Resumo sobre a Peste Negra: O que é a peste negra?


Chamamos de peste negra a pandemia que aconteceu durante o período da Baixa Idade Média no século XIV, atingindo toda a Europa e dizimando cerca de 75 milhões de pessoas, número que nesse período representava um terço de toda a população.

O agente causador dessa doença é uma bactéria, transmitida aos seres humanos através de ratos pretos, pulgas e alguns outros roedores, como ratazanas, esquilos, marmotas e coelhos. Outra forma de contaminação é através da inalação de gotas de tosse ou de espirros de um indivíduo infectado.

Peste Negra

Essa doença foi durante a Baixa Idade Média, a causa extrema de muitas mortes na China, na África, no Oriente Médio, na Ásia e também na Europa. A última epidemia realmente significativa aconteceu na Índia e na China, no final do século XIX. No mundo todo, acontecem ainda cerca de 2000 casos por ano, nas áreas em que há roedores infectados.

Apesar de voltar a cada geração à Europa, cada epidemia acabava matando os indivíduos que estavam fracos, deixando imune o restante dos indivíduos. Somente quando uma geração nova não imune se discriminava é que se iniciava novamente um número significativo e suficiente de pessoas vulneráveis para que a infecção se propagasse. Entretanto, nenhum dos surtos dessas epidemias foi tão mortal quanto a primeira, por causa principalmente da eliminação dos genes e das mudanças no comportamento, que davam aos portadores uma susceptibilidade.

Podemos citar como notáveis a Peste Espanhola, que aconteceu do ano de 1596 a 1602 e dizimou mais um milhão de espanhóis, a Grande Peste de Viena, a Grande Praga de Londres e a Peste Italiana. No ano de 1666, o Grande fogo de Londres acabou queimando por completo as casas que tinha telhados de colmo e que eram de madeira. As casas passaram a ser construídas com tijolos, pedras e telhas, o que acabou contribuindo para que os tatos fossem afastados das habitações.

Este mesmo processo, juntamente com a resistência genética das populações, a substituição do rato preto pelo rato cinzento, aliados com melhores condições de higiene, acabaram contribuindo para que as epidemias de peste na Europa tivessem um declínio contínuo.

A epidemia, como tratar e modo de infecção

Na China, os primeiros casos da peste negra aconteceram no ano de 1334. Cerca de vinte anos depois, quando a China estava sob a liderança dos mongóis, uma epidemia bem mais intensa e extensa aconteceu, em diversas de suas províncias. Estima-se que cerca de dois terços da população chinesa teria sido dizimada por causa da proliferação da doença, o que significava na época em algumas das regiões, mais de 90% de toda a população.

Já no Oriente Médio, a doença entrou através do território que atualmente conhecemos como Rússica, no ano de 1347, quando tropas que estavam sob o comando do general Malik Asraf regressavam do Azerbaijão depois de uma campanha militar. No final do ano seguinte, a doença já havia se espalhado por toda a Palestina, o Egito e a Antioquia. Cerca de um quarto de toda a população sucumbiu à doença.

A terceira grande epidemia da peste negra teve início em 1855 na China. Foi praticamente impossível evitar a dissiminação da doença através de navios em portos do mundo todo. Segundo historiadores, foi nesse período que os roedores do Brasil e da América foram infectados.

A bactéria acaba entrando pela pele e espalha-se rapidamente nos gânglios linfáticos, onde acaba se multiplicando. Em seguida, em apenas 7 dias, em 90% dos casos os primeiros sintomas começam a aparecer: mal estar, febre altas e o surgimento de bubos (protuberâncias na pele azuladas).

Depois as bactérias acabam invadindo a corrente sanguínea, onde multiplicam-se causando a peste septicêmica, que é caracterizada por hemorragia em diversos órgãos. A peste negra recebe esse nome porque as hemorragias de sangue na pele acabam por formar manchas escuras. Do sangue, as bactérias podem invadir qualquer outro órgão, sendo muito mais comum a infecção do pulmão.

Depois de atingir o pulmão, acontece uma expectoração com sague e altamente infecciosa. Após o aparecimento desses sintomas, se a peste negra não for tratada é mortal em 100% dos casos.

O diagnóstico da doença é feito através da coleta de amostras de sangue, de pus ou de líquido dos bubos, que são analisados ao microscópio bioquimicamente.

Uma forma de combate à peste negra é evitar o contato direto com animais roedores e ainda deixá-los longe das áreas de habitação. Na Idade Média, período em que ocorreu um surto da doença, a população utilizava o vinagre como forma de combate, isso porque os ratos e as pulgas odeiam o cheiro desse produto.

A peste negra é tratada através do uso de antibióticos, o que acabou a tornando uma doença controlável de maneira fácil do que um agente de morte praticamente certeira. Apesar do tratamento, a peste negra ainda tem mortalidade de 15%. Em caso de decorrência da doença, comunique rapidamente as autoridades de sua cidade. É muito importante que os indivíduos afetados sejam colocados em quarentena.