Resumo Visconde de Taunay


Alfred D’Escragnolle Taunay, conhecido como Visconde de Taunay, foi um renomado escritor brasileiro que viveu entre os anos de 1843 e 1899. Além de escritor, Taunay também foi engenheiro militar, político, professor, teatrólogo, historiador, etnólogo, romancista e memorialista. Carioca, nasceu em 22 de fevereiro de 1843 e faleceu também na cidade do Rio de Janeiro, em 1899. A seguir, confira um resumo sobre a história de Visconde de Taunay.

Resumo Visconde de Taunay

Biografia de Visconde de Taunay

Visconde de Taunay foi filho de Gabriela D’Escragnolle (filha do conte D’Escragnolle) e de Félix Emílio Taunay, aristocrata e diretor da Academia Imperial de Belas Artes. Já o seu avô, Nicolau Antônio Taunay, era pintor e foi um dos chefes brasileiros na Missão Artística Francesa organizada por Dom João.

Como você já deve ter notado, Taunay cresceu em um ambiente culto e artístico. Não tardou para que desenvolvesse o gosto pela música, pela arte, pelo desenho e, especialmente, pela literatura. Ele se tornou bacharel em letras em 1858 e um ano depois iniciou uma graduação em uma área totalmente distinta: Ciências Físicas e Matemáticas.

Em 1863, graduado pela segunda vez, foi promovido a 2º Tenente no Exército. Em 1864 tentou o curso de Engenharia Militar, que não pode ser finalizado após a sua convocação para trabalhar na Guerra do Paraguai.

Visconde de Taunay foi engenheiro militar por muitos anos, quando foi incorporado à famosa Expedição enviada ao Mato Grosso. Foi durante este período, inclusive, que ele conheceu mais sobre o Brasil – o que o inspirou para a escrita de grande parte de seus livros e obras em geral.

Finalizada a guerra, Taunay pode terminar o curso de Engenharia e se tornou professor da Escola Militar nas disciplinas de Mineralogia e Geologia. Em seguida assumiu também a carreira política. Elegeu-se como senador e deputado pelo Partido Conservador e presidiu nos estados do Paraná e Santa Catarina. Porém, foi com a Proclamação da República que a sua carreira política chegou ao fim, uma vez que Taunay nunca negou a sua essência monarquista.

Foi apenas em 1871 que Taunay deu abertura para o seu potencial com as palavras romantizadas. Não à toa, neste mesmo ano publicou o seu primeiro romance, intitulado ‘Mocidade de Trajano’.

Vale destacar que, alguns anos antes, Taunay já havia publicado a sua primeira obra inspirada no que viveu na Retirada da Laguna, no ano de 1867. Intitulada “Cenas de Viagem’, os fatos na obra são narrados por ele como “narrador-participante”.

Foi inclusive com a publicação da obra ‘A Retirada da Laguna’ que Taunay verdadeiramente se tornou conhecido em todo o território brasileiro. A obra era sobre a sua participação em um episódio heroico (e desastroso ao mesmo tempo) na Guerra do Paraguai.

Outro destaque da carreira de Taunay como escritor também ocorreu antes da publicação de seu romance. Após ser reconhecido como um ótimo escritor pela tribulação, o Conde d’Eu, chefe das forças brasileiras durante a Guerra do Paraguai, convidou Taunay para redigir no “Diário do Exército”. No ano de 1870 este diário se tornou um livro de mesmo nome.

Detalhes, obras e curiosidades sobre a vida de Visconde de Taunay

As principais obras de Visconde de Taunay ao longo de sua trajetória como escritor foram as seguintes:

• Romances: Mocidade de Trajano (publicado em 1871); Inocência (publicado em 1872); Lágrimas do Coração (publicado em 1873); Ouro sobre Azul (publicado em 1875); O Encilhamento (publicado em 1894);

• Contos: Histórias Brasileiras; Narrativas Militares; Viagens de outrora; No Declínio; Céus e Terras do Brasil; Estudos Críticos (em dois volumes, sendo eles publicados em 1881 e em 1883).

Como de costume com grandes escritores, algumas obras foram publicadas apenas após a sua morte, sendo algumas delas:

  • Um dicionário com o vocabulário dos índios habitantes do Mato Grosso;
  • Dias de Guerra e do Sertão (publicada no ano de 1923);
  • Visões do Sertão (obra de descrições publicada em 1923);
  • Trechos de Minha Vida (publicada no ano de 1911);
  • Homens e Coisas do Império (publicado em 1924);
  • Reminiscências (publicado em 1908).

E os que acham que Visconde de Taunay não atuou no Teatro estão muito enganados (as). Ele participou de três grandes peças teatrais, sendo elas:

1. Por um triz coronel (com apresentações no ano de 1880);
2. Da mão à boca se perde a sopa (apresentada entre os anos de 1873 e 1874);
3. Amélia Smith (apresentada no ano de 1886).

Além disso, em sua bibliografia completa também constam obras na área de etimologia, história e sobre questão sociais e políticas enfrentadas no Brasil.

Em seu túmulo, no cemitério de São João Batista, no Rio de Janeiro, estão os dizeres que Visconde de Taunay estava reservando para o Epitáfio de uma obra. São eles:

“Aqui jaz o autor de duas obras
Que alcançaram renome valioso
De Inocência a história sertaneja
E da Laguna o feito glorioso”.