As modalidades de energia: Energia, desigualdade e a questão ambiental


Se por um lado, o uso das fontes de energia propiciou um grande aumento da capacidade humana em controlar a natureza, e portanto, uma melhoria na qualidade de vida, por outro, existem grandes problemas ligados à expansão do uso da energia no planeta.

O primeiro problema que merece destaque é da desigualdade mundial em relação à utilização da energia. Apesar da energia se originar da própria natureza, para que ela possa ser utilizada em grande escala pelos seres humanos são necessários procedimentos técnicos de transformação de um tipo de energia em outro. O trabalho efetivado sobre a natureza para produzir energia, dentro da sociedade capitalista, se transforma em mercadoria, deste modo, o uso da energia é condicionado pela possibilidade de compra-la.

As modalidades de energia

Sendo assim, mesmo que um país tenha importantes fontes de energia, como jazidas de petróleo, carvão ou gás natural, isso não garante à sua população um alto padrão de vida baseado no consumo energético. Este fato, que parece um mero detalhe, produz grandes desigualdades em relação ao uso de energia no mundo e mesmo dentro dos países.

Outro problema relacionado ao uso das fontes de energia pela humanidade é o desiquilíbrio dos sistemas naturais. A intensificação das alterações produzidas pela sociedade no meio ambiente para que se possa ter acesso à energia, vem produzindo problemas ambientais como a intensificação do efeito estufa, os desmatamentos e a poluição atmosférica.

É preciso destacar que o uso de energia no planeta tem limites. Estes limites são representados pela própria limitação de muitas fontes de energia, como no caso das fontes não renováveis, mas também pela limitação que os sistemas naturais têm em absorver as alterações neles realizadas para a produção de energia.

O caso de combustíveis fosseis, como o carvão, o petróleo e o gás natural, é o melhor exemplo para que possamos entender esta questão. Por um lado, estes combustíveis são limitados, eles não vão existir para sempre, por outro a sua queima tem como consequência a liberação de gases estufa na atmosfera. É preciso considerar que esta liberação também tem um limite, ao contrário, poderemos promover uma grande catástrofe ambiental no planeta.

Estes dois problemas, a desigualdade no uso e as consequências para o meio ambiente, se unem ao verificarmos estas limitações ao uso das fontes de energia. Atualmente, os países centrais, mesmo tendo cerca de 20% da população mundial, são responsáveis por mais de 80% do consumo de energia do planeta. Só os EUA, com menos de 5% da população mundial, são responsáveis por um quarto da emissão de gases estufa na atmosfera.

O consumo de energia e a emissão de gases na atmosfera dos países mais desenvolvidos apenas se sustentam, ainda, devido ao baixo desenvolvimento dos outros países do mundo. Este padrão de consumo energético é um sonho que, provavelmente, a maioria da população mundial não poderá jamais realizar.

A industrialização e as fontes de energia no Brasil

O uso das fontes de energia, está diretamente ligado a fatores políticos, econômicos s culturais. Deste modo, antes de estudarmos o uso das fontes de energia no Brasil, é importante temos ideia de como se caracteriza o perfil energético do país.

Chamamos de perfil energético, ou matriz energética, a participação das fontes primarias na produção total de energia de um país. Fontes primárias por sua vez, são as fontes originarias de energia. Por exemplo, a energia elétrica não é uma fonte primária, já que ela não está disponível para o uso humano na natureza. Ela pode ser produzida em usinas hidrelétricas, então dizemos que a fonte primária é a hidráulica, ou em termoelétricas movidas a gás natural, dizemos então que a fonte primária é o gás natural.

O perfil energético de um país pode revelar muita coisa sobre suas características naturais e econômicas. No Brasil, o uso intenso da energia elétrica derivada da força hidráulica revela a existência de rios com grande potencial para tal fim.

As, as mais importantes determinações acerca do uso das fontes de energia são políticas, econômicas e culturais. Isso fica bem claro se considerarmos que a matriz energética dos países pode mudar bastante ao longo do tempo. Estas mudanças estão sempre ligadas à história de cada país.

No Brasil, o processo de modernização que deu origem à atual sociedade urbano-industrial, produziu amplas mudanças no perfil energético.

Até a década de 30, a economia brasileira de caráter agroexportador, levava à constituição de um perfil energético com base na utilização da biomassa, principalmente a lenha e os restos da produção agrícola, como bagaço da cana de açúcar. A biomassa, apesar de ser uma fonte renovável, se utilizada de forma adequada, também causa emissão de gases estufa e impulsiona o desmatamento. Além disso, esta fonte é de baixa produtividade, seja para a produção de eletricidade ou de energia térmica.