Resumo do Livro Macunaíma


A Literatura Brasileira é extremamente rica, cheia de obras que marcaram as épocas em que foram lançadas e que continuam sendo grandes referências até os dias atuais. Uma delas é Macunaíma, do modernista Mario de Andrade, que fez uma revolução ao trazer a figura do anti-herói, ou seja, o protagonista não é mais perfeito como em escolas literárias anteriores, mas sim cheio de defeitos. Leia a seguir um resumo do livro Macunaíma.

Resumo do livro Macunaíma – características principais

Antes de saber do que se trata o enredo propriamente dito, é interessante conhecer algumas características importantes dessa obra literária:

Macunaíma

• Foco narrativo: 3ª pessoa, ou seja, a história é contada por um narrador observador e onisciente;

• Tempo: a referência temporal é o século XX, no entanto, o enredo trabalha muito com o aspecto mitológico, que não tem uma cronologia delimitada;

• Local: a história se passa em três locais, na Floresta Amazônica, que é o berço de Macunaíma; em São Paulo e há também o espaço mítico, em alguns relances o autor se reporta a diversos lugares do Brasil;

Linguagem: há o predomínio da linguagem falada pelos brasileiros, não há rebuscamento algum, o que facilita toda a compreensão do enredo;

• Personagens principais:

Macunaíma: personagem principal, preguiçoso e sem moral alguma;
Maanape: irmão mais velho, que é feiticeiro;
Jiguê: irmão do meio, de quem Macunaíma “rouba” várias namoradas no decorrer da narrativa;
Mãe do Mato: é a companheira que permanece ao lado de Macunaíma por algum tempo, inclusive, é mãe de seu filho;
Princesa: última companheira do nosso protagonista, que acaba o traino com o irmão Jiguê.

Resumo do livro Macunaíma – enredo

A narrativa é dividida em 17 capítulos e você vai ver agora um panorama geral sobre ela.

O nosso personagem Macunaíma é um índio que nasce em uma tribo que vive na Floresta Amazônica, local onde passa toda a sua infância. É o mais novo de três irmãos (Macunaíma, Jiguê e Maanape) e desde pequeno mostra algumas características bem negativas: é preguiçoso e vive a falar palavrões, além de ser um traidor, já que agora roubar as namoradas de um dos irmãos.

Quando jovem, Macunaíma acaba se apaixonando de verdade por uma mossa chamada Ci, conhecida como a Mãe do Mato. Do amor existente entre eles, nasce uma criança, que morre muito cedo. Por conta da morte do bebê, Ci decide que também quer morrer, mas não sem antes deixar o seu amuleto, chamado de muiraquitã para Macunaíma. Depois disso, a Mãe do Mato sobe aos céus utilizando um cipó e se transforma em uma estrela.

Mas algo inesperado acontece: Macunaíma perde o seu amuleto precioso e descobre que quem o roubou foi o gigante Piaimã, Venceslau Pietro Pietra, que era conhecido por comer pessoas e morava em São Paulo. Mesmo sabendo o que teriam que enfrentar pela frente, Macunaíma e seus irmão resolvem ir à cidade grande para tentar recuperar o muiraquitã.

Chegando em São Paulo, Macunaíma entra em grandes aventuras na tentativa de recuperar o seu amuleto. É nesse ponto da história que o narrador coloca algumas passagens breves que acontecem em outras partes do Brasil, em caráter mais mitológico mesmo. Em um dado momento, o gigante Piaimã convida o protagonista para uma macarronada, mas tudo não passa de um plano, já que a real intenção dele é devorar o índio. Macunaíma aceita o convite e é mais esperto e consegue matar Venceslau Pietro Pietra e recuperar, finalmente, a pedra preciosa deixada a ele por sua amada.

Na volta para a Floresta Amazônica, os três irmãos não encontram mais a sua tribo e dois deles morrem, restando apenas Macunaíma, que depois de ficar completamente sozinho encontra um papagaio e passa a contar a sua história para o pequeno animal.

Em uma das últimas passagens da história, Macunaíma entra no rio, onde é seduzido por Iara, a mãe da água. Acaba sendo despedaçado pela criatura e, saindo da água, consegue recuperar suas partes e colá-las nos lugares certos. No entanto, ele acaba perdendo definitivamente uma das suas pernas. Sem ter mais o que fazer, assim como Ci, ele usa um cipó para subir aos céus e se tornar uma das estrelas da constelação Ursa Maior.

A leitura do livro é rápida, tanto pela facilidade da linguagem quanto pelo dinamismo da história. No entanto, esse resumo do livro Macunaíma que você acaba de ler realmente deixa de fora muitas das coisas que acontecem, inclusive as digressões que o autor faz ao longo de toda a obra.

Reza a lenda que Mario de Andrade teria escrito a história toda em poucos dias, em uma espécie de fluxo de consciência, mas teria levado dois anos para organizar tudo até poder publicar. O livro é uma obra prima da nossa Literatura, que traz elementos da literatura fantástica e recria belos cenários brasileiros. Vale muito à pena essa leitura.