Demografia e ocupação da Antártida


A Antártica, mais conhecida como Antártica aqui no Brasil, é o mais antártico dos continentes e um dos maiores, com uma área de 14 milhões km². Contorna o pólo Sul, e por essa razão está praticamente encoberto por gigantes geleiras, ressalva feita para certas regiões de alta inclinação nas cordilheiras e o limite norte da península Antártica. Sua constituição se deu pela divisão do antigo continente Gondwana há cerca de 100 milhões de anos e seu esfriamento ocorreu nos últimos 35 milhões de anos.

É o continente mais seco, gelado, com o maior registro de altitude e de maior taxa de ventos intensos do planeta. A menor temperatura da Terra foi catalogada na Antártica, onde a temperatura média do litoral, no decorrer do verão, é somente -10°C; no centro do continente é de -40°C. Diversos escritores os conceituam como um extenso deserto polar, pelo baixo índice de chuva no centro do continente. A altura média da Antártica é cerca de 2000 metros. Ventos com velocidade de 100 km/h são frequentes e podem permanecer por vários dias, porém já foram registrados ventos de 320 km/h no litoral antártico.

ocupação da Antártida

Legalmente, a Antártica está submetida ao Tratado da Antártica, onde as diversas nações que requeriam regiões do continente consentem em para com os seus requerimentos, disponibilizando o continente para conhecimento científico.

Por essa razão, e pela severidade das disposições climáticas, não apresenta habitantes permanentes, apesar de possuir uma população temporária de especialistas e indivíduos de apoio nos suportes polares, que varia entre 1000 e 4000 pessoas dependendo da estação do ano. Dois desses apoios com uns residentes permanentes são a Base Esperanza, da Argentina, e a Villa Las Estrellas, do Chile.

Demografia

Apesar da Antártica não ter moradores fixos, certos governos preservam estações de estudo constantes ao longo do continente. A comunidade de pesquisadores nas ilhas sub-antárticas e no continente mudam de 4000 a 1000 de acordo com a estação do ano. Diversos apoios de estudos conservam habitantes durante o ano todo.

Os primeiros residentes semi definitivos das regiões sub-antárticas eram marinheiros dos Estados Unidos e da Inglaterra que tem o costuma de permanecer cerca de um ano da Geórgia do Sul, desde 1786. No decorrer da fase de caça a baleia, que perdurou até 1996, os habitantes da ilha alternavam de 1000 no verão e 200 no inverno. A grande parte dos baleeiros era norueguesa, com gradativas parcelas de britânicos. Os vilarejos abrangem Leith Harbour, Grytviken, Ponto Rei Eduardo, Husvik Harbour, Stromness Harbour, Prince Olav Harbour, Godthul e Ocean Harbour.

Os governantes e demais oficiais responsáveis pelos pontos baleeiros diversas vezes viviam próximos as suas famílias. Entre eles estava o capitão Carl Anton Larsen, criador de Grytviken, um renomado explorador e baleeiro norueguês que aderiu, em 1910, a cidadania britânica junto com a família. Contudo, depois do término da caça as baleias no ano de 1960, os habitantes diminuíram consideravelmente para menos de 100 pessoas.

A primeira criança concebida no território polar austral, na cidade de Grytviken em 8 de outubro de 1913, foi uma menina norueguesa chama Solveig Gunbjorg Jacobsen, e seu nascimento foi alistado pelo juiz britânico morador na ilha Geórgia do Sul. Era filha de um gerente assistente do ponto baleeiro chamado Fridthjof Jacobsen, e de Klara Olette Jacobsen. Jacobsen desembarcou na ilha no ano de 1904 para tornar-se o dirigente de Grytviken, trabalhando de 1914 a 1921.

Emilio Marcos de Palma foi o primeiro a surgir no continente, em 1958 na Base Esperanza. Seus pais foram enviados para lá com mais sete famílias pelo comando argentino para definir se a vida em família era permitida no continente. Juan Pablo Camacho nasceu, em 1984, na base de Presidente Eduardo Frei Montalva, o primeiro chileno a nascer no território antártico.

Vários pontos são agora moradia de famílias com crianças que frequentam a escola em determinadas estações. Em 2009, mais 11 crianças nasceram no continente: três na Base Presidente Eduardo Frei Montalva e mais oito na Base Esperanza.

Ocupação

Como único continente despovoado, a Antártica não possui governo e não vincula-se a nenhum outro país. Diversas nações requerem territórios, porém esses requerimentos não são identificados por outras. A região entre 90°W e 150°W é o único pedaço da Antártica e da Terra não requerida por nenhuma nação.

O Tratado da Antártida é o registro assinado no dia 1 de dezembro de 1959 pelas nações que reivindicam a conquista de parcelas do continente da Antártica, onde se pactuam em interromper suas solicitações por tempo indeterminado, possibilitando a liberdade de pesquisa científica do continente, em sistema de colaboração internacional.

Desde 1959, os requerimentos na Antártica estão interrompidos e o continente é julgado como politicamente neutro. Sua condição é legitimada pelo Tratado de Antárticas e por demais acordos vinculados, denominados em seu grupo de Sistema do Tratado da Antártica. Para os objetivos do Sistema de Tratados, a Antártica é determinada como toda a terra e superfície de gelo por volta dos 60°S.

O tratado foi consentido por 12 nações, incluindo os Estados Unidos e a União Soviética. Ele modificou a Antártica para uma região de proteção científica, determinou a liberdade de investigação cientifica, a defesa ambiental e aboliu atividades militares no continente. Esse foi o primeiro pacto para o comando de armar determinado no decorrer da Guerra Fria.

O Tratado a Antártica não permiti qualquer tipo de atividades militares na Antártica, como por exemplo, a instalação de pontos e de fortes militares, a prática de manobras militares, ou a verificação de qualquer modelo de arma.