Neologismo Semântico


As particularidades descritas pela língua são únicas e sociais. Como a sociedade, a língua também se transforma com o passar do tempo, evolui, rompe barreiras, transforma gerações e, principalmente, acompanha a tecnologia.

O privilégio atribuído se fixa a realidade de que a todo instante novos padrões vão se integrando ao cotidiano e criando o perfil de cada pessoa, inclusive a linguagem. Um exemplo disso são os modismos e chavões divulgados pela mídia, que mesmo não fazendo parte da linguagem coloquial, acabam se tornando comuns.

Neologismo Semântico

Por isso, destacam-se os neologismos, que se caracterizam pela inclusão de novos vocábulos relacionados com outros já existentes. Muitos desses vocábulos têm origem em outros idiomas como, por exemplo, a palavra deletar que vem do inglês delete e significa apagar.

Não apenas esse, mas várias outras palavras que passam a fazer parte do vocabulário, usado informalmente, acabam fazendo parte do dicionário.

Quando se refere a neologismo semântico, atribui-se um novo significado a palavra, junto com o que já existe. Pode-se observar essa questão no exemplo a seguir:

– Mamãe estava uma arara, em razão de termos chegado tarde.

Nesse exemplo, a palavra arara, nome de uma ave, é usado no sentido de estar com raiva, descontente.

O que é neologismo?

Neologismo é o fenômeno linguístico que formam palavras ou expressões novas, ou que dão um novo significado a uma palavra já existente. Essa nova palavra surge, geralmente, quando o indivíduo quer se expressar mais não encontra a palavra certa.

Como o falante próprio conhece tudo sobre o processo de formação das palavras, fica fácil a criação de novas sem ao menos se dar conta de que está fazendo uso de um dos processos da língua como, por exemplo, a prefixação, a sufixação, a aglutinação e a justaposição.

Essa criação de palavras surge espontaneamente da relação entre as pessoas, seja na linguagem natural ou artificial. A linguagem natural é a conversação do dia a dia, já a linguagem artificial é o bate-papo eletrônico que acontece via internet.

O neologismo passa a fazer parte da língua quando é dicionarizado e usado na linguagem padrão. Isso ocorre com frequência, porque a língua se adéqua ao uso dos seus falantes, e não ao contrário. Da mesma acontece com palavras que foram usadas antigamente e hoje não fazem mais parte da conversação usual do dia a dia, e por isso são consideras arcaicas.

A língua portuguesa é a que apresenta mais neologismos, pois é capaz de mudanças frequentes que podem se tonar decisivas.

Classificação dos neologismos

Os neologismos podem ser classificados de acordo com os diferentes estudiosos da área. Existem três tipos de neologismo: semântico, lexical e sintático.

– Neologismo Semântico: a palavra já existente ganha um novo significado ligado ao que ela já possui.

Ex: A minha prima está fazendo um bico naquela loja.

Nesse caso a palavra bico, que tem como significado ser o tipo de bica de alguns animais, foi empregado como trabalho na frase.

– Neologismo Lexical: criação de uma nova palavra com um novo conceito. Também pode ocorrer quando acrescentamos uma letra as palavras que já existem.

Ex¹: Mouse

A palavra mouse vem do inglês e significa rato. Já no português ela é usada para identificar um dispositivo usado nos computadores que movimenta o cursor da tela.

Ex²: Abobado

A palavra abobado significa aquela pessoa que é boba, sonsa.

– Neologismo Sintático: criação de um novo vocábulo a partir da associação de itens que já existem na língua, como a derivação ou a combinação.

Ex: De cabo a rabo

Essa expressão utiliza palavras já existentes na língua portuguesa para formar um novo termo que significa do começo ao fim.

Escritores que utilizam o neologismo

Alguns escritores compuseram poemas falando sobre neologismo e utilizando sua técnica na linguagem das obras. Alguns deles foram:

Manuel Bandeira, compôs um poema metalingüístico sobre o tema

“Neologismo”

Beijo pouco, falo menos ainda

Mas, invento palavras

Que traduzem a ternura mais funda

E mais cotidiana

Inventei, por exemplo, o verbo teadorar

Intransitivo;

Teadoro, Teodora.

José de Alencar também se manifestou sobre o tema de neologismos.

“Criar termos necessários para exprimir os inventos recentes, assimilar-se aqueles que, embora oriundos de línguas diversas, sejam indispensáveis, e sobretudo explorar as próprias fontes, veios preciosos onde talvez ficaram esquecidas muitas pedras finas, essa é a missão das línguas cultas e seu verdadeiro classicismo.”