Sujeito: Simples, Composto, Oculto e Indeterminado


A Língua Portuguesa já é encantadora por si só! Mas fica ainda melhor quando compreendemos plenamente quais são todos os seus mecanismos. Isso nos ajuda a escrever melhor e interpretar textos. E o assunto que vamos entender detalhadamente nesse artigo é o seguinte: Sujeito.

Antes de entrarmos especificamente, é preciso esclarecer o significado de oração (porque essa palavra vai aparecer muitas vezes!). A oração é um enunciado linguístico que se estrutura em torno de um verbo, que também pode ser uma locução verbal. Em geral, ela é composta por três elementos: sujeito, verbo e predicado.

Sujeito

Mas o que é sujeito?

Nesse primeiro momento, já sabemos que o sujeito é, obrigatoriamente, um dos componentes da oração, sendo fundamental para que ela tenha um significado, um sentido, informe alguma coisa.

O sujeito é o elemento sobre quem se diz alguma coisa. Ou seja, a oração vai trazer uma informação a respeito do seu sujeito. Essa informação pode ser uma ação que ele executou, como está se sentindo, o que está fazendo, uma ação que está recebendo e tantas outras alternativas.

Vamos ver alguns exemplos:

• Maria foi para a escola – o sujeito é “Maria”, porque a informação da frase é sobre ela, quem foi à escola foi Maria.

• João está triste hoje – o sujeito é “João”, afinal, quem está triste hoje é ele.

• A menina resolveu sair com as amigas – o sujeito é “a menina”, porque a informação de sair com as amigas refere-se a ela.

Existe uma forma mais fácil e rápida para encontrar o sujeito da frase, sem precisar analisar sobre quem é a informação que está sendo colocada. É muito simples: identifique o verbo da oração e pergunte a ele! Acompanhe os exemplos abaixo:

Mônica estudou literatura hoje.

Qual é o verbo? “Estudou”
A pergunta é: QUEM estudou?
Quem estudou foi a Mônica, portanto, ela é o sujeito.

O carro do rapaz está sujo.

Qual é o verbo? “Está”
A pergunta é: QUEM está (sujo)?
Quem está (sujo) é o carro do rapaz, portanto ele é o sujeito.

Note que nem sempre o sujeito será uma única palavra e isso confunde muitos alunos. No segundo exemplo que acabamos de ver, a informação é sobre “o carro do rapaz”, veja que são quatro palavras e não há problema algum com isso.

Quando você perguntar para o verbo quem executou a ação ou está daquela forma indicada, o sujeito será toda a resposta que a oração oferece. É por isso que há um outro conceito: o núcleo do sujeito, ou seja, a sua palavra mais importante. Quando há apenas uma palavra, obviamente o sujeito e o seu núcleo vão coincidir, mas nem todos os casos são assim.

Uma das orações que nós vimos anteriormente foi a seguinte: o carro do rapaz está sujo. Identificamos o sujeito como sendo “o carro do rapaz”. Dessas quatro palavras, a mais importante é “carro”, afinal, é ele quem está realmente sujo, portanto, é o núcleo.

Já no caso de: Mônica estudou literatura hoje. Tanto o sujeito quanto o núcleo correspondem à Mônica.

Tipos de Sujeito

Existem quatro tipos distintos, que você verá agora com os seus respectivos exemplos:

• Simples

É aquele que possui apenas um núcleo em sua estruturação:

A menina saiu de casa – Sujeito: a menina/ núcleo: menina

Paris é uma cidade linda – Sujeito: Paris/ núcleo: Paris

Aquela casa grande e bonita é minha – Sujeito: aquela casa grande e bonita/ núcleo: casa

• Composto

É caracterizado por ter mais de um núcleo. Sim, isso é possível! Veja a seguir:

O rapaz e a moça vão se casar – Sujeito: o rapaz e a moça/ núcleo: rapaz | moça

Mamãe e papai foram até o supermercado – Sujeito: mamãe e papai/ núcleo: mamãe | papai

Os meninos e as meninas precisam ir à escola – Sujeito: os meninos e as meninas/ núcleo: meninos | meninas.

• Oculto ou desinencial

Nessa situação, o sujeito não está presente diretamente, mas é possível reconhecê-lo por meio da terminação do verbo:

Fui passear hoje – Sujeito: eu/ núcleo: eu. O verbo (fui) está conjugado na primeira pessoa do singular.

Conversamos com os nossos professores – Sujeito: nós/ núcleo: nós. O verbo (conversamos) está conjugado na primeira pessoa do plural.

Sujeito indeterminado

Ele está na frase, mas não é possível identificá-lo. Pode aparecer de duas formas:

O verbo é colocado na terceira pessoa do plural: Disseram que ele não está bem – quem disse? Não há como saber.

O verbo fica na terceira pessoa do singular + partícula “se”: Estuda-se demais nesse curso – quem estuda? Não há
essa informação.

Existe ainda o caso de oração sem sujeito, em três casos:

1. Verbo haver no sentido de existir ou tempo: há muita comida aqui/ há dois anos não o vejo.

2. Fenômeno da natureza: choveu ontem.

3. Quando há verbo fazer, ser ou estar no sentido de tempo e clima: faz um mês que ele foi/ está muito frio.