A Descoberta da Célula


As células, presentes desde sempre no organismo humano, só foram descobertas no ano de 1665, pelo biólogo Robert Hooke. Seu objetivo, no entanto, era a observação de um material vegetal usado para a composição de rolhas (denominado ‘cortiça’).

A Descoberta da Célula

Após analisar o corte da cortiça aumentado em mais de 250x, o biólogo notou a presença de pequenos compartimentos entre eles, que neste momento, denominou de ‘células’.

O que são células e como foram descobertas?

Como você já deve saber, as células consistem nas menores – e mais importantes – unidades estruturais e funcionais dos seres vivos.

Na grande maioria dos casos as células são microscópicas e altamente complexas, o que faz com que dificilmente possam ser observadas e estudadas a olho nu. Não à toa, as células foram registradas apenas depois do surgimento dos microscópios.

Há a crença de que o primeiro microscópio tenha surgido em 1590, na Holanda, sendo ele desenvolvido por Hans Jansen e seu filho Zacharias Jansen.

Neste período, o aparelho não tinha grande importância – e era considerando irrelevante para a ciência. Sendo assim, após a sua invenção, ele foi usado como um simples ‘brinquedo’, que tornava possível a observação de objetos de modo mais detalhado e complexo.

Mas não demorou para o potencial dos microscópios ser descoberto. Com algum aprimoramento, eles passaram a ser fundamentais para a realização de uma série de pesquisas científicas.

Há a crença de que os materiais do tipo biológicos tenham sido pela primeira vez observados entre os anos de 1630 e 1720, por Antoni Van Leeuwenhoek. O biólogo foi o primeiro a reconhecer protozoários, espermatozoides, bactérias e outras estruturas.

Mas, foi só em 1665 que Robert Hooke observou uma estrutura fundamental para a existência dos seres vivos, dando a ela o nome de célula. Suas pesquisas sobre o material foram divulgadas na obra Micrographia e, a partir de então, o termo se disseminou em todo o mundo.

Na época da descoberta, Hooke pode analisar unicamente as estruturas celulares vegetais mortas (e consequentemente, vazias). Mas, nos dias de hoje, sabe-se que as células são estruturas ricas em diferentes estruturas.

Após descobertas as células, muitos foram os estudiosos que se dedicaram às pesquisas das células presentes em plantas e em animais.

Não tardou para que o material do tipo gelatinoso que compõe o citoplasma das células fosse descoberto, assim como é o caso do núcleo: em 1833, na Escócia, o botânico Robert Brown descobriu que as células tinham o interior esférico ou ovoide, e decidiu chamá-los de núcleos.

Outras descobertas dessa mesma fase foram sobre a parede celular e a membrana plasmática, presente não só nos humanos como também em plantas e animais.

Posteriormente, foi possível definir ainda diferentes tipos de células com base em suas funções, tonalidades e formas. São elas:

  • Glóbulos vermelhos – esse tipo de célula, também conhecida como ‘hemácia’, nada mais é do que a célula presente em nosso sangue. Elas possuem o centro bem afundado e são essencialmente redondas. Seu formato é o que permite a facilidade para locomoção de dióxido de carbono e oxigênio em nosso organismo;
  • Células nervosas – já essas células, presentes na pele, são prolongadas e do tipo delgadas. Elas ficam muito próximas umas às outras, e é exatamente essa característica que permite que elas revistam todo o nosso corpo;
  • Células musculares – você sabia que os nossos músculos também são compostos por células? Pois é. Essas células são mais cumpridas e também permanecem próximas umas às outras. Quando o músculo está relaxado, elas são capazes de se esticarem. Mas, quando os contraímos, elas se encolhem.

As células ainda podem assumir os diferentes formatos: feijão, caixinhas, bastonetes, esferas, espirais e assim por diante.

Sobre a teoria celular

Com os avanços da tecnologia e especialmente da ciência, estudiosos notaram que não só os humanos, como vários outros seres vivos, são compostos por células.

Entre eles se destacam Theodor Schwann (fisiologista) e Matthias Schleiden (botânico), que chegaram às mais importantes e decisivas conclusões sobre as células.

Em 1838, Scheleiden chegou à definição de que as células eram as mais básicas unidades vegetais. Apenas um ano depois, ele conseguiu observá-las também nos animais. Foi a partir de então que a Teoria Celular surgiu, como uma forma de explicar que todos os seres com vida eram formados por estruturas celulares.

Não tardou para que a Teoria Celular fosse complementada. Rudolf Virchow, patologista, se tornou famoso após descobrir que “toda célula se origina por meio de outras células”.

Nos dias de hoje, a Teoria Celular é composta por três básicos conceitos. São eles:

1. Qualquer organismo vivo (entre animais, humanos e plantas) são compostos por estruturas celulares;

2. As células nada mais são do que pequenas unidades funcionais e morfológicas dos seres vivos;

3. As células não se originam sozinhas, mas sim, a partir da existência de uma célula idêntica já presente no organismo do indivíduo.