Ligação Covalente Dativa, Coordenadas e Regra do Octeto


Na química, as ligações atômicas são importantes para a formação de moléculas e compostos. As chamadas ligações químicas são, portanto, todas as uniões feitas por todos os átomos que estão formando novas moléculas ou, até mesmo, para constituírem os chamados aglomerados atômicos, que ao se organizarem têm a estrutura básica de um composto ou substância. No último caso, elas são chamadas de ligações metálicas ou iônicas e serão estudadas mais adiante. Já nos casos de formarem substâncias e compostos, essas ligações recebem o nome de ligações coordenadas ou dativas.

Essas ligações ocorrem quando um elétron é doado ou recebido por um átomo que faz com que esse elétron seja unido ao novo átomo por meio de um compartilhamento, ou seja, os dois átomos ficam com ele compartilhado. Por isso, só pode ser chamada de molécula apenas aquela estrutura na qual todos os seus átomos são “conectados” de forma covalente.

Ligação Covalente

A regra do octeto

Para que essas ligações químicas aconteçam é preciso que uma regra química seja respeita, a chamada regra do octeto. Isso acontece porque os elementos químicos possui a chamada estabilidade eletrônica sempre que os seus átomos possuem oito elétrons na camada mais externa de seu corpo, por isso octeto.

No entanto, quando um átomo não possui oito elétrons nessa camada externa ele tende a se ligar a outro átomo para que essa “necessidade” possa ser cumprida. No entanto, é importante lembrar que existem algumas exceções para a regra, e por isso, alguns elementos fazem a ligação com menos do que oito elétrons, como o caso do Hidrogênio, que necessita apenas de dois elétrons em sua camada externa.

Ligações covalentes e a regra do octeto

Como vimos acima, os átomos normalmente necessitam de oito elétrons em sua camada externa para ficarem estáveis, salvo algumas exceções, mas para que isso aconteça eles necessitam realizar as chamadas ligações moleculares, ou covalentes, como chamamos na química.

Essas ligações nada mais são do que o momento no qual os átomos compartilham um ou mais elétrons de sua camada de valência, que nada mais é do que uma camada instável que consegue partilhar seus elétrons ou receber o compartilhamento de outro átomo. É importante lembrar também que nesse tipo de ligação não existe a formação de íons, isso porque todas as estruturas formadas a partir dessa ligação são neutras.

A mais conhecida ligação covalente que conhecemos sem nem nos darmos conta é a da água, ou a nossa H2O. Como já dissemos acima, o hidrogênio necessita de apenas dois elétrons para ter uma molécula estável, já o oxigênio respeita a regra do octeto e tem em sua última camada de valência 6 elétrons, ou seja, para ficar estável. Para que isso aconteça o oxigênio faz então a ligação com duas moléculas de hidrogênio. Desse modo cada hidrogênio compartilha com o oxigênio um elétron e recebe o compartilhamento de um elétron também, ficando com dois elétrons em sua camada de valência. Já o oxigênio compartilha e recebe dois elétrons e fica com oito elétrons em sua camada de valência.

Ligações dativas ou coordenadas

Depois de explicar a regra do octeto e como funcionam as ligações químicas, é hora de mostrar como funcionam as ligações dativas ou coordenadas. Essa ligação ocorre de forma especial porque nela os átomos são compartilhados em pares. Além disso, é possível que apenas um dos átomos faça esse compartilhamento, ou seja, diferente das outras ligações não é preciso que o compartilhamento seja mútuo.

No entanto, é preciso que esse átomo que está concedendo o seu par de elétrons para outro átomo esteja estável de acordo com a regra do octeto. Ou seja, é preciso que sua camada de valência esteja estável. Além disso, é preciso saber ainda que a ligação dativa só acontecesse se o par de elétrons “doado” for antiparalelo, ou seja, seja de elétrons emparelhados.

Por isso, depois que a ligação dativa ou coordenada é realizada, não é possível a diferenciar de outra ligação covalente comum, isso porque suas forças e estabilidade são exatamente iguais.

Na química, existe ainda a teoria de Lewis, também conhecida como Teoria de ácido-base. Nela, os compostos ou átomos, o plural existe porque não é necessário que isso aconteça apenas com um composto ou átomo, acaba por conceder mais de um par de elétrons a outro composto ou átomo. Essa teoria tem o nome de ácido-base porque são os primeiros que recebem os pares de elétrons e os últimos que os concedem.

O exemplo mais conhecido da química é o do complexo amônia trifluoreto de boro. Nela, um par eletrônico de nitrogênio é “dado” para o boro, isso porque o nitrogênio já é estável e o boro necessita de mais dois elétrons para se estabilizar. Com isso, dizemos que na química ambos os átomos estão aptos a fazer a ligação dativa, já que um já está estabilizado e por isso pode “doar” um par de elétrons àquele que ainda não está.