Fluxos populacionais, migrações internacionais


As migrações internacionais são tipos de fluxos populacionais que se caracterizam pelo fato de alguém sair de seu local (leia-se país, ou, nação) de origem em direção a destinos que possam ser considerados “mais atrativos”. Geralmente os motivos que levam a esse movimento podem ser divididos em fatores de atração e fatores de repulsão.

Os fatores de atração podem ser: melhores perspectivas de vida, maiores oportunidades para se estudar, ou, trabalhar, além da possibilidade de ganhar mais dinheiro. Já os fatores de repulsão são: guerras, conflitos, crises econômicas e até mesmo catástrofes ambientais.

Fluxos populacionais

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), atualmente 175 milhões de pessoas em todo mundo vivem distantes de seus países de origem.

Como tudo começou?

Acredita-se que os fluxos populacionais tenham ganhado maior força a partir do desenvolvimento dos sistemas de transporte – desde os rodoviários até o aéreo – e também, a partir do desenvolvimento dos sistemas de telecomunicações que passaram a oferecer maior mobilidade às pessoas.

Como já mencionado as migrações internacionais são os fluxos populacionais entre diferentes nações, em geral o movimento ocorre da seguinte maneira: saída de países subdesenvolvidos em direção à nações desenvolvidas.

Pode-se dizer que o principal motivo para a migração internacional tenha sido a busca por melhores trabalhos, as maiores correntes migratórias vêm da América Latina, África e Ásia, e em geral, seguem na direção de nações como Estados Unidos, Japão e Europa.

Aqueles que conseguem se estabelecer em outro país, posteriormente, enviam dinheiro a sua terra natal, acredita-se que anualmente mais de 50 bilhões de dólares é movimentado com este fim. Além disso, só no Brasil, por ano são recebidos cerca da 2,8 bilhões de dólares enviados por brasileiros que moram no exterior.

Mas o fato mais assustador nessa história toda são as viagens clandestinas que muitos migrantes realizam para poder desfrutar de melhores condições de vida. Acredita-se que hoje cerca de dois milhões de brasileiros vivem de forma clandestina fora do país.

A migração as vezes é a única saída

Dentro das migrações internacionais há ainda uma “modalidade” denominada “fluxo de refugiados”, que acontece justamente quando indivíduos que sofrem perseguição, seja por motivos religiosos, étnicos, ou mesmo políticos, buscam o apoio de outras nações.

Casos como esse tem se tornado cada vez mais comum, por exemplo, na década de 1970 havia cerca de 2,5 milhões de refugiados, hoje esse número já passa dos 20 milhões. Números como esses podem ser explicados por alguns eventos políticos, como por exemplo, o fim do socialismo, a diminuição de ajuda humanitária e financeira à nações subdesenvolvidas, e também, pela própria expansão do fundamentalismo islâmico.

O “fluxo de refugiados” também pode ser em razão de desastres ambientais, como terremotos, tsunamis e grandes desmatamentos.

Um exemplo claro disso são os haitianos que, recentemente chegaram ao Brasil para tentar recomeçar uma nova vida. O Haiti foi devastado por um terremoto no ano de 2010, este fenômeno deixou centenas de mortos e outros milhões sem acesso as condições básicas de sobrevivência (água, alimentação e energia). Neste contexto a única saída para muitos haitianos foi deixar seu país de origem.

Migração e turismo

Falando ainda de outra modalidade de migração temos a turística que é aquela configurada pelo ato de as pessoas saírem de suas nações de origem em busca de lazer, diversão, religião e cultura. Mas é claro, esse tipo de fluxo é viável apenas a uma pequena parcela da população que tem condições financeiras de pagar por tal privilégio.

Os principais destinos que atraem os turistas são: Alemanha, EUA, Japão e França. Estima-se que tal atividade chegue a render quase cinco trilhões de dólares ao ano, além disso, gera cerca de 200 milhões de empregos pelo mundo.

Algumas considerações

É óbvio que todo ação tem uma consequência e com as migrações internacionais isso não seria diferente. Atualmente tem se levantado questionamentos acerca do real destino que os migrantes têm quando buscam melhores condições de vida.

É bom lembrar que ainda há certo preconceito com relação a estrangeiros, além disso, muitas vezes estes não conseguem se colocar em bons postos de trabalho, seja pela pouca especialização, ou mesmo, pela pouca familiaridade com o idioma do país para o qual se mudou.

Sendo assim, muitas vezes os migrantes não possuem os melhores empregos nos países desenvolvidos, e por vezes, chegam a enfrentar problemas com racismo, Xenofobia e discriminação.

Também cabe aqui dizer que muitas “nações receptoras” não estão economicamente, financeiramente e mesmo politicamente, preparadas para oferecer boas condições de vida e trabalho a esses muitos homens e mulheres que se arriscam nesse tipo de aventura.

Para finalizar, é bom lembrar que tais fluxos migratórios trazem consequências aos espaços geográficos, tanto nos lugares de partida, quanto nos de chegada. Resultado disso é a superlotação de um lado,e, o pouco número de habitantes do outro.