Desenvolvimento fetal


Muitas mulheres ainda têm dúvidas sobre quando começa o período gestacional e como ele é calculado. Afinal, durante todo o seu pré-natal o desenvolvimento fetal é contado por semanas e cada uma delas tem uma importância e uma forma de avaliação da sua saúde.

desenvolvimento-fetal-ate-o-nascimento

O inicio da gestação é calculado a partir do primeiro dia do último ciclo menstrual, que vai até a 40º semana, período básico de formação do bebê. Algumas gestações duram menos ou mais que 40 semanas, mas tudo depende de como está o desenvolvimento do bebê.

Os trimestres da gestação

São nove meses de gravidez, divididos em três trimestres que representam etapas distintas do desenvolvimento fetal, desde sua fecundação até o nascimento. O corpo feminino vai se adaptando a esse processo, para ser capaz de proteger e alimentar o bebê, assim como para o parto e a amamentação. Na verdade, o corpo feminino vai se preparando para gerar uma criança em cada menstruação, cujo óvulo é mais amadurecido e preparado para ser fertilizado.

Para compreender as etapas de desenvolvimento fetal, listamos abaixo todas as semanas divididas em trimestres:

Primeiro trimestre – 1ª a 13ª semana

No primeiro mês acontece a ovulação e a fecundação, onde é formado o embrião. Durante o primeiro mês é formada a placenta com o líquido amniótico, que protege o bebê contra movimentos bruscos e até acidentes. Surge também o cordão umbilical e a membrana protetora do útero. O embrião se forma, sai da cápsula protetora para se fixar no colo do útero.

Depois de ser zigoto e se dividir e subdividir de acordo com os 46 cromossomos genéticos dos pais, o feto continua a se desenvolver, já tendo se dividido em três camadas de células germinativas que originam uma o cérebro, o sistema nervoso, pele e cabelos; a outra os músculos, vasos sanguíneos, rins, cartilagens e ossos; enquanto a última cuida do pâncreas, fígado, tiroide e gastrointestinal.

A mulher já começa a sentir os seios doloridos e os primeiros sinais de cansaço e náusea.

O segundo mês é considerado o um dos mais críticos de seu desenvolvimento, onde são necessárias algumas condições para que não haja má formação genética. O corpo da mulher começa a sentir mais as alterações hormonais e a barriga ainda não aparece, mas as roupas já começam a ficar apertadas pelo crescimento do útero.

O crescimento começa a acelerar, com o desenvolvimento dos órgãos e a formação do sistema nervoso e dos órgãos internos; o rosto começa a se definir assim como os braços, pernas, mãos e pés. O coração já bate e começa a equilibrar os batimentos.

O corpo do bebê já forma um C e começa a demonstrar aspecto mais humano, porém desproporcional ainda com cabeça maior que o resto do corpo e braços maiores que pernas.

No terceiro mês o bebê já está com 8 centímetros em média e é marcado pelo pleno desenvolvimento do esqueleto, inclusive das costelas e dedos dos pés e mãos. Até o fim do terceiro mês, todos os órgãos internos já estão formados e prontos para se desenvolverem durante o restante da gestação.

O bebê já começa a formar suas digitais e sua fisionomia já está mais evidente.

Segundo Trimestre – 14ª a 26ª semana

No quarto mês o esqueleto do bebê começa a se transformar e o que antes era uma cartilagem flexível começa a se tornar osso. Ele já tem 16 cm, praticamente o dobro do mês anterior e começa a desenvolver movimentos rudimentares como sugar e engolir. Já possui também a diferenciação gustativa de amargo e doce.

O quinto mês já vem com os primeiros fios de cabelo do bebê, inclusive cílios e sobrancelhas. Os órgãos sexuais se formam e as meninas já desenvolvem as trompas e útero, enquanto os meninos já têm visualmente as genitais desenvolvidas que permitem identificação do sexo na ultrassonografia.

Com 25 cm o bebê já chupa o dedo, franze a testa e faz pequenos movimentos nos braços e nas pernas.

No sexto mês o bebê identifica sons e demonstra habilidade auditiva para reagir à respiração da mãe e sua voz. Como os órgãos já estão formados ele se mantêm em pleno desenvolvimento, inclusive detalhes como a boca, que se mostram mais definidas.

A partir do sexto mês já há mais chances de bebês prematuros sobreviverem, dependendo de como foi o início da formação dos órgãos e da saúde que ele apresenta. É preciso mantê-lo em incubadoras para que se mantenham sua temperatura, já que o bebê ainda não possui camada de gordura para protegê-lo.

Terceiro trimestre – 27ª a 40ª semana

Com 35 a 40 cm, o bebê no sétimo mês já boceja, abre e fecha os olhos, se movimenta dentro do útero e a mãe sente quando ele se mexe. Ele reage a estímulos externos sonoros e assimila vozes e outros sons agradáveis.

No oitavo mês o bebê já começa a se preparar para a posição do parto, se colocando de cabeça para baixo. Mede de 40 a 45 cm e o corpo formado, já em processo de finalização do seu desenvolvimento. Há também a formação de uma camada de gordura sob a pele, que permite manter sua temperatura ao nascer.

O novo mês é a finalização do período gestacional, com todos os órgãos formados e o bebê com aproximadamente 45 cm. Ele consegue controlar sua respiração, manter um equilíbrio de temperatura corporal e está pronto para nascer.

Acima de 40 semanas

O bebê já está preparado para nascer a partir da 37ª semana até a 42ª. Quando ele completa os nove meses, ou seja, as 40 semanas de gestação, não significa que nascerá imediatamente e sim que todo o seu desenvolvimento foi devidamente cumprido e ele está preparado para nascer.

Além da possibilidade de erro sobre a contagem do período gestacional, devido a ciclos menstruais irregulares, existe a necessidade do feto de completar o seu processo de amadurecimento.

Caso o bebê ultrapasse as 40 semanas, começa a surgir uma diminuição do líquido amniótico, mas nada grave. As gestantes são acompanhadas minuciosamente após a 40ª semana para que nada saia errado e ela possa ter um parto saudável para ela e o seu bebê.