Império Otomano


Com certeza você já ouviu falar sobre o Império Otomano em alguma aula de história? Mas lembra quais são as principais características dessa época, aonde aconteceu e em que época? Nesse artigo você compreenderá um pouco sobre o Império Otomano.

Império Otomano

Esse período durou entre os anos de 1299 e 1922 localizado no norte da África, sudeste Europeu e no Oriente Médio. O nascimento do Império Otomano ocorreu quando tribos turcas nômades se fixaram na região de Anatólia, local aonde atualmente é Turquia. Foram elas que difundiram a religião muçulmana em locais de domínio Bizantino.

O nome do Império é inspirado em Osmã ou Otman I, fundados que nasceu em Anatólia em 1258. Osmã foi quem liderou os turcos contra os bizantinos cristãos. Osmã e os líderes posteriores tomaram diversos territórios bizantinos e em 1453 tomaram Constantinopla a capital do império Bizantino.

O apogeu no Império Otomano foi nos anos de 1480 e 1560. Em 1517 os Otomanos tomaram Meca e Medina, cidades mais importantes e sagradas para o esse povo. Depois das conquistas o soberano da época se tornou líder do islamismo. Solimão foi o responsável nessa etapa e expandiu cada vez mais o seu Império.

O domínio era tão amplo que existiam 29 províncias com diversos estados vassalos, ou seja, que eram do império, mas tinham acordo com o soberano para ficarem com a sua estrutura administrativa.

Principais características

Uma característica muito marcante do período era a tolerância que o povo otomano tinha em relação à tradição religiosa do povo dominado. Os povos eram sérvios, húngaros, gregos, búlgaros, croatas, curdos, árabes, berberes, etc. Os povos tinham religiões como judeus, drusos, mandeus, muçulmanos, ortodoxos, coptas, católicos, cristãos, entre outros.

Em 1300 o exército de Orkhan I teve diversas vitórias seguidas contra os bizantinos e o filho, Orkhan, teve principal papel na expansão do território Otomano. Uma junção de estratégias bélicas, noções administrativas e a manutenção da remuneração das tropas do Estado fez com que o Império expandisse cada vez com mais força. Orkhan conquistou, ainda, Nicéia, Nicomédia e Bursa locais importantes para as questões comerciais da região, afinal era caminho entre oriente e ocidente.

Os soldados eram treinados dentro da religiosidade, tendo o Islamismo como fé e a cultura militar bastante enraizada e sólida. Jovens e crianças que eram capturados durante os conflitos eram educados nesses moldes e preceitos religiosos e tinham a denominação de jihads, ou seja, guerreiros filhos do sultão. Dessa maneira o expansionismo dos otomanos tinha a lealdade de jihads. Apesar de o exército ser mais fortemente impactado pelas questões religiosas, não eram apenas eles.

Todo o povo Otomano tinha essa característica muito forte em sua formação. O Império tentou impor um modelo que conjugaria estado e igreja. Existiam escolas religiosas e centros de formação de sacerdotes durante o Império, algo muito comum na época. O sultão era o responsável pelo controle da vida religiosa bem como do poder do Império Otomano.

Na parte econômica, além do exército, anualmente os turcos transportavam especiarias indianas, sedas, pedras preciosas, pérolas da Pérsia, entre outros itens.

Até o ano de 1453 o Império Otomano era o principal fornecedor do Ocidente de produtos processados, além das matérias-primas como especiarias, madeira, frutas, tapetes, louças, alcatrão, cobre e algodão. Além disso, a agricultura, pesca e o comércio eram fortes no período

Declínio do Império Otomano

O Império Otomano perdeu forças nas últimas décadas do século XVI. Inclusive os otomanos tentaram dominar a cidade de Viena na Áustria, sem êxito. Dessa maneira iniciou-se um período de guerras e batalhas com os líderes europeus. Dessa maneira os otomanos foram, aos poucos, perdendo diversos territórios.

Atividades de cunho econômico dos povos que foram conquistados eram levados pela iniciativa deles mesmos, fazendo com que a economia geral do império fosse se desmanchando aos poucos. Em 1909 o sultão chamado Abdul Hamid II foi deposto em uma rebelião que buscou a modernização do Império.

Não conseguiram modernizar o seu império e quando o faziam era um avanço muito lento. Ao final do século XIX o Império era chamado de “o doente da Europa“.

Ainda no século XIX o Império começou a sofrer pressões nacionalistas e imperialistas que instabilizaram o período. Na área dos Bálcãs várias etnias reclamavam a autonomia territorial que não possuíam. Havia também os russos que reivindicavam zonas de livre tráfego no Império Turco-Otomano.

Foi na Primeira Guerra Mundial que o império se uniu com a Alemanha. Ambos foram derrotados na guerra e isso desarticulou completamente o Império Otomano. Os turcos tomaram o território, criando um novo país chamado Turquia. O fundador foi Mustafá Kemal, “Ataturk”, ou “pai dos turcos”.

O período é amplamente estudo e cobrado em provas e concursos. Para se sair bem, basta conhecer os principais pontos, como os apontados nesse artigo, bem como os principais nomes do Império Otomano.