Magnetismo Terrestre – Campo Magnético da Terra


Você já parou para se perguntar como funciona uma bússola, sempre apontando para o Norte? Ou, então, como um simples ímã tem um grande poder de atrair determinados objetos para junto de si? Tudo isso pode ser explicado por um fenômeno da física, chamado magnetismo.

O magnetismo consiste na atração ou na repulsão entre determinados corpos, que podem ser observadas entre ímãs ou entre um ímã e um corpo que esteja conduzindo corrente elétrica. Um ímã apresenta duas regiões distintas, que são os seus dois polos, um em cada extremidade, Norte e Sul. Quando ele entra em contato com outro material que também seja dipolo, os polos iguais vão se repelir e os opostos vão se atrair.

Se você deixar um ímã suspenso no ar por um fio, poderá perceber que ele sempre ficará com o mesmo lado voltado para cima e o mesmo lado voltado para baixo. Isso acontece por causa dos polos magnéticos do planeta Terra, que também possibilitam o funcionamento da bússola.

Magnetismo Terrestre

Saiba agora tudo sobre o magnetismo Terrestre e o Campo Magnético da Terra.

Magnetismo Terrestre

Nós já sabemos que a atmosfera separa o ambiente terrestre do restante do espaço, mas, de acordo com os cientistas, não é só isso. Existe ainda outro limite que faz essa divisão, que é chamado de Magnetopausa, conhecido popularmente como magnetismo terrestre.

Vale destacar que os estudos sobre o magnetismo terrestre ainda estão acontecendo, não há um conceito fechado sobre o assunto e nem mesmo os próprios cientistas sabem dizer, com exatidão, qual a origem do magnetismo. No entanto, sabemos que a importância dele é imensa, como, por exemplo, nos seguintes casos:

• Permite a orientação por meio da bússola;
• Favoreceu as grandes navegações;
• Protege o planeta de partículas carregadas vindas do sol;
• Interfere nas transmissões de rádio e TV.

Campo Magnético da Terra

Agora vamos entender como funciona esse magnetismo partindo de um conceito mais prático, o de Campo Magnético. É muito provável que no interior da Terra exista uma grande quantidade de ferro e de níquel em estado de fusão, mas isso a cerca de 3 mil quilômetros de profundidade. Esses materiais, juntos, estão em constante movimentação, o que possivelmente geraria correntes elétricas e campo magnético como uma consequência delas. Essa é a teoria mais aceita sobre a origem do Campo Magnético Terrestre até então e chama-se Teoria do Dínamo.

E, por ter esse campo magnético, o planeta Terra se comporta como se fosse um gigantesco ímã com dois polos, o Sul magnético e o Norte magnético. Eles são quase coincidentes com os polos geográficos, mas há um pequeno deslocamento. Além disso, o polo Sul geográfico fica na região do polo Norte magnético, e o polo Norte geográfico fica na região do polo Sul magnético.

Se traçássemos uma linha imaginária ligando os polos Sul e Norte magnéticos, notaríamos uma inclinação de cerca de 11,3° em relação ao eixo de rotação, isso demonstra que os polos magnéticos realmente não ficam exatamente sobre os polos geográficos. Outro detalhe: o posicionamento dos polos magnéticos não é estático e pode variar quilômetros em um único ano!

O campo magnético é uma força que se origina no polo Norte magnético em direção ao polo Sul. Ele tem o poder de repelir radiações eletromagnéticas que vêm em direção a Terra e, também, de desviar a sua trajetória, muitas vezes impedindo que o planeta seja atingido por determinadas partículas, exatamente como um ímã faz.

O funcionamento da bússola também é assim: dentro da caixa transparente há uma agulha, com função de ímã, que acaba sendo atraída sempre para o polo Norte, permitindo que as pessoas se orientem. É um dispositivo usado especialmente por navegantes, já que, em alto-mar, não há placas para facilitar a localização como em terra firme!

O primeiro sujeito a notar que a Terra se comportava como um ímã e, portanto, a constatar que ela gerava campo magnético, foi Willian Gilbert, em 1600. Ele conseguiu chegar a essa conclusão por meio de um experimento muito simples: bastou suspender um ímã pelo seu centro de gravidade para ver que ele sempre ficava na direção norte-sul, não importando a sua posição inicial e nem quantas vezes o teste fosse repetido. Foi assim que Willian confirmou que havia algo, no próprio planeta, que atraía o ímã. Só poderiam ser os polos magnéticos que, por sua vez, geram campos magnéticos.

O mais interessante é que, mesmo muito antes de se conhecer todas essas noções sobre magnetismo e campo magnético, elas já eram aplicadas na prática. Como sabemos, a própria bússola já existe desde o século 1 a.C., quando o homem sequer imaginava qualquer ideia consistente e baseada em argumentos sobre eletromagnetismo.

Essa é uma área que, provavelmente, ainda trará mais novidades, visto que vem sendo amplamente estudada pelos cientistas, que se mostram ávidos por mais detalhes sobre esses mecanismos.