Bactérias Gram-positivas e Gram-negativas


De tempos em tempos a Medicina faz avanços científicos significativos, que por sua vez tem impactos significativos na melhora da qualidade de vida das pessoas como um todo. Uma das maiores revoluções no campo da Medicina se deu com a advento da penicilina, o primeiro antibiótico – substância capaz de curar infecções causadas por bactérias e outros microrganismos – criado pelo ser humano. Foi descoberto por Alexander Fleming, microbiologista inglês que buscava um meio de reduzir as mortes causadas por infecções em soldados que lutaram na Primeira Guerra Mundial.

A partir do advento da penicilina muita coisa evolui em termos de tratamento/manutenção da saúde humana. E não só no que tange à medicamentos, pois novas formas de identificação de patologias também são fundamentais neste avanço. É justamente neste último ponto que o assunto tratado neste artigo se insere: as bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, importante método de identificação de bactérias, determinante para a identificação de infecções e decisão da forma de tratamento. Mas antes de partimos especificamente para os possíveis usos e vantagens do método, vamos identificar em que o método consiste.

Bactérias Gram-positivas e Gram-negativas

O método de Gram

O método de Gram é anterior ao advento do antibiótico, já que surgiu em 1884. O método recebe este nome em homenagem a seu inventor, o médico dinamarquês Hans Christian Joachim Gram. De maneira muito simplificada, o método de Gram consiste em submeter bactérias encontradas em pus e outros substâncias orgânicas a determinados agentes químicos. O primeiro passo do método é submeter as amostras bacterianas a violeta de genciana, fixando-as por meio do lugol. Como todas as bactérias da amostra absorvem ou fixam o corante, o resultado desta etapa serão bactérias com tom violáceo.

O próximo passo do método do Gram é a descoloração das bactérias violáceas através do etanol-acetona. Este solvente é capaz de descolorir as membranas de determinadas bactérias, mas não de outras. As bactérias que têm as membranas descoloridas são denominas de Gram-negativas e as bactérias quem mantêm a cor violácea de suas membranas são denominadas de Gram-positivas.

Apesar do método importar em muito, o real interesse deste artigo é demonstrar os usos práticos do método de Gram. A (não) descoloração das membranas bacterianas tem correlação direta com as propriedades físicas e químicas delas, tais como integridade, densidade, porosidade e espessura. Logo podemos deduzir que as bactérias Gram-negativas possuem membrana celular mais complexas, enquanto que nas Gram-positivas esse mesma estrutura é relativamente mais simples.

Ação patológica e vantagens do método de Gram

Para que possamos entender as vantagens do método de Gram para a manutenção da saúde dos pacientes, é necessário entendermos como as bactérias agem dentro do organismo.

A ação patológica das bactérias se dá por meio de toxinas, que causam danos ao tecido. Essas toxinas são classificadas em dois grandes grupos: as endotoxinas e as exotoxinas. Ambas as toxinas são capazes de alterar o metabolismo – conjunto de transformações que as substâncias químicas passam no interior de organismos – das células, por isso elas destroem os tecidos e/ou células de organismos animais, incluindo os humanos neste grupo. As endotoxinas são provenientes exclusivamente de bactérias Gram-negativas, tidas como as mais agressivas, e sua liberação só ocorre depois da destruição da célula em que está em contato. Quando ocorre a liberação da endotoxina, o sistema imunológico tenta combatê-lo. Quando estamos com ouvido ou garganta infeccionada, por exemplo, a febre e dores que sentimos são manifestações do sistema imunológico tentando combater as endotoxinas. É importante frisar que em grandes quantidades, isto é, em casos de infecção grave, as endotoxinas podem até mesmo ocasionar a morte do paciente. Já as exotoxinas podem ser produzidas por bactérias Gram-negativas e Gram-positivas, sendo que sua ação patológica costuma ser mais amena quando comparada às endotoxinas.

Perante tudo isto, já podemos fazer ideia da importância do método de Gram. Determinar que tipo de bactéria está manifestando a doença em determinado organismo é de fundamental importância para o sucesso de tratamento. Bactérias Gram-negativas, por terem a membrana celular, são mais resistente aos medicamentos e mais difíceis de serem combatidas, além disso, podem tornar-se resistente aos medicamentos, culminando nas tão terríveis super bactérias.
A identificação de bactérias Gram-positivas é igualmente importante, já que partir de sua identificação é possível optar por tratamentos e medicamentos que não seja tão agressivos ao pacientes.

É por todos este motivos que o método de Gram é considerado uma verdadeira revolução (ou inovação) nos estudos da área médica – incluindo aí a medicina e a microbiologia. A partir dele é possível não só a identificação do tipo de bactéria manifesta naquele organismo determinado, mas também monitor a infecção e determinar qual o tipo de tratamento mais adequado para aquele caso determinado, o que em última instância pode evitar que determinada infecção evolua e torne-se cada vez mais ameaçadora à manutenção da vida de pacientes diversos.