigência desde 2009 em países que adotam essa língua, é outro motivo pelo qual devemos (re) estudar a acentuação, já que centenas de palavras em português tiveram alteração em sua grafia, como é o caso de ideia, voo, enjoo, onomatopeia, entre outras, que não levam mais os seus respectivos acentos.

Acentuação Tônica: regras básicas

Como dito anteriormente neste artigo, as sílabas tônicas são as de maior intensidade na nossa pronúncia. E, para essas sílabas, existem algumas regrinhas básicas que precisam ser seguidas. Veja os exemplos abaixo:

• Ágape – sílaba tônica: “á”
• Óbvio – sílaba tônica: “ó”
• Comestível – sílaba tônica: “tí”
• Mártir – sílaba tônica: “már”
• Rosário – sílaba tônica: “sá”

Como notamos acima, a própria maneira de pronunciar a palavra já é uma grande pista sobre qual sílaba deve receber a acentuação. As sílabas que compõem o restante da palavra, como possuem menor intensidade de pronúncia, são chamadas de átonas.

Voltando às sílabas tônicas, as palavras, ainda, podem ser dividas entre: oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas. Veja abaixo quais são as diferenças:

• Oxítonas – quando a sílaba tônica é a última sílaba da palavra;
Exemplos: coração – verão – café – cafuné – cajá

• Paroxítonas – quando a sílaba tônica é a penúltima sílaba da palavra;
Exemplos: tórax – rosário – relicário – útil – passível

• Proparoxítonas – quando a sílaba tônica é a antepenúltima sílaba da palavra.
Exemplos: médico – ônibus – lâmpada – câmara – tímpano

Como você pode ver acima, falamos sobre apenas sobre os vocábulos que possuem mais de uma sílaba. No entanto, a Língua Portuguesa também dispõe do que chamamos de monossílabos, que são palavras compostas apenas por uma sílaba. Esse tipo de vocábulo, quando é pronunciado, apresenta diferenciação relativa à intensidade.

Essa diferenciação, porém, só pode ser percebida quando ocorre a pronúncia em uma sequência de palavras. Veja os seguintes exemplos:

“Hoje SEI que NÃO sou nada disso
Também SEI que vou seguir em frente”

As palavras em destaque (em maiúsculas) são classificadas como tônicas, enquanto as demais (que, sou, vou) são classificadas como átonos.

Acentuação: tipos de acentos

• Acento agudo ( ´ )

Explicação: quando o acento agudo é empregado sobre as letras “a”, “i”, “u” e “em”, ele indica que essas letras representam as vogais tônicas em palavras como: Ceará – traí – súbito – refém.

Quando o acento agudo é empregado sobre as letras “e” e “o”, por sua vez, ele indica, além da sílaba tônica, o timbre aberto. Exemplos: Niterói – céu – troféu – médico – ética.

• Acento circunflexo ( ^ )

Explicação: também conhecido popularmente como “chapéu”, o acento circunflexo pode ser empregado nas letras “a”, “e” e “o”. Além de indicar a tonicidade, esse acento também indica o timbre fechado. Exemplos: câmara – propôs – compôs – Atlântico – âmbar.

• Acento grave ( ` )

Explicação: esse acento indica uma fusão entre “a” com artigos e pronomes. O acento grave é o utilizado nas palavras craseadas. Exemplos: à – às – àquelas – àqueles

• Til (~)

Explicação: o til indica que “a” e “o” representam vogas nasais. O mesmo ocorre na fusão entre “o” e “e”. Exemplos: composição – preposição – radiação – propõe – dispõe.

• Trema ( ¨ )

Explicação: com a nova regra ortográfica, sobre a qual falamos sobre no início do artigo, o trema foi eliminado da gramática da língua portuguesa. No entanto, ele ainda pode ser utilizado quando a palavra deriva de nomes estrangeiros. Exemplo: mülleriano (do nome Müller) – hübneriano (do nome Hübner) – büncheniano (do nome Bündchen).

Outras regras:

• Todas as palavras oxítonas que terminam com “a”, “e”, “o” e “em” têm acentuação, sejam elas seguidas de plural ou não.

Exemplos: Amapá – carijó – café(s) – refém(s)

A mesma regra vale para os monossílabos tônicos que terminam com “a”, “e” e “o”, sejam eles seguidos de plural ou não.
Exemplos: pó – pé – pá – dá – dó – há

E, por fim, a mesma regra também vale para as formas verbais que terminam com “a”, “e” e “o” tônicos, seguidas de “lo”, “lá”, “los” e “las”.
Exemplos: explicá-las – respeitá-lo – percebê-lo