Autores da Literatura de Informação


Dentro do Quinhentismo, há o segmento chamado Literatura de Informação. Trata-se de manifestações literárias que aconteceram no Brasil ao longo do século XVI. Essas obras eram lidas, em maior parte, na Espanha e em Portugal. Quem escrevia eram comerciantes, militares, viajantes, padres e outros europeus que buscavam enriquecer facilmente nas novas colônias. Os europeus que nutriam curiosidade sobre o chamado Novo Mundo satisfaziam-se com as obras.

Autores da Literatura de Informação

* O principal representante foi Pero Vaz de Caminha, autor da “Carta a El-Rei Dom Manuel sobre o Descobrimento do Brasil”. Esse escrito destaca-se por trazer uma literatura informativa sobre a chegada à nova terra, relatando sobre o ocorrido com a frota de Pedro Álvares Cabral, a natureza do local e seus nativos, com uma visão europeia da época ao Novo Mundo.

Literatura de Informação

* Pero de Magalhães Gândavo teve um papel importante entre os autores da Literatura de Informação. Escreveu o “Tratado da Terra do Brasil” e da “”Província do Brasil”. Essas obras foram reunidos em um livro, editado por Antônio Gonçalves em Lisboa, no ano de 1576. Gândavo descreve aspectos locais como a fauna, flora e os animais, além da colonização.

* O Padre Manuel de Nóbrega escreveu, em cartas, o início da história do povo brasileiro, do ponto de vista de um clérigo catequizador. Já em sua primeira carta, escrita ao padre Simão Rodrigues, ele relata os costumes do povo tupinambá. Considera-se que seu “Diálogo sobre a conversão do gentio” seja o primeiro escrito em prosa do Brasil.

* O aventureiro e mercenário alemão Hans Staden escreveu o livro “Duas Viagens ao Brasil”, também conhecido pelo longo nome “História Verdadeira e Descrição de uma Terra de Selvagens, Nus e Cruéis Comedores de Seres Humanos, Situada no Novo Mundo da América, Desconhecida antes e depois de Jesus Cristo nas Terras de Hessen até os Dois Últimos Anos, Visto que Hans Staden, de Homberg, em Hessen, a Conheceu por Experiência Própria e agora a Traz a Público com essa Impressão”.
Staden narra suas aventuras no Brasil. O livro é considerado importante para estudos históricos, sociológicos, antropológicos, linguísticos e culturais sobre os nativos brasileiros.

* José de Anchieta possui uma importante obra sobre o início do Brasil. Ele foi o primeiro dramaturgo, o primeiro gramático e o primeiro poeta nascido nas Ilhas Canárias. Além de ser um dos primeiros autores da literatura brasileira, ele escreveu a primeira gramática da língua tupi.

* Gabriel Soares de Sousa era um empresário e agricultor português que escreveu importantes textos sobre a história do Brasil. Viveu no país entre 1565 e 1569, onde trabalhou como colono agrícola, na Bahia. Escreveu em 1587 o livro “Notícia do Brasil”, também chamado “Tratado Descritivo do Brasil”. Nele descreve todo o Estado pertencente à Coroa de Portugal. Fala da fertilidade presente na província, das aves, peixes, plantas, animais diversos e dos costumes dos nativos.

Forma

Entre as características fundamentais dos autores da Literatura de Informação estão:

* Utilizam um padrão estético medieval na maioria das vezes. Em alguns casos, os padrões do classicismo são evidentes.
* O autor deixava evidente sua opinião acerca da nova colônia. Geralmente via-a como uma grande fonte de riqueza para Portugal.
* Os autores da Literatura de Informação mostram o impacto do observador e do descobridor europeu. Todos os sentimentos em relação às terras descobertas pelos portugueses são descritos.

Todo o conteúdo da escola foi dividido em três classes:

* Poesia
* Prosa
* Teatro

É importante notar que o valor literário das obras dos autores principais é menos salientado do que o valor histórico. Isso porque, com uma abordagem historiográfica, é possível ter um retrato fiel da época, dos costumes e crenças que o povo europeu nutria. Além disso, o contato entre os portugueses e os nativos indígenas que viviam no Brasil ofereceu descrições essenciais para a história dos dois países.

Outros relatos importantes são sobre a natureza e o clima tropical brasileiro, bastante diverso do português. Era comum os autores exaltarem a fauna e a flora local, bem como outros aspectos da nova terra. Esse sentimento nativista foi um fator que pesou mais tarde, pois sua influência foi essencial para o surgimento do Romantismo, no século XIX.

Portugal vivia na época a ascensão do mercantilismo, que trouxe uma realidade econômica completamente diferente daquela vivida no período medieval. O país avançou significativamente e a alta tecnologia náutica desenvolvida fez com que Portugal criasse um império. Esse período, iniciado no século XV, é conhecido como a Era das Grandes Navegações.

A chegada ao Brasil aconteceu no último ano desse século, iniciando a introdução da cultura europeia no país. Dentro da literatura quinhentista existe também a chamada Literatura dos Jesuítas, que também teve uma grande importância na inserção da alta cultura na nova colônia. Ela iniciou-se já na chegada dos portugueses em 1500 e durou até 1601.