Fisiologia da respiração humana


O processo de respiração é inerente a praticamente todos os seres vivos do planeta. As exceções ficam a cargo dos vírus, das bactérias, alguns seres unicelulares e três espécies pluricelulares que vivem nas profundezas do Mar Mediterrâneo. Todos estes seres conseguem viver sem oxigênio, portanto, sem respirar.

No entanto, como o assunto a ser tratado é a fisiologia da respiração humana, pode-se dizer que este é um processo complexo e importante para a manutenção da nossa espécie. A respiração nada mais é do que a troca de gases entre o organismo humano e o meio ambiente. O corpo precisa de oxigênio para gerar energia e manter diversas funções em perfeito estado e, também, precisa descartar o CO2 que é gerado pelas células quando elas realizam trabalhos.

respiração humana

O sistema respiratório humano

Toda a fisiologia da respiração humana é realizada pelo sistema respiratório. Este sistema funciona em conjunto com outros sistemas, como o circulatório e o sistema neurológico. Veja quais são as principais partes deste sistema e qual a sua função no processo respiratório humano:

• Pulmões: eles são conhecidos como os principais órgãos do sistema respiratório. De fato, sua presença é importante e eles acolhem outras partes ainda mais imprescindíveis para a respiração humana. Os pulmões (que são dois) são órgãos envoltos numa membrana chamada pleura. Sua capacidade de ar é grande – pode chegar a 6,5 litros num adulto – mas esta capacidade nunca é utilizada por completo durante a respiração;

• Nariz: este é o primeiro órgão do sistema respiratório. O ar que chega do ambiente externo passa pelo nariz e é filtrado e umedecido. Como a temperatura corporal é maior do que a externa, o ar também precisa ser aquecido para ir até o pulmão. E é no nariz que isso ocorre;

• Faringe e laringe: dois órgãos compartilhados pelo sistema respiratório e pelo sistema digestivo. São responsáveis por levar o ar que chega aos pulmões e o ar que sai até o nariz. Na faringe também há filtros que impedem a passagem de alimentos para o sistema respiratório;

• Traqueia: uma estrutura mais interessante do que a faringe e a laringe. A traqueia é um tubo feito de anéis de cartilagem por onde o ar passa. Ela se divide em duas – uma para cada pulmão – e vai se ramificando dentro dos pulmões até terminar em pequenas estruturas celulares chamadas alvéolos;

• Brônquios e bronquíolos: são as ramificações da traqueia. Os dois canais que levam o ar até cada um dos pulmões são os brônquios. Estes vão se ramificando e estruturas menores chamadas bronquíolos até que os menores destas estruturas terminam nos alvéolos. Este é o caminho que ar percorre após entrar no organismo;

• Alvéolos: é nestas estruturas minúsculas que ocorre a respiração propriamente dita. A troca de gases – chamada de hematose – é feita graças a presença de centenas de vasos sanguíneos ao redor do alvéolo.

A troca de gases nos alvéolos

Conhecendo melhor quais são as estruturas que formam o sistema respiratório fica mais fácil entender como funciona a fisiologia de respiração humana. Foi fácil entender que o ar entra pelo nariz, “viaja” pela faringe, depois pela laringe e, por fim, pela traqueia. Quando a traqueia se divide em duas para se tornar brônquios, uma parte do ar segue por uma via e outra parte segue pela outra via. A distribuição é feita de forma aproximadamente igual. O ar vai chegando até os alvéolos por meio dos bronquíolos.

É nos alvéolos que a reação química da respiração acontece. O oxigênio que chega do ar externo penetra nas hemácias (glóbulos vermelhos) e encontra a hemoglobina – uma proteína rica em ferro. A hemoglobina é basicamente um intermediário. O oxigênio precisa chegar ao restante das células do organismo. Após passar pela hemoglobina, o oxigênio se dissolve no líquido tissular e viaja para “abastecer” as demais células do organismo. A primeira parte da respiração está completa.

A liberação de gás carbônico é um processo basicamente igual ao da “ingestão” de oxigênio, mas pelo caminho contrário. A liberação também acontece via hemoglobina. Depois o CO2 passa pelos alvéolos e percorre aquele mesmo caminho pelos brônquios, traqueia, laringe, faringe e boca. Sim, a boca é o canal por onde o ar já utilizado deve sair. O que ocorre é que, por comodidade, as pessoas acabam ingerindo o ar pela boca ou expelindo-o pelo nariz. O contrário é que é o correto. Todo este procedimento de troca de gases nos alvéolos é chamado de hematose.

É importante que a respiração seja feita de forma correta. Inspirar o ar pela boca pode fazer com que substâncias e partículas nocivas cheguem aos pulmões. Isso acontece porque a boca não tem os filtros e a mesma função que o nariz possui. O ar pode chegar numa temperatura não ideal ao sistema respiratório e isso pode causar problemas de saúde a longo prazo. Respirar bem é viver bem!