Mamíferos do Cerrado


O cerrado é o segundo maior bioma de todo o território brasileiro. Ele está localizado, na maior parte, nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Goiás, mas também está presente em Minas Gerais, no Maranhão e no Piauí, ainda que em menor quantidade. Hoje você vai conhecer os mamíferos do cerrado, ou seja, quais são os principais que habitam esse bioma e suas características.

Mas antes, é necessário compreender melhor o próprio cerrado, para saber quais são as condições ambientais que permitem a presença e a sobrevivência de tais mamíferos.

Mamíferos

Características do cerrado

Aqui no Brasil, os ambientalistas estimam que o cerrado teve uma diminuição de 50% e isso se deve ao avanço da agricultura e da pecuária de corte. O cerrado é uma vegetação que se desenvolve em locais onde as estações do ano são bem marcadas, com uma seca e outra chuvosa. Além disso, seu solo costuma ser arenoso.

A vegetação mais comum no cerrado é do tipo tropófila, ou seja, se adapta bem tanto ao período de seca quanto de chuva. Além disso, a maior parte das plantas são caducifólias, porque perdem as folhas durante a estiagem e de pequeno porte. Os galhos retorcidos e as folhas grossas também são características marcantes.

Ainda falando sobre a vegetação do cerrado, é importante ressaltar que as suas raízes são profundas e há uma razão para isso: em épocas de seca, essas plantas precisam buscar água em locais do solo mais afastados da superfície, para que possam sobreviver.

Os solos são pobres e ácidos, por isso, a região só começou a ser aproveitada para a agricultura de forma mais intensa quando a mecanização do campo permitiu a correção desse solo.

Mamíferos do cerrado

A biodiversidade tanto da flora quanto da fauna do cerrado é favorecida, em grande parte, pela presença de três importantes bacias hidrográficas: Tocantins-Araguaia, Argentina e Prata. Vamos ver agora quais são os principais mamíferos que habitam esse bioma.

• Anta

Seu nome científico é Tapirus terrestris e, na fase adulta, pode pesar entre 140 e 250 quilos. Embora ela possa ser encontrada em qualquer região do cerrado, é mais comum nas veredas (que são subsistemas), além de matas ciliares e áreas alagadas. Essa é uma espécie considerada como vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

• Ariranha

Essa espécie tem como nome científico Pteronura brasiliensis, pesa cerca de 20 quilos quando adulta. Por causa dos seus hábitos de vida, fica nas regiões de mata ciliar, ou seja, na vegetação que rodeia os rios. Também segundo a IUCN, a ariranha é um animal ameaçado de extinção.

• Capivara

Ela tem um nome científico complicado: Hydrochoerus hydrochaeris e é um dos mamíferos de maior porte a habitar o cerrado, junto com a anta. Uma capivara adulta pesa, em média, 70 quilos e corre um risco mínimo de extinção. A capivara também tem uma preferência por veredas, matas ciliares e ambientes alagadiços.

• Cervo

É chamado cientificamente de Blastocerus dichotomus e também tem um tamanho grande, com até 100 quilos na maturidade. Corre um risco de extinção e, além de habitar os mesmos ambientes preferidos pelas capivaras, também se encontra em outros dois subsistemas: o campo e a mata.

• Jaratataca ou Cangambá

Nome científico: Conepatus semistriatus. É um mamífero bem pequeno, com aproximadamente um quilo e que não está sendo ameaçado de extinção, pelo menos não nesse momento. Se locomove rapidamente e é muito encontrado no subsistema de campo.

• Cuíca

É o Philander opossum e também é um mamífero bastante pequeno, já que não costuma ultrapassar os 4 quilos. Vive em todos os subsistemas do cerrado e também não sofre ameaça de extinção.

• Jaguatirica

O Leopardus pardalis pesa aproximadamente 15 quilos quando adulto e vive nos seguintes subsistemas do cerrado: mata, mata ciliar, cerrado e cerradão. A jaguatirica corre um risco mínimo de extinção.

• Irara

Tendo como nome científico Eira barbara, a Irara é um animal pequeno, de 8 quilos que não está em risco de extinção e fica entre a mata e a mata ciliar.

• Tamanduá-bandeira

Myrmecophaga tridactyla, esse é o nome científico desse animal tão peculiar. Ele também está presente no cerrado, especialmente nos subsistemas de campo e cerrado. É considerado vulnerável em relação à ameaça de extinção e, quando adulto, pesa de 25 a 30 quilos.

• Tatu Canastra

Uma espécie bem grande de tatu, considerando que um adulto chega a pesar 30 quilos. O nome científico é Priodontes maximus e ele também está em situação de vulnerabilidade.

Além desses que foram citados, existem vários outros mamíferos do cerrado, como a onça pintada (que chega a pesar 100 quilos e está a ponto de entrar para o grupo de ameaçados de extinção), o ouriço-cacheiro, paca, queixada (porco-do-mato), quati, a suçuarana e outros mais. Realmente, esse é um bioma que merece o devido destaque pela sua biodiversidade.