Protagonista e antagonista


Quando lemos uma história de ficção, ou acompanhamos um seriado de televisão, ou ainda uma peça de teatro, uma história em quadrinhos, podemos reconhecer características dos personagens que definem quais os papéis que cada um desempenha na narrativa.

Muitas vezes, entendemos que há um mocinho e um bandido, uma bruxa e uma princesa, um rei e um plebeu. Ao citar estes personagens, talvez você já tenha se lembrado das histórias infantis, onde as ações costumam ser bastante claras.

Protagonista

Em uma história como a da Cinderela, você consegue identificar qual a personagem principal? E qual a personagem que faz oposição a ela? Esta construção própria da narrativa, entre o personagem principal e o que faz oposição a ele, chamamos de relação entre protagonista e antagonista. O protagonista é o personagem principal. No nosso exemplo, a protagonista será a Cinderela. Já o antagonista é o personagem que irá se opor às ações do protagonista. No nosso exemplo, a madrasta da Cinderela.

Então, o protagonista será sempre o mocinho e o antagonista o bandido? Não, as características que definem os papéis de cada personagem dentro da narrativa não são assim tão simples. Por isso, vamos falar um pouco mais sobre estes papéis.

O que é um protagonista.

O protagonista costuma ser entendido como o personagem principal da história. Porém, precisamos entender quais as características que o tornam o centro das atenções da narrativa.

Primeiro, são as ações dele que irão mover a história para frente. No caso da Cinderela, a vontade dela de comparecer ao baile, serve como motivação para que a personagem tenha a ação (no caso, ir ao baile) e, a partir disto, a história se desenvolva.

Pensando ainda a partir do exemplo, o ponto de vista da história também é o da Cinderela, uma vez que as mudanças e ações da trama ocorrem sempre a partir dela e em relação a ela.

Há mais um ponto sobre o qual podemos pensar no/na protagonista: qual o personagem que sofre alguma mudança significativa seja ela material ou psicológica, ao longo da narrativa? Nosso exemplo, a Cinderela, começa a história como uma menina abandonada e maltratada pelas irmãs. Seu desejo de ir ao baile gera a ação. Como consequência, ela se apaixona, perde o sapato e bem…. O final todos sabemos. A menina abandonada do início da história finaliza como uma princesa. Esta é a mudança ocorrida na personagem, de maneira que ela é a protagonista.

O que é um antagonista:

O antagonista é o personagem que irá se opor às ações do protagonista. São as ações deste personagem que criam os obstáculos na narrativa a fim de impedir que o protagonista tenha sucesso nas suas ações e concretize suas motivações. Assim, a madrasta da Cinderela é um exemplo de antagonista, uma vez que as suas ações impedem que a protagonista tenha sucesso imediato naquilo que ela deseja.

Outro aspecto importante para reconhecer o antagonista é compreender que as ações deste personagem acontecem em direção ao protagonista. Por exemplo: a motivação (e depois, a ação) da Cinderela é ir ao baile. Este desejo parte dela. A motivação da madrasta é impedir que Cinderela compareça ao baile. Note que, a motivação da madrasta e suas ações em seguida, só existem a partir da motivação da Cinderela: ir ao baile. Além disto, o ponto de vista mantém-se como o da Cinderela, nunca é o da madrasta.

Agora, um último ponto: lembra que falamos sobre o personagem sofrer alguma mudança significativa ao longo da história? Pois bem, a madrasta começa e termina a história sem nenhuma grande mudança material ou psicológica, ao contrário da Cinderela. Esta é mais uma característica do antagonista.

Relações entre protagonista e antagonista:

A história da Cinderela, assim como outras histórias infantis, apresenta uma relação protagonista versus antagonista bastante simples, com limites bem definidos. Porém, nem sempre estas relações são claras. Pense nas histórias que possuem vários pontos de vistas, no qual todos os personagens irão se cruzar no final. Quem é o protagonista? Ou, quais são os protagonistas. É preciso avaliar a narrativa e todos os personagens envolvidos nela, a partir dos tópicos apresentados acima.

É importante não confundir com uma relação moral de bem versus mal. Se uma história é sobre uma assalto a banco e o ponto de vista, as motivações e a transformação são do personagem do ladrão, então ele é o protagonista.

Para saber mais sobre protagonista e antagonista:

Você pode pesquisar mais sobre o assunto em livros como “O poder do mito”, de Joseph Campbell, onde ele trabalha a jornada do herói, muito utilizada na construção de histórias. O livro “A jornada do escritor” de Christopher Vogler, também tratado assunto, com um foco maior em literatura. Além disto, livros da área de roteiros e dramaturgia também podem auxiliar a compreender estas relações de maneira mais aprofundada.