Propriedades aperiódicas da tabela periódica


A tabela periódica é a disposição sistemática dos elementos químicos na forma de uma tabela em função das suas propriedades. As propriedades – as quais iremos nos focar no artigo a seguir – são características que certos elementos químicos podem revelar segundo sua posição na tabela e ocorrem à medida que o número atômico do elemento específico aumenta, por conseguinte, assumindo valores que aumentam e diminuem em cada período da tabela.

Entre as principais propriedades estão: o Raio Atômico (distância do núcleo até a última camada eletrônica); o Potencial de Ionização (energia que se deve oferecer a um átomo no estado gasoso para que ele perca um elétron); a Eletronegatividade (propriedade de um átomo em puxar para si um par eletrônico de uma ligação covalente); a Eletropositividade (propriedade em que um átomo perde elétrons); a Afinidade Eletrônica (energia que um átomo libera quando captura um elétron).

Propriedades aperiódicas

Porém, essas são só algumas propriedades que podemos verificar com o auxílio da tabela periódica. Uma utilização fundamental para a tabela periódica é a observação das propriedades periódicas – brevemente citadas anteriormente – e aperiódicas, aplicadas para relacionar características dos elementos com suas estruturas atômicas. Dentre ambas podemos perceber diferenças entre suas definições.

As propriedades periódicas são basicamente o que foi citado anteriormente. O crescente valor do número atômico assumindo valores que crescem ou decrescem a cada período da tabela. Porém, a partir desse segmento temos também as propriedades aperiódicas da tabela periódica que é quando os valores dessas propriedades específicas variam à medida que o número atômico aumenta, mas não obedecem à posição da tabela periódica, ou seja, não seguem um padrão delimitado. São elas: calor específico, dureza, índice de refração e massa atômica.

Nos tópicos a seguir definiremos com mais profundidade as propriedades periódicas e aperiódicas da tabela periódica, especificando cada uma das propriedades em questão:

Propriedades Periódicas da tabela periódica

Eletropositividade e Eletronegatividade: A Eletronegatividade é a tendência de um átomo em perder elétrons e isso ocorre em ligações químicas, portanto, não se pode calcular a eletronegatividade de um átomo isolado. A escala de Pauling define que a eletronegatividade de um átomo cresce de baixo para cima segundo cada coluna de família e no período da esquerda para a direita seguindo seu número atômico. Tornando, assim, o Flúor o elemento mais eletronegativo da tabela. Eletropositividade, como foi dito anteriormente, é a propriedade em que um átomo perde elétrons. Esta propriedade é calculada sob um mesmo raciocínio que a eletronegatividade, porém ao contrário. De cima para baixo em cada família e da direita para a esquerda em cada período. Tornando, assim, os metais os elementos mais eletropositivos.

Raio atômico: Calcula-se, basicamente, a partir da distância do núcleo até a sua eletrosfera. Porém, como o átomo não é rígido, calcula-se o raio atômico com o auxílio de outro elemento a partir de uma ligação química: a distância entre seus núcleos definirá o seu raio atômico.

Afinidade eletrônica: Mede a energia liberada por um átomo em estado fundamental ou em estado gasoso ao receber elétron. Ou, também mede a energia necessária para a retirada de um elétron de um ânion de um determinado elemento.

Potencial de Ionização: Mede o contrário da afinidade eletrônica, calculando o potencial de energia de retirada de um elétron de um átomo neutro, em estado fundamental ou em estado gasoso. Sendo que, para a primeira retirada, a energia utilizada é menor do que na segunda retirada, que por sua vez será menor que na terceira retirada e assim sucessivamente.

Propriedades Aperiódicas da tabela periódica

Massa atômica: É uma unidade de peso de um átomo medida em comparação com uma grandeza previamente determinada (1/12 da massa de um átomo isótopo de carbono-12). Essa propriedade aumenta de acordo com o aumento do número atômico independente da sua localização na tabela periódica.

Calor Específico: Quantidade de calor que um grama de uma substância predeterminada precisa absorver para aumentar sua temperatura em 1°C, sem que haja alteração no seu estado físico, ou seja, no corpo atômico, leigamente falando. O calor específico de um elemento em estado sólido sempre diminui com o aumento do seu respectivo número atômico.

Dureza: Propriedade mecânica característica de materiais sólidos que representa a resistência destes materiais quando expostos ou em risco de penetração quando pressionados. Depende muito do estado físico em que o elemento estará, porém quanto maior o número atômico, maior será a dureza do elemento.

Índice de Refração: É a propriedade física descrita como a razão entre a velocidade da luz em dois meios diferentes preestabelecido (geralmente no ar e em um corpo transparente mais denso). O índice de refração também aumenta conforme maior número atômico apresentar o elemento.

Para finalizar, a densidade atômica, o volume atômico, a temperatura de fusão e a temperatura de ebulição podem ser consideradas também como propriedades aperiódicas, apesar de estarem sempre inclusas nas definições de propriedades periódicas. Por apresentarem alguns desordenamentos: o crescente volume atômico do centro para as extremidades, as temperaturas de fusão e ebulição crescem nas famílias da esquerda (1A e 2A) e decrescem da direita (Gases Nobres e halogênios).