Catedral da Sé


Catedral da Sé foi projetada no século XVI e preserva planta original

Conhecer uma cidade nova é quase sinônimo de passear pelas ruas principais do local e visitar os lugares mais importantes. Para quem passa por São Paulo, por exemplo, é quase impossível não conhecer a Catedral da Sé. Situada na Praça da Sé, a igreja foi construída no estilo neogótico e é um dos maiores templos desse estilo no mundo.

A origem da Catedral remete ao ano de 1589. Na época, decidiu-se que uma igreja matriz precisava ser edificada em São Paulo de Piratininga, uma pequena Vila da cidade. A então igreja ficou pronta no ano de 1616, onde hoje se localiza o Monumento a Anchieta, uma espécie de escultura que homenageia Heitor Usai.

Sé

Em 1745, São Paulo iria se transformar em sede de diocese. Nessa época, a igreja antiga foi demolida a fim de que um novo templo, no estilo barroco, fosse erguido e ficasse pronto nos idos de 1764. O santuário, embora modesto, foi usado como catedral da cidade até 1911, época que a igreja foi demolida para dar início a uma edificação diferente.

Assim, no ano seguinte, começa a construção da Catedral da Sé. O arquiteto que ficou encarregado da obra era o alemão Maximilian Emil Hehl. A inauguração do templo só iria acontecer, porém, em janeiro de 1954. O início dos trabalhos foi em 1913 e a nova igreja tinha uma proposta que dava ênfase ao estilo eclético. Vários elementos estavam presentes no projeto, como o arco ogival e a cúpula.

Inspirada em catedrais famosas da Europa medieval, o templo novo deu predomínio para o estilo neogótico. O mobiliário, as esculturas e os mosaicos foram trazidos da Itália, em um navio. No entanto, por causa das duas guerras que o mundo vivia, a conclusão da obra demorou a ocorrer. Quando a cidade de São Paulo completava 400 anos, o templo foi inaugurado. Mesmo assim, as torres ainda não estavam finalizadas. Essas só ficariam prontas em 1967.

A Catedral da Sé teve um importante papel histórico e político em diferentes momentos da história do país. Durante a ditadura militar no país, o arcebispo D. Agnelo Rossi, uma figura importante para a história da Catedral, iria colocar em prática uma diferente fase religiosa. A teologia da libertação, por exemplo, combatia a pobreza e dava atendimento aos pobres. Essa ideologia ia contra os princípios políticos que dominavam o país naquele período.

Mais um arcebispo importante para a história do templo foi D. Paulo Evaristo Arns. O frade franciscano dedicou muitos anos de sua vida para combater o regime militar. Crimes e torturas eram denunciados pelo arcebispo. A Catedral também servia como espaço para que os familiares e amigos de manifestantes desaparecidos e presos políticos pudessem se expressar.

Depois de ficar bastante tempo sem reformas, a Catedral da Sé foi renovada entre os anos 2000 e 2002. Nessa fase, os pináculos que ficavam sobre a nave da igreja foram finalizados. Como as plantas originais da obra foram encontradas dentro do próprio prédio, tornou-se mais fácil realizar um restauro fidedigno ao projeto de 1912.

Durante a restauração, foram feitos a revitalização dos sinos, o reparo dos vitrais e a manutenção das redes elétrica e hidráulica. Outros problemas de estrutura, como infiltrações e rachaduras, também foram resolvidos. A igreja ganhou uma lavagem e uma pintura nova. A reforma custou R$ 19 milhões e meio e, depois de pronta, recebeu ainda 14 torreões, que era uma das propostas do projeto elaborado por Maximilian Emil Hehl.

Catedral da Sé possui ornamentos que a transformam em uma das maiores do Brasil

•A Catedral possui 46 metros de largura, 111 de comprimento, 92 metros de altura em cada uma das duas torres e uma cúpula enorme. Por isso é a maior igreja do município de São Paulo. O templo possui capacidade para abrigar cerca de oito mil pessoas. O acabamento do santuário foi feito com 800 toneladas de mármore, o que a torna não apenas uma das maiores igrejas do país, mas também uma das maiores do mundo.

É em frente à Catedral que está o Marco Zero, bem no meio da Praça da Sé. Trata-se de um monumento construído em formato hexagonal e de mármore. Ali há uma placa de bronze onde é possível visualizar um mapa com as estradas que saem da cidade com destino a diferentes estados brasileiros.

O órgão existente na catedral foi confeccionado em Milão e é o maior de toda a América do Sul. Possui cinco teclados manuais (sendo cada um deles com 61 teclas) e aproximadamente 12 mil tubos sonoros. Já a cripta da igreja se localiza logo abaixo do altar principal. Ali se encontram sepultados personagens importantes da história nacional, como o cacique Guaianás e o índio Tibiriçá.

Para aqueles que se encantaram com os ornamentos da Catedral da Sé e que desejam ouvir o badalar dos mais de 60 sinos ou apenas conhecer um espaço para oração e reflexão, o ideal é dar uma passadinha pela igreja das 12h às 18h. Também há a possibilidade de fazer visitas monitoradas, que ocorrem diariamente das 10h às 11h30. Já no período da tarde, o horário é das 13h às 17h30. Aos sábados, contudo, a visitação vai até 16h30. No último domingo de cada mês e às segundas-feiras, os passeios não acontecem.