Golfinho Toninha


Os golfinhos são mamíferos muito conhecidos por sua alegria e sons peculiares. A interação deles com os humanos também chama muito a atenção e acaba por fazê-los ícones de filmes e seriados em todo o mundo.

Mas diferente dos golfinhos saltitantes, os Golfinhos Toninhas são conhecidos por sua timidez excessiva e até mesmo por sua falta de contato com os humanos, já que eles não se aproximam muito. Mas, diferentes de outras famílias de golfinhos, as toninhas não nadam em alto mar e por isso são comumente encontradas na costa brasileira em águas pouco rasas ou até mesmo em rios. Ela também não salta como os outros e sobe a superfície apenas para respirar, por isso quase nunca é vista por pescadores ou turistas.

Golfinho Toninha

As toninhas podem ser também encontradas em águas argentinas e uruguaias, mas por lá recebem o nome de franciscanas por causa de sua cor muito semelhante aos hábitos do frades da ordem franciscana.

Ele é uma das menores espécies de golfinhos de todo o mundo, as fêmeas podem medir entre 1 metro e 33 centímetros a 1 metro e 77 centímetros, já os machos podem variar de tamanho de 1 metro e 25 centímetros até 1 metro e 58 centímetros e podem pesar na vida adulta cerca de 45 quilos. As Toninhas se diferem também dos outros cetáceos por causa de uma característica marcante, seu alongado focinho e por seus mais de 200 dentes.

Pontoporia Blanvillei

Este é o nome científico das Toninhas, que também são conhecidas como Golfinho do rio da prata, boto-amarelo, boto-cachimbo, além dos nomes já citados em território brasileiro e uruguaio. Elas vivem em águas da costa que vão do estado do Espírito Santo até a Região Sul do continente sul-americano, mas também são encontradas em rios e são os únicos que conseguem viver em dois habitares diferentes. De acordo com os pesquisadores isso acontece porque as Toninhas são o cetáceo mais antigo de todas as espécies de golfinhos e com o surgimento dos chamados de golfinhos modernos, elas tiveram que mudar seus hábitos e passaram então a viver também em águas fluviais.

Elas são encontradas em profundidade que variam de 30 metros a 50 metros e não é comum encontrá-las em estuários, baías ou ambientes muito protegidos.

Por seus hábitos tímidos as Toninhas vivem no máximo em duplas, sendo que só são encontradas em mais indivíduos quando esses possuem crias que ainda estão em período de amamentação. Porém, os cientistas afirmam que esses animais são mais sociáveis, mas que não costumam aparecer em bando. De acordo com os pesquisadores elas podem viver em grupos familiares de 3 a 15 cetáceos e é possível também que se encontrem em grupos familiares ainda maiores.

Uma Toninha entra em sua fase reprodutiva quando alcança os três anos de idade. Seu período gestacional demora 11 meses e depois disso o filhote, que nasce com cerca de 7 a 9 quilos, com mais de 70 centímetros de comprimento. Nasce apenas um filhote por gestação e o mesmo passa 1 ano sendo amamentado pela fêmea.

As Toninhas podem viver até 25 anos, mas não é comum encontrar na natureza animais adultos com mais de 15 anos, isso porque elas são presas fáceis e acabam sofrendo e muito com a pesca, já que não nadam em alto mar.

Uma espécie em extinção

De acordo com a Escola Nacional de Saúde Pública as Toninhas são as segundas na lista de espécies ameaçadas de extinção em todo o mundo, e estão atrás das Vaquitas, golfinhos encontrados no Golfo do México que estão em rápida desolação e por isso muito perto da extinção. Seus hábitos alimentares vão de pequenos peixes, camarões e lulas.

Entre as principais ameaças para as Toninhas estão as redes de pescas nas quais elas ficam presas usualmente, são cerca de mil e quinhentos golfinhos que morrem todos os anos com essa prática.

Outro problema são a poluição, como vivem perto da costa elas acabam convivendo com esse problema todos os dias, estima-se que cerca de 9 mil detritos são jogados na areia a cada trimestre e isso acaba sendo levado para dentro do mar e provocando a morte desse animais que acabam ingerindo sacos plásticos, garrafas pets e outras sujeiras pensando que são comida.

Os cientistas também afirmam que as Toninhas são a espécie de golfinho mais sensível a sons de todo o mar e por isso sofrem com as ondas e poluição sonora causas principalmente por grandes embarcações.

As Toninhas ainda têm que se preocupar com seus temidos predadores naturais que são a Orca e os tubarões Cação-bruxa, Tubarão Martelo e o Tubarão Tintureira.

Projeto Toninhas

Foi pensando na proteção e salvação das Toninhas que nasceu o Projeto, em São Francisco do Sul, cidade de Santa Catarina. Situado nas margens da Baía de Babitonga, a única baía do continente onde as Toninhas são encontradas, fica a sede do projeto, dentro da Univille, junto com os labortatórios de Biologia Marinha e do Espaço Ambiental Babitonga.

Uma equipe de profissionais e alunos pesquisam os hábitos das Toninhas, desde sua comunicação até acasalamento e buscam também encontrar formas de tirar o pequeno golfinho da lista de animais que podem ser extintos.

Entre os muitos projetos propostos estão a diminuição do tamanho das redes de pesca, assim como a proibição de se pescar em áreas de até 20 metros de profundidade. De acordo com as pesquisas, essas medidas poderiam reduzir em até 75% as chances de extinção da espécie mais tímida de golfinhos de todo o mundo.