O Homem e Sua Realidade


O corpo humano é algo que, sem sobra de dúvidas e por questões óbvias, nos chama muito a atenção. Nós somos seres muito complexos, temos sentimentos, expressões, cultura, aprendemos a conviver em sociedade, temos uma estrutura física e outra em nossa mente – que, geralmente, suporta as nossas principais crenças filosóficas – e muitos outros aspectos que são peculiares unicamente a nós mesmos.

No que se refere ao homem e sua realidade, de início podemos chegar a dois termos aos quais atribuímos essa relação com maior frequência. O primeiro deles vem do grego – ânthropos é um termo que nos remete diretamente a um homem com qualidade, valor e virtudes. Já a segunda palavra vem do latis, “humus”, que nada mais significa do que “terra”.

O Homem

Com essas duas atribuições, fica fácil definir algumas coisas: o homem e sua realidade partem da terra, porém, diferentemente de outros seres vivos, guarda em seu interior uma série de crenças, significados e virtudes. Resumindo, o homem busca novos motivos para a sua existência, o que não é visto com frequência por outras espécies. Porém, a análise e estudo acerca dos homens envolve um grande cuidado, uma vez que a observação desse ser deve ser realizada em vários âmbitos.

Em determinadas pesquisas, podemos chegar a resultados que envolvem o ser em seu aspecto essencialmente biológico, com a sua estrutura celular, seus órgãos, tecidos e músculos. Mas, por outro lado, a sua realidade também depende dos seus ancestrais, das teorias do evolucionismo, de seus pensamentos e origens filosóficas.

Vamos conhecer um pouco mais sobre cada vertente passível de análise?

O homem e sua realidade – como podemos observá-la e estudá-la?

Com base na necessidade de compreender o homem e a sua realidade que alguns estudos ganharam grande conotação com o passar dos anos. Alguns deles são diretamente ligados com as áreas:

• Antropologia cultural – nesse sentido, as pesquisas apontam para o fato de que o homem é o principal responsável tanto por criar, como por vivenciar e possuir por completo um determinado tipo de cultura. O homem é interessado em ideais, em expressões artísticas, em manifestações de conhecimento acerca das mais variadas técnicas, habilidades, normas e muitos outros. Mas isso não é algo totalmente pessoal, uma vez que cada comunidade, região, tribo ou espaço físico determina, com o passar do tempo, algumas normas que para eles são padrões – de comportamento, de estilo de vida, de pensamento e assim por diante. Por mais inconsciente que esse processo possa parecer, a verdade é que estamos diretamente ligados com outras pessoas por meio da antropologia cultural.

• A antropologia física – por outro lado, a antropologia física é aquela que vai estudar os principais aspectos físicos do homem desde a sua origem, desenvolvimento, a diferenciação das espécies, a evolução das mesmas, e assim por diante. Esse modelo de estudo envolve ainda outros setores, como é o caso da paleontologia no que se refere aos estudos raciais.

• Antropologia social – já o estudo das sociedades é voltado exatamente para essa vertente. Nesse sentido, o homem e sua realidade podem ser analisados por meio das estruturas sociais em que se inserem. Tudo começou com as comunidades das sociedades primitivas, passando para as rurais até chegarmos à vida em comum no espaço urbano. A antropologia social estuda o homem na medida em que investiga os seus traços familiares, seu casamento, o próprio divórcio e inúmeras outras formas de parentesco.

• Antropologia estrutural – esse termo foi, na realidade, criado por Claude Levis-Strauss quando o autor sentiu a necessidade de criar a sua própria explicação acerca do homem e sua realidade. Segundo ele, esse tipo de antropologia tem a capacidade de explicar a própria forma pela qual podemos compreender alguns aspectos da vida humana, desprendendo um determinismo biológico e generalização por qualquer tipo de natureza.

• Por fim, a antropologia filosófica é aquela que trabalha principalmente no sentido da reflexão, determinando estudos que possam vir a concluir alguns aspectos do homem e sua realidade desde a sua concepção e criação em diferentes períodos da história. Além disso, esse setor também cria uma ligação entre o comportamento do homem e as mais diferenciadas correntes filosóficas – tanto as atuais, como as mais velhas.

E o que o evolucionismo tem a ver?

Ao estudar o homem e a sua realidade, não há como fugir das principais teorias do evolucionismo. Isso acontece porque, da mesma forma que a natureza muda, nós também – uma vez que sentimos a necessidade de nos adequarmos a ela.

Sendo assim, os homens estão dotados de um princípio vital que permite que nossos organismos com facilidade se adaptem e modifiquem quando aquele espaço físico para convivência não é adequado.

Um exemplo de evolucionismo na atualidade sobre o homem e sua realidade é o próprio processo de migração. Isso acontece porque, quando o homem já não tem mais condições favoráveis para viver em um determinado espaço, ele logo procura outro para dar continuidade à sua existência.