Crustáceos (Crustacea)


Os crustáceos são animais que fazem parte do subfilo dos artrópodes, que são seres invertebrados dotados de um exoesqueleto enrijecido. crustaceos

Várias espécies de crustáceos são adaptadas ao ambiente marinho, e entre alguns exemplos é possível citar:

– Lagostas
– Cracas
– Tatuís (uma espécie de crustáceo muito encontrada no litoral brasileiro)
– Caranguejos
– Camarões
– Siris

No entanto é possível encontrar algumas espécies de crustáceos também em ambiente de água doce. Entre elas é possível citar:

– Pulga-D’água: Também conhecido como Dáfnia, esse crustáceo recebe também o nome de Pulga-D’água porque o seu movimento sob a água remete ao movimento de uma pulga.

– Bicho-de-Conta: Também conhecidos como Tatus-Bolas, tais animais podem se adaptar em diferentes tipos de ambientes terrestres, desde os litorâneos até os desérticos.

Os hábitos alimentares desses animais são variados. Sendo assim, é possível encontrar crustáceos que são:

– Carnívoros: Animais que se alimentam basicamente de carne

– Herbívoros: Animais que se alimentam diretamente ou, em algumas situações indiretamente, de vegetais.

– Saprófagos: Animais que se alimentam de restos orgânicos oriundos de animais ou vegetais mortos.

As características dos crustáceos

O corpo dos crustáceos é, de uma maneira geral, coberto por um exoesqueleto rígido devido ao acúmulo de cálcio. O exoesqueleto é útil para funcionar como um mecanismo de proteção contra possíveis predadores.

Geralmente o corpo dos crustáceos é dividido em:

– Cabeça: De uma maneira geral a cabeça dos crustáceos é dividida em segmentos e conta com olhos em formato peduncular, um par de antenas e uma estrutura bucal constituída por mandíbulas que auxiliam a manipular o alimento.

– Corpo: O corpo de um crustáceo pode apresentar uma divisão composta por um cefalotórax e abdômen ou, em algumas espécies, cabeça, tórax e abdômen.

Além disso, no corpo dos crustáceos é possível encontrar apêndices destinados para a locomoção. Tais apêndices podem ser cinco ou até mais.

Vale salientar também que os crustáceos podem crescer e se desenvolver por duas maneiras:

– Crescimento direto que emerge do ovo: O crustáceo, quando cresce de forma direta, apenas aumenta de tamanho. Já algumas espécies crescem de maneira anamórfica, em que o corpo muda a sua estrutura a cada muda, podendo ser devido ao aumento do número de apêndices ou demais segmentos.

– Metamorfoses: O crescimento ocorre em fases larvares. Nesse caso, os crustáceos podem apresentar três tipos distintos de larvas. Que são:

– Náupilo: Constituídas por segmentos cefálicos e dotadas de apêndices

– Zoea: Constituída por uma enorme carapaça que atua como proteção da cabeça e de uma parte do tórax.

– Mysis: É uma larva que possui apêndices ramificados.

Digestão, reprodução e respiração dos crustáceos

Os crustáceos contam com sistemas digestivos completos. Sendo assim, o estômago pode ser constituído por duas câmaras:

– Cardíaca: Com capacidade de auxiliar a triturar os alimentos por causa da atuação de pequenos dentes calcificados.

– Pilórica: Com capacidade de digerir os alimentos com enzimas.

A excreção dos crustáceos é realizada devido a ação de glândulas antenais ou também chamadas de glândulas verdes.
Já a reprodução dos crustáceos é de característica dióica, possuindo sexos separados. De uma forma geral, as fêmeas de crustáceos efetuam a incubação dos seus ovos em apêndices do corpo, como é o exemplo que acontece com as lagostas e também com caranguejos.

O sistema nervoso dos crustáceos é constituído por um cérebro ganglionar que envia comandos para os outros órgãos e segmentos onde estão localizados gânglios de menor porte. O sistema sensorial é constituído, por sua vez, pelos olhos, pelos mecanorreceptores e também quimiorreceptores, tais estruturas podem ser localizadas nas antenas e na parte bucal. Ainda sobre o sistema sensorial, o equilíbrio e a orientação dos crustáceos ocorrem devido ao estatocisto, que corresponde a uma estrutura capaz de se abrir e fechar. O tato dos crustáceos é sentido graças aos pelos tácteis que estão distribuídos pelo corpo.

O sistema circulatório desses animais é considerado do tipo aberto, que também pode ser chamado de lacunar. Sendo assim, o sangue sai do coração pela aorta, passa por um segmento chamado de hemocele e, em seguida, efetua o seu retorno para os vasos sanguíneos. Nas partes laterais de cada segmento do tórax é possível detectar brânquias que realizam as trocas gasosas e que também possuem vasos sanguíneos infiltrados.

Existem também espécies de crustáceos que são demasiadamente pequenas e contam com uma importante atuação na cadeia alimentar formando o zooplâncton. Tais crustáceos são consumidores primários e se alimentam do fitoplâncton.

Além disso, é válido destacar que os crustáceos são animais bastante utilizados na culinária dos mais variados países. É possível encontrar pratos que levam crustáceos na gastronomia dos países mediterrâneos, bem como em países asiáticos. No Brasil, por exemplo, o consumo de camarão e caranguejo é bastante difundido. Já em Portugal e também na Espanha, por exemplo, ocorre um maior consumo de lagosta.