Narração: Tipos de Narrador


As narrativas e os tipos de narrador

Antes de falar quais são os tipos de narradores, é essencial que se fale sobre o que é a narração e quais são os seus elementos. O ato de narrar significa o ato de contar um fato ou uma história. Desde crianças ouvimos isso na escola, mas não sabemos ao fundo do que realmente se trata e as gramáticas utilizam termos muito complicados, que podem confundir ainda mais a cabeça de muita gente.

Para facilitar o início desta explicação mais específica, é preciso entender que toda narração precisa ter um início, um meio e, é claro, um fim. Este ciclo, quando se completa da forma correta no português brasileiro, oferece uma estrutura textual, narrada por sujeitos ou coisas, que ao longo do texto assumem um papel, mas o mais importante é entender a relação de espaço, tempo e enredo. A narrativa é então o conjunto destes três elementos, é formada por eles.

Tipos de Narrador

O tempo consiste no trecho de um período, ou no intervalo, em que os eventos acontecem durante a narração. Há duas formas de o tempo estar representado neste texto, a primeira é cronológica, que significa o tempo ser especificado no decorrer da estrutura textual, ou ele pode se apresentar como psicológico, onde não é possível fazer uma distinção do intervalo no momento em que aconteceram as ações, ou mais resumidamente, não são identificados com precisão nas falas e texto corrido.

Quando se fala sobre o espaço na narração, significa o lugar onde a história se desenrola. Para que o leitor identifique claramente este espaço presente no texto, e consiga uma melhor visualização no momento de imaginar os acontecimentos, este espaço precisa ser identificado rapidamente, se possível no início da narrativa, para dar fluidez e contextualização para o leitor.

O enredo consiste na própria história a ser narrada, é aquilo que será contado pelos narradores e passado ao longo da estrutura textual. Como foi dito anteriormente, ele deve ter um início, um meio e um fim.

Além destes três elementos importantes que uma narração completa deve ter, existem ainda outras características a serem notadas para diferenciar no momento da construção da escrita. Os personagens vão compor a trama, eles são uma criação de quem escreve e são citados pelos narradores no decorrer da narração. Eles podem ser protagonistas (personagens centrais, pode haver um ou mais) ou antagonistas (que normalmente ficam contra as ações e opiniões dos protagonistas) e ainda os personagens secundários, presentes na história que também possuem importância e motivos de estarem ali.

Para que os elementos da narrativa não sejam confundidos, a lista abaixo mostra resumidamente em pontos, qual a diferença e especificação de cada um dentro da narrativa e os tipos de narradores que existem dentro dela:

– O foco narrativo consiste se a estrutura narrativa está em primeira ou terceira pessoa. Quando ela está em primeira pessoa, o narrador pode ser personagem, protagonista ou testemunha. O narrador personagem conta a história e ainda faz parte dela. Ele é considerado parcial, o interessante é que o leitor descobre os fatos junto com quem conta a história, causa um certo suspense na trama. O narrador protagonista, como já diz o nome, é o principal personagem da história. O narrador testemunha não é igual o protagonista, sendo o principal, mas sim um observador dos acontecimentos, mas ele também faz parte dela. Já o narrador em terceira pessoa pode ser onisciente, onisciente neutro, onisciente seletivo ou onisciente participador. O narrador onisciente, como o próprio nome remete, é o que sabe de tudo, está sempre por dentro dos acontecimentos, ele conhece todas as características e sentimentos de todos os personagens da história e pode narrar sobre eles. O narrador onisciente neutro dará uma descrição dos personagens e vai relatar os fatos, mas não emitirá sua opinião sobre eles, ele será o responsável pela compreensão do texto, mas sendo mais imparcial. O narrador onisciente seletivo influencia o leitor quando exprime sua opinião sobre os personagens da história, ele faz uma reflexão e coloca as impressões de forma imparcial para propor este exercício “manipulador” sobre seus leitores. O narrador observador não tem a visão que o onisciente tem, ou seja, ele não é aquele que sabe de tudo ou emite opiniões para influenciar os leitores, ele estará presente na estrutura textual da narrativa como uma testemunha dos fatos e não participa dos sentimentos nem sobre nada a respeito dos personagens.

– Os personagens, como explicado anteriormente, podem ser protagonistas, coadjuvantes ou antagonistas.

– Os narradores, que podem ser apenas observadores ou o próprio personagem da trama.

– O tempo.

– O espaço.

Tendo estes elementos bem especificados acima, agora é possível entender os tipos de narrador que existem em uma narrativa e que eles são utilizados em diversas situações, de acordo com a intencionalidade do autor.