Godos


Os godos, também conhecidos como gutar ou gotar em linguagem nórdica antiga, foram um povo germânico que viveram nas regiões meridionais do que hoje conhecemos como Escandinávia (região cultural, geográfica e política localizada ao norte europeu, entre o Mar Báltico, Golfo de Bótnia e Mar do Norte).

Godos

Porém, pouco realmente se sabe sobre este povo, uma vez que a única fonte que conta um pouco sobre o histórico e origem dos godos é um texto datado de 551, sendo ele denominado ‘Gética de Jordanes’. A obra foi baseada em 12 diferentes volumes e foi escrita por Cassiodoro. É preciso levar em consideração ainda que Jornades, ao escrever a obra, não tinha os relatos de Cassiodoro em mãos. Por isso, os relatos sobre tais povos jamais foram confirmados.

Origem dos godos

Os relatos mostram que o povo godo surgiu em aproximadamente 200 d.C., sendo ele ainda dividido em dois diferentes grupos: os grutungos e os tervingos.

Não há tradução em idiomas recentes para o termo ‘godo’, que por sua vez, encontra significado em um conjunto de línguas proto-germânicas derivadas da época: “espalhar” ou “derramar” é a definição para o termo. E por mais estranho que pareça, tal significado faz sentido, uma vez que o povo godo era formado por homens designados para espalharem sementes por aí.

Os godos vieram de uma região denominada “Gotaland”, sendo ela parte da antiga Europa Setentrional. Tal região, nos dias de hoje, é localizada em território sueco. Passado algum tempo, os godos se mudaram para a antiga Vístula, que atualmente, é território da Polônia. Algumas fontes afirmam ainda que os godos atravessaram o mar Báltico.

Mas afinal, o que se sabe sobre os godos?

Os godos eram povos considerados bárbaros, truculentos e brutais pelo antigo Império Romano, já que tinham uma cultura diferenciada e alheia a este povo predominante. Além disso, há outro fato que os caracteriza: o de serem moradores de terras que, naquela época, não eram integrantes do território essencialmente romano.

Não à toa, não houve como evitar um conflito entre os povos romanos e godos. Mais tarde, em 269, houve ainda um conflito entre os godos e povos gregos. Neste período, os romanos entraram na defesa dos gregos e, com a liderança do imperador romano Aureliano, os godos foram obrigados a se tornarem refugiados em Danúbio – mais especificadamente, nas margens esquerdas do local. Durante algum tempo, o povo godo foi obrigado a viver como meros colonos ou mercenários em Danúbio.

Foi durante o refúgio nas margens de Danúbio que este povo criou novas subdivisões, dando origem ao povo ostrogodo e visigodo. A partir deste período, cada um deles decidiu que tomaria o seu próprio rumo.

Os povos visigodos partiram para oeste, chegando até o sul do que hoje conhecemos como território francês. Eles continuaram a trajetória até chegarem à Península Ibérica, onde se instalaram. Os povos ostrogodos, por sua vez, entraram em conflito direto com o Império Huno. Posteriormente, seguiram para a região norte do mapa.

O povo godo e suas principais características

Entre as principais características do povo godo podemos destacar:

  • Uso de espadas curtas para quaisquer situações – como se fossem integrantes do traje;
  • Assim como as espadas, os godos também portavam escudos arredondados;
  • Eram extremamente leais ao que consideravam o “Rei” do povo godo;
  • Eram donos de histórias de braveza e lendárias.

Um dos heróis godos conhecidos até os dias de hoje é Beowulf, que inclusive, teve a sua trajetória retratada em uma produção cinematográfica germânica. O idioma falado pelos godos era o gótico, um dialeto próprio e de origem germânica que, até hoje, conta com registros aguçados.

Uma curiosidade interessante sobre o povo godo é que, por mais que sejam germânicos, eles são considerados um símbolo de identidade nacional para o povo sueco. Não à toa, até meados do século XIX (o que é razoavelmente recente), os suecos acreditavam que eram diretamente descendentes do povo godo.

Porém, alguns pesquisadores e cientistas comprovaram que, na realidade, os godos eram povos exclusivamente culturais, e que por isso, não tinham absolutamente nada a ver com a origem da população sueca.

Entende-se ainda, nos dias de hoje, que os godos foram parte de um movimento cultural que ganhou um nome próprio: goticismo.

Outras curiosidades interessantes relacionadas ao povo godo são:

  • O grupo que se derivou dos godos, os visigodos, foi considerado a origem para a nobreza dos espanhóis durante a Espanha Moderna Medieval;
  • Não à toa, nações como Argentina, Chile e Ilhas Canárias utilizavam o termo ‘godo’ para ofender os espanhóis europeus;
  • A necessidade por saber se eram ou não originários do povo godo levou a um confronto entre os suecos e espanhóis no ano de 1434. A delegação da Espanha, não contente com a decisão dos suecos, decidiu que os godos preguiçosos foram para a Suécia, enquanto os godos heroicos haviam passado pelo Império Romano para se estabelecerem em território espanhol. Mais tarde, comprovou-se que os godos formaram um movimento unicamente cultural.