Resumo de Hamlet: A história e o autor


Escrita entre os anos de 1599 e 1601 por William Shakespeare, Hamlet é considerada uma tragédia. A peça se passa na Dinamarca, e conta a história do Príncipe Hamlet que tem como objetivo vingar a morte do rei Hamlet, seu pai, que foi executado pelo próprio irmão, Cláudio. Depois de envenena-lo, Cláudio casou-se com a rainha e se tornou rei daquele país.

Hamlet traça um mapa do curso de vida na loucura fingida ou na loucura real, explorando ainda profundamente temas como corrupção, traição, incesto, vingança e moralidade. Além disso, essa é a peça mais longa de Shakespeare e ainda, a que provavelmente lhe deu mais trabalho, já que ela acabou sendo considerada tempos depois, como uma das peças mais influentes e poderosas da língua inglesa.

Resumo de Hamlet: A história e o autor

Sinopse

O personagem principal dessa tragédia é o Príncipe da Dinamarca, Hamlet, filho do Rei Hamlet, que havia sido morto recentemente pelo próprio irmão, Rei Cláudio, sucessor do rei. Logo após matar o irmão por envenenamento, Cláudio se casa com a rainha viúva, Gertrudes e assume o poder e o trono.

Nesse contexto, a Dinamarca encontrava-se em disputa com a vizinha Noruega, e existia uma expectativa de que haveria uma invasão, liderada pelo príncipe da Noruega.

Tempos depois, um fantasma começa a assombrar os arredores do castelo de Elsionore, e a aparência deste, relembrava muito ao falecido rei. O primeiro sentinela a avistar esse fantasma, que atendia pelo nome de Horácio, era muito amigo do Príncipe Hamlet, e logo o chamou para que também visse aquela assombração.

Ao conversar com o Príncipe, o fantasma conta que havia sido assassinado pelo próprio irmão e tio dele, o rei Cláudio, e pede para que o filho se vingue de sua morte. Assim, Hamlet se encontra cada vez mais determinado a vingar a morte do pai, mas acaba se deparando em diversas dúvidas, morais e filosóficas, dando a impressão de ter enlouquecido. Preocupada, Gertrudes, sua mãe e atual rainha da Dinamarca, e o padrasto, enviam dois amigos do príncipe para averiguarem o que poderia estar acontecendo com o jovem.

Nessa altura da história, Hamlet já estava apaixonado por Ophelia, filha do braço direito do Rei Cláudio, Polônio. Este, acaba suspeitando de que Hamlet estava ficando louco por conta de um amor mal-resolvido por sua filha. Assim, o Polônio e o rei resolvem espiar uma conversa entre os jovens, e acabam tendo uma surpresa: é Hamlet quem maltrata Ophelia.

Quando uma companhia de teatro chega no castelo do príncipe, ele resolve usar alguns atores para verificar se o Rei Cláudio é realmente o grande culpado pela morte de seu pai. Ele então manda que as atores recriam uma peça em que o assassinato em questão, acaba por contar para a plateia, o que o fantasma do rei havia lhe contado.

Como ele já imaginava, Cláudio se levanta e deixa a sala. Não satisfeito, o príncipe Hamlet vai atrás do rei, com a intenção de mata-lo, mas quando o vê rezando, acaba recuando, decidindo por assassiná-lo mais tarde.

Por sua vez, o rei decide que o enteado e sobrinho se tornou um problema, e planeja manda-lo para a Inglaterra. Algum tempo depois, Gertrudes e Hamlet conversam no quarto dela, e o jovem então condena a própria mãe pela deslealdade que fez com seu pai. Enquanto isso, o fiel escudeiro do rei, Polônio, escutava tudo escondido atrás de uma cortina. Ao escutar um barulho, Hamlet pensa ser o rei, e então aniquila Polônio.

A morte de Polônio, chegou ao ouvido do Rei Cláudio e totalmente indignado, decide mandar logo menos o príncipe para a Inglaterra. Depois que o barco partiu, ele foi atacado por piratas. O príncipe então oferece dez mil coroas para que os piratas o levem de volta para o castelo, e assim, ele finalmente consegue voltar.

Por causa da morte de seu pai, e também pela rejeição de Hamlet, Ophelia, filha de Polônio, acaba enlouquecendo. Laertes, seu irmão, volta nesse momento para a Dinamarca, com a intenção de vingar a morte de seu pai e de sua irmã, que recentemente havia se suicidado.

O rei Cláudio então organiza uma batalha de esgrima entre os dois. Mas, tratava-se de uma armadilha. Na ponta da espada de Laertes, havia veneno. Caso o príncipe vencesse o duelo, Cláudio brindaria, colocando veneno no copo do jovem.

Enquanto Ophelia era velada, Hamlet demonstra profunda tristeza e também arrependimento. Durante o duelo, Hamlet começa vencendo. Como comemoração, a rainha bebe um copo de vinho, justo aquele que estava envenenado. Ao mesmo tempo, Laerte consegue ferir o príncipe com a espada envenenada.

Algum tempo depois, os combatentes acabam trocando de maneira acidental as armas, e Hamlet acerta Laertes com o veneno. Quando finalmente percebe a armadilha, Hamlet obriga o Rei Cláudio a tomar a taça com o vinho envenenado. No final, Laerte isenta Hamlet da culpa pela morte de seu pai, e os três homens morrem, um depois do outro.