O Fogo no Cerrado


A prática das queimadas que tem como objetivo de preparar a terra para as atividades agrícolas é uma ação bastante recorrente no Cerrado. Isso porque a medida representa uma alternativa barata para garantir a utilização do solo na agropecuária. Porém, outra causa importante de incêndios nesse bioma são os tocos de cigarros atirados na mata. Como a região é marcada pelas altas temperaturas, clima seco e baixa umidade relativa do ar, o fogo no Cerrado se espalha com rapidez. Essas queimadas podem ainda se dar por fatores naturais como as descargas elétricas, o atrito entre as rochas ou combustões espontâneas. Até mesmo a fricção do pêlo de determinados animais com a vegetação seca é capaz de originar faíscas.

O Fogo no Cerrado

  • Muitas vezes, as queimadas têm o objetivo de preparar solo para agropecuária;
  • Entretanto, há uma série de situações naturais que podem iniciar um incêndio como cigarros jogados na mata e as descargas elétricas.

Devido aos incêndios frequentes, a fauna do Cerrado adquire características bastante específicas. Por exemplo, as plantas e arbustos encontrados nessa área têm aparência retorcida, pois o fogo faz com que as suas gemas de rebrota aconteçam de forma lateral. Em adição, as cascas dos troncos se tornam mais grossas e servem como um mecanismo de defesa da vegetação contra as queimadas.

Em determinadas ocasiões, o fogo é positivo para o processo de germinação, tendo em vista que algumas sementes precisam do choque térmico para que a chamada dormência vegetativa seja interrompida. O calor é especialmente favorável para as sementes impermeáveis, tendo em vista que ele consegue fissurar as suas cascas, facilitando a entrada de água. Tem-se assim o começo de um processo de germinação. Como a queimada consome a palha acumulada no solo, ela auxilia no transporte das sementes e, consequentemente, na propagação de alguns vegetais. Outro aspecto interessante sobre o Cerrado é a sua grande capacidade de se recuperar após um incêndio. Afinal, a fauna local conviveu com a presença desse elemento na sua evolução e foi selecionada de acordo com o seu poder de adaptação a ele.

Em pouco tempo, é possível ver as plantas rebrotarem, trazendo de volta os animais herbívoros de vários tipos. Certas espécies típicas da região como o Carcará, o Anu e a Seriema acompanham as queimadas e comem os insetos e répteis alcançados pelos incêndios. Há ainda a resposta das plantas, com flores que fornecem boas quantidades de pólen e néctar. Depois, as mesmas flores irão produzir sementes e frutos que alimentam os animais do Cerrado. Tanto os brotos quanto as sementes nutrem o veado-campeiro e a ema, por exemplo. Sendo assim, nem sempre as queimadas são negativas para natureza. Porém, recomenda-se uma quantidade de precauções para que o bioma não seja totalmente comprometido por esses atos.

  • O fogo no Cerrado é uma ocorrência frequente na região;
  • As condições naturais do bioma permitem que os incêndios se espalhem;
  • As queimadas determinam a forma da fauna encontrada no Cerrado;
  • O fogo pode ser benéfico para o processo de germinação.

Os problemas das queimadas realizadas pelo homem

Contudo, as queimadas feitas pelo homem têm consequências muito sérias para o bioma. Os principais problemas ocorrem porque o ser humano não respeitam as épocas do ano adequadas para realizar o fogo no Cerrado. A intensidade e a proporção dessa medida também comprometem a biodiversidade da região. Com isso, há uma perda significativa da vegetação e dos animais locais. Hoje, a maior parte dos incêndios tem início graças à ação do homem. Eles são consequência da ocupação ostensiva do solo e do crescimento da agropecuária no Cerrado. Em decorrência disso, a paisagem do bioma foi transformada de modo irreversível e a tanto a flora quanto a fauna sofreram perdas incalculáveis.

  • O grande desafio das queimadas feitas pelo homem é a falta de controle das áreas atingidas;
  • Rapidamente, o fogo no Cerrado pode atingir uma grande área.

Como deve ser feito o manejo do fogo no Cerrado

Por causa dos riscos já descritos, o manejo correto do fogo é imprescindível para a preservação do bioma. O método mais eficiente de se lidar com o procedimento é instaurando o sistema de rodízios para as queimadas, garantindo que porções pequenas sejam atingidas de cada vez. A implementação de regimes próprios, que assegurem os limites do incêndio, reduzem consideravelmente a chance de acidentes de grandes proporções. Dessa maneira, as plantas cumpririam o seu ciclo biológico com a ajuda do calor, Os ecossistemas ficariam mais produtivos, o aproveitamento dos nutrientes minerais seria acelerado e os animais teriam melhores condições de sobreviver aos períodos de seca. Essas espécies também teriam onde se proteger, já que existiriam áreas não afetadas pelo fogo.

  • Para evitar a perda irreparável da fauna e da flora, é preciso delimitar as áreas queimadas;
  • O método de rodízio do solo deve ser incentivado.