Alguns Aspectos do Solo


A locomoção de um lugar ao outro é algo tão comum que geralmente esquecemos analisar como seriam alguns aspectos do solo e suas características.

A palavra solo vem do latim solum e sua definição segundo o dicionário Houssais da Língua Portuguesa “parte achatada e inferior de um todo; fundo (do mar, de um fosso etc.), pavimento; chão”, sendo assim, solo pode ser considerado toda a superfície por onde pisamos.

O solo, além de ser a base para nos locomovermos, abriga variadas formas de vida, isso graças a um processo de evolução que aconteceu gradualmente ao longo dos séculos e suas respectivas transformações ambientais.

Aspectos do Solo

Mudanças que caracterizam os aspectos do solo

Essas mudanças ocorreram por meio de artefatos naturais de intemperismo químico e físico, que foram se desencadeando desde o surgimento do planeta Terra, há aproximadamente 4,5 bilhões de anos atrás. São denominados agentes de meteorização os fatores que estão diretamente ligados às mudanças na superfície da crosta terrestre, agentes esses que são responsáveis pela decomposição e desintegração das rochas quando sujeitas e expostas à sedimentação, transporte e compactação de partículas que modelam o perfil do solo.

Os níveis estratigráficos, ou seja, as camadas de rochas possuem características diferentes entre si, tanto em aspectos dimensionais e estruturais devido a padrões granulométricos quanto em hidratação, coesão e composição mineralógica, concedidas por húmus vindos de restos animais e vegetais que se decompõe na superfície.

Os aspectos do solo em harmonia, como os citados acima, foram conservados até o momento em que os humanos modernos apareceram e iniciaram a exploração de recursos naturais, causando danos à preservação do equilíbrio ambiental. Isso se dá inicialmente pela mudança do comportamento nômade pelo sedentário e pelas técnicas e mecanismos usados para suprir as necessidades de consumos dos grupos da época, sendo que o aumento populacional que ocorreu ao longo da história do planeta começou a exigir áreas de superfície cada vez maiores para atender às necessidades do aumento da população quanto à alimentação. Automaticamente houve, também, a exigência de aprimoramento das técnicas de cultivo para que a produtividade da terra fosse maior, observando que quanto mais tecnológicos forem os mecanismos criados, mais alterações são provocadas no meio ambiente, principalmente no solo, que é a principal fonte de matéria prima.

Os aspectos do solo considerados principais para sua formação, como rochas, micro-organismos e silicatos estão diretamente ligados aos tipos de solo encontrados por nós na natureza.

Nosso país é mundialmente conhecido por ser considerado um ambiente de extrema fertilidade. Esse aspecto fértil do solo brasileiro é dado pela composição de sua superfície, abrigando tipos diferentes de solo de acordo com a região do país. Esses diferentes tipos de solo são geralmente divididos em quatro formas principais: salmourão, massapé, aluviais e terra roxa.

Principais tipos de solo encontrados no Brasil

O salmourão é um solo descendente principalmente da decomposição do granito e pode ser encontrado mais comumente nas áreas do sul, sudeste e centro-oeste do Brasil. Tem como principais características o fato de possuir níveis de acidez, ser muito arenoso e consequentemente menos fértil que os outros.

O massapé é caracterizado por ser um solo quase preto, bastante argiloso e extremamente fértil. Pode ser encontrado facilmente pela extensão do litoral da região do Nordeste e é formado a partir da decomposição do gnaisse, do calcário e de outras rochas, tornando-se pegajoso e úmido nos meses de muita chuva e mais duro nos períodos de estiagem.

Os aluviais são solos formados a partir de fragmentos de rocha chamados de sedimentos, vindos de diversos lugares diferentes, transportados pela ação dos ventos e da água, podendo ser encontrados em regiões diversas do país, principalmente em áreas próximas de rios e várzeas. Não são tão férteis, apesar de possuírem alto potencial agrícola.

A terra roxa é uma qualidade de solo originada de rochas de origem vulcânica, denominadas basaltos. Possui aparência avermelhada, apesar de ser chamado de terra roxa e pode ser facilmente encontrado nos estados de Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, São Paulo, Goiás e Minas Gerais, facilitando a conclusão de que em um passado muito distante essas regiões foram abrigos de vulcões.

A terra roxa pode ser considerada um tipo de solo argiloso, pois sua consistência é impermeável à água e muito fina, sendo considerado um dos melhores tipos de solo para a agricultura, em especial para as plantações de café.

Além do solo argiloso, temos também o solo humoso, encontrado em regiões que possuem vasta concentração de materiais orgânicos em estado de decomposição, materiais esses que como vimos no início do texto é chamado de húmus. O solo humoso também é bastante importante para a agricultura devido ao fato de, assim como a terra roxa, ser um tipo de solo muito fértil. O solo calcário, é um tipo de solo formado por partículas de rochas e tem uma consistência seca, que esquenta com facilidade ao entrar em contato com os raios solares, não sendo por isso muito adequados para a prática agrícola, podendo ser encontrado principalmente em regiões desérticas.