Europa – As Cruzadas


Para uma compreensão melhor do que ocorreu na Europa Medieval envolvendo as cruzadas, primeiro você deve saber o que exatamente foram esses movimentos.

As cruzadas foram todos os movimentos de cunho militar – parcialmente cristãos – que saíam da região da Europa Ocidental. Chegando à Terra Santa, ou melhor, à Palestina e região de Jerusalém, o objetivo dos militares era apenas um: soberania de ambas as áreas, que estariam sobre o domínio dos cristãos.

Os primeiros movimentos europeus das cruzadas ocorreram no século XI e se estenderam por mais dois séculos, que foi quando a Palestina estava sob total controle dos muçulmanos turcos. As expedições militares eram organizadas pelas potências cristãs de toda a Europa, sendo elas realizadas especificamente entre os anos de 1095 e 1291.

As Cruzadas

Na Terra Santa, o objetivo dos cristãos era bem claro: reconquistar a cidade de Jerusalém e a região da Terra Santa que, nesse período, era marcada por um domínio islâmico. A intenção era tirar da mão deles absolutamente todos os espaços que Jesus teria pisado, já que deveriam pertencer aos cristãos com base em suas crenças.

As cruzadas na Europa ficaram características como períodos em que havia uma mistura entre penitência, guerra e peregrinação. Por um lado, os guerreiros que disputavam as cruzadas eram definidos como peregrinos penitentes e acreditavam que todos os pecados realizados durante as Cruzadas seriam perdoados por Jesus caso finalizassem a “divina missão” de libertar tais lugares sagrados, como é o caso da famosa Igreja do Santo Sepulcro, por exemplo.

Algumas características das cruzadas

Os soldados do exército e demais cavalheiros que serviam às cruzadas europeias tinham como símbolo unificado a cruz cristã, que por sua vez, estava bordada em seus uniformes. Esse foi o principal motivo para que ficassem conhecidos dessa forma.

Mas muito se engana quem pensa que os seus ideais eram essencialmente religiosos. Na verdade, muitos foram os indivíduos – principalmente mercadores emergentes – que notaram nas cruzadas a possibilidade de amplificar ainda mais os seus negócios, expandindo os mercados e maximizando os lucros no abastecimento dos exércitos que cruzavam fronteiras para chegar até o Oriente.

Outra entre as principais razões das cruzadas da Europa era a tentativa de unificar – e tornar mais forte – as forças da cristandade ocidental, que nesse período ainda estava dividida por uma série de pequenas guerras e conflitos internos. Sendo assim, com esse grande grupo unido, seria muito mais fácil combater os inimigos em comum, ou melhor, os chamados na época de “infiéis muçulmanos”.

No período que levou quase dois séculos inteiros, foram oito diferentes cruzadas lançadas para o Oriente, sendo que em duas delas nem se quer conseguiram chegar até a famosa Terra Santa.

Quais foram as principais cruzadas?

Que tal conhecer um pouco sobre as principais cruzadas que partiram do continente europeu?

Vamos lá:

• Primeira Cruzada – realizada entre os anos de 1096 e 1099, essa cruzada tinha como principal intuito afastar de vez o perigo causado pelos muçulmanos. Religiosos, camponeses, aventureiros e quaisquer outros grupos interessados foram para a França, onde a expedição – fracassada – marcaria o seu início. No mesmo período, uma “Cruzada oficial” conseguiu chegar até a cidade de Jerusalém, conquistada em 1099.

• Segunda Cruzada – entre os anos de 1147 e 1149 foi a vez de restaurar a ordem na região do oriente, que constantemente estava gerando conflito com as comunidades cristãs. Nesse mesmo período, os turcos conseguiram dominar a unificação do Egito e Síria.

• Terceira Cruzada – um pouco depois da segunda cruzada Jerusalém foi reconquistada pelos muçulmanos. Dessa forma, vários foram os ataques lançados à cidade para tentar tomá-la novamente. No final, um acordo foi estabelecido: Jerusalém ainda seria dos turcos muçulmanos, mas os cristãos poderiam ir até o Santo Sepulcro.

• Quarta Cruzada – a quarta entre as cruzadas acabou transformando seu objetivo para outro no meio do caminho – atacar os cristãos de crença ortodoxa que viviam em Constantinopla –, já que eles não acreditavam e nem se quer respeitavam o poder creditado ao papa. A cidade, no ano de 1203, foi totalmente saqueada.

• A quinta Cruzada, por sua vez, também mudou de objetivo no meio do caminho, e foi dessa forma que eles conseguiram conquistar algumas determinadas partes do Egito, localizadas no Oriente Médio. Mesmo assim, posteriormente eles conseguiram chegar – e atingir – a Terra Santa. Porém, no final, mais uma vez a missão fracassou.

• Sexta Cruzada – no ano de 1228, um imperador alemão se tornou rei da cidade de Jerusalém, e recuperar o controle da região se tornava uma dificuldade ainda maior. Com vários conflitos, em 1243 os turcos retomaram o poder.

• Sétima Cruzada – a sétima cruzada tinha como principal interesse restabelecer os valores religiosos desde a primeira cruzada, mas novamente não teve sucesso.

• Oitava Cruzada – essa foi a última cruzada e a que marcou de vez o fracasso europeu na tentativa de conquistar a Terra Santa exclusivamente para os cristãos.