Resumo sobre Obesidade


De acordo com uma pesquisa internacional realizada pela Universidade de Washington, mais de dois bilhões de pessoas no mundo todo são obesas ou estão em condição de sobrepeso. Muito mais do que estética, esse é um caso de saúde pública, principalmente ao considerarmos que existem inúmeras doenças relacionadas com o excesso de peso.

Acompanhe agora um resumo sobre obesidade, para entender melhor o que é, quais os fatores de risco principais e as consequências.

Resumo sobre obesidade – contexto geral

Quando uma pessoa pode ser considerada obesa? Essa é a primeira questão a ser respondida em se tratando desse assunto. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma pessoa já é obesa quando o seu Índice de Massa Corpórea (IMC) é superior a 30. O IMC é dado pelo seguinte cálculo: o peso (em quilos), dividido pelo quadrado da altura (em metros).

Obesidade

Essencialmente, a obesidade se caracteriza pelo acúmulo de gordura em excesso no corpo, na maioria dos casos, porque a pessoa ingeriu e ingere uma quantidade muito maior de calorias do que consegue de fato gastar em suas atividades cotidianas.

Alguns fatores de risco aumentam as chances de se ter obesidade. Podemos citar por exemplo uma alimentação não balanceada, com excesso de calorias e gorduras; o sedentarismo; estresse; tabagismo e, também, fatores hereditários. Existem pessoas que engordam com mais facilidade naturalmente, por terem um metabolismo mais lento.

Mas, como a obesidade pode ser diagnosticada? Como já foi dito, o que determina se a pessoa é obesa é o IMC, portanto, realizar o cálculo é o primeiro passo para confirmar a condição. Quem tem o IMC abaixo de 18,5 está abaixo do peso considerado ideal; de 18,5 até 24,9 é o ideal; de 25 até 29,9 o indivíduo já está com sobrepeso e, acima de 30, já é um quadro de obesidade.

Para cada situação, o médico é a única pessoa que pode sugerir o tratamento mais adequado. Algumas pessoas precisam se submeter a uma cirurgia de redução de estômago, outras devem perder uma certa quantidade de quilos para então serem operadas, há ainda as que se tratam com medicação e diversos outros casos.

No entanto, quem está obeso não deve focar apenas na cirurgia ou na medicação, porque ambos os tratamentos devem estar acompanhados por uma mudança de hábitos. Recomenda-se que o paciente procure um nutricionista que vai indicar a melhor dieta, de acordo com as particularidades de cada um, tendo a reeducação alimentar como objetivo. Procurar um profissional de educação física e adotar uma rotina de exercícios também vai ajudar a perder peso com saúde.

Não se deve pensar na obesidade apenas como o número da balança que precisa ser reduzido, mas lembrar-se de que ela limita a qualidade de vida.

Outro fato que merece ser destacado é o de que muita gente ainda compra remédios para emagrecer sem a prescrição médica, às vezes, até contrabandeados. Isso jamais deve ser feito, porque pode provocar até a morte. Por isso, mais uma vez, o acompanhamento médico é essencial para um tratamento eficiente.

Resumo sobre obesidade – possíveis desdobramentos

Você verá nessa parte do resumo sobre obesidade as 10 doenças mais comuns relacionadas a esse grau de excesso de peso. Mais de 80% das pessoas obesas desenvolvem pelo menos uma delas.

• Hipertensão arterial: é uma das maiores causas de morte entre os norte-americanos. A elevação da idade e do peso são fatores que contribuem para elevar a pressão sanguínea.

• Doença coronariana: é um problema cardiovascular também associado à obesidade e que eleva significativamente as chances de o indivíduo sofrer com um infarto do miocárdio.

• Dores lombares e nas articulações: a coluna sustenta uma boa parte do peso do corpo, por isso, o excesso dele pode provocar lesões nas suas regiões mais sensíveis.

• Infecções na cútis: as famosas “dobras” que se formam em algumas partes da pele de pessoas obesas provocam um atrito do tecido epitelial, o que pode deixá-lo irritado e causar infecções.

• Úlceras: um dos elementos causadores das úlceras gástricas é o desequilíbrio no estômago, normalmente, a produção excessiva de ácido digestivo. Quem possui distúrbios alimentares e come em excesso pode ter mais chances de ser vítima desse problema.

Diabetes: a obesidade provoca a resistência à insulina, que culmina no desenvolvimento de diabetes do tipo 2.

• Colesterol alto: a elevação do LDL aumenta os riscos de se ter uma doença coronariana em até 20%. E essa é mais uma doença que pode ser gerada pela obesidade.

• Infertilidade: o excesso de peso nas mulheres altera os hormônios e uma das possíveis consequências é a insuficiência dos ovários, que as impede de ter filhos.

• Câncer: vários tipos de câncer são mais comuns em obesos.

• Pedra na vesícula: uma dieta com excesso de gorduras eleva a produção da bile pelo fígado, porque ela ajuda a emulsionar essas substâncias. As pedras na vesícula muitas vezes aparecem quando ela libera excesso de bile.