Resumo sobre o Ano Novo


O Ano Novo ou Revéillon celebra a chegada de um novo ano, ou seja, no Ocidente, comemora a passagem do dia 31 de dezembro para o dia 1º de janeiro. O início de um novo ano costuma trazer a esperança de renovação e de novas chances, alimentando o sonho das pessoas em geral. A própria palavra Revéillon traz essa ideia de mudança: de origem francesa, o termo revéiller significa retomar ou despertar.

Resumo Ano Novo (Revéillon)

A comemoração do Ano Novo na virada do dia 31 de dezembro para o dia 1 de janeiro nesta data teve origem no decreto feito por Júlio César, o imperador romano, no ano de 46 a.C. A data era dedicada ao deus dos portões, Jano, que possuia dois rostos, um voltado para trás e outro para a frente, visualizando simbolicamente o futuro e o passado. O deus Jano também deu origem ao nome do primeiro mês do ano, janeiro.

Entretanto, a origem dessa festividade é bem mais antiga, bastante anterior ao Cristianismo, podendo ser atribuída à Mesopotâmia, que já em 2000 a.C. realizava uma comemoração de “Festival de Ano Novo”. Ao longo dos séculos, existiram diversas datas que comemoravam o Ano Novo, mesmo no Ocidente. O termo já foi, inclusive, usado para nomear a ceia de Natal.

Somente no ano de 1582 o dia 1º de janeiro passou a ser oficialmente o Ano Novo, devido a doção do calendário gregoriano pelo Papa Gregório XIII, mas mesmo assim, esse calendário só foi aceito imediatamente por Portugal, Espanha, Itália e Polônia, sendo incorporado ao longo dos séculos pelos outros países ocidentais.

Feriado nacional em vários lugares, o Revéillon tem grandes comemorações pelo mundo, a maioria com queima de fogos de artifício. Algumas das mais conhecidas são:

• Rio de Janeiro: A tradicional queima de fogos na praia de Copacabana à meia noite atrai milhares de turistas do Brasil e do mundo todos os anos. Há também shows na praia.

Estados Unidos: Na Times Square, em Nova Iorque, milhares de americanos e turistas se reúnem para celebrar a chegada de um novo ano. Além de apresentações musicais, durante a contagem regressiva uma bola gigante desce cerca de 43 metros em apenas 60 segundos.

• Austrália: Em Sydney, os australianos se reúnem no porto para assistir à queima de fogos feita na frente da Opera House e da Golden Bridge, famoso cartão-postal da cidade.

Tradições, superstições e o caráter de renovação do Ano Novo

Além da ideia de renovação que o Ano Novo propaga em todas as culturas, não importando em qual data ele seja comemorado, e do consumo de pratos tradicionais dessa data, essa festividade também gerou diversas tradições e superstições sobre como ter prosperidade e viver um bom ano. Aqui no Brasil, muitas dessas tradições têm origem em religiões de matriz africana ou afro-brasileiras, como a Umbanda e o Candomblé, e são praticadas até mesmo por pessoas que não seguem essas religiões. Algumas das tradições e simpatias mais comuns feitas pelos brasileiros no Revéillon são:

• Pular 7 ondas;
• Fazer oferendas ao mar para Iemanjá;
• Comer lentilha;
• Comer um determinado número de uvas ou romã à meia noite e guardar as sementes na carteira durante o ano;
• Usar branco durante a virada, simbolizando a paz, mas que originalmente é uma reverência às cores do orixá Oxalá;
• Passar a virada usando uma peça de roupa nova ou uma lingerie nova;
• Acreditar que o uso de determinada cor na virada do ano traz um benefício para o ano todo (por exemplo, verde traz saúde e vermelho, paixão);
• Tomar champanhe;
• Fazer promessas e resoluções para serem cumpridas durante o ano que se inicia.

O Ano Novo (Revéillon) em outras culturas

Ainda que boa parte do mundo, principalmente todo o Ocidente, considere o dia 1º de janeiro o Revéillon, ainda nos dias de hoje o Ano Novo também é comemorado em datas diferentes por outros povos e religiões, de acordo com suas crenças e a sua cultura. Algumas das comemorações mais conhecidas são as seguintes:

• China: O Ano Novo Chinês é muito famoso e sua celebração varia entre o fim de janeiro e o início de fevereiro. Esse povo relaciona cada ano a um dos 12 animais que teriam atendido o convite de Buda para uma reunião. Foi assim que teria surgido a Astrologia Chinesa, pois como agradecimento Buda os transformou nos 12 signos do horóscopo chinês.

• Judeus: Comemorado entre o final de setembro e o início de outubro do calendário ocidental, o Rosh Hashaná é o Ano Novo do povo judeu e é chamado de “Dia da Aclamação” na Torá. O termo hebraico Rosh Hashaná significa “cabeça do ano”.

Muçulmanos: Chamado de Hégira, o Ano Novo dos muçulmanos marca a fuga de Maomé de Meca para Medina e muda a cada ano em relação ao calendário gregoriano, pois esse povo segue um calendário cerca de 11 dias mais curto do que o nosso.