Resumo da Proclamação da República do Brasil


O Brasil foi descoberto no ano de 1500, por uma expedição portuguesa. Vale lembrar que, naquela época, Portugal e Espanha eram duas grandes potências europeias, de modo que dominavam as atividades marítimas, por meio das quais, obtiveram diversas colônias. No nosso caso, o processo de colonização propriamente dito, só começou 30 anos depois, em 1530, quando Portugal começou a enviar pessoas para povoar (colonos), além de jesuítas que vinham para catequizar os índios e educar os colonos portugueses.

A nossa foi uma colônia de exploração, e não apenas de povoamento. Em 1808, a família real veio para o Brasil fugindo de Napoleão, que estava empreendendo muitas conquistas por toda a Europa. Em 1822, foi proclamada a nossa independência e, teoricamente, a partir daquele momento, o Brasil não tinha mais vínculo político com Portugal.

Proclamação da República do Brasil

No entanto, mesmo depois de ter se tornado independente, nosso país continuou a ser comandado por imperadores que eram de origem portuguesa, o que nos permite questionar até que ponto nos tornamos de fato independentes. É por isso que a Proclamação da República, que aconteceu anos mais tarde, é um momento histórico para o nosso país.

Leia abaixo o resumo da Proclamação da República do Brasil, para entender melhor o contexto que a tornou possível e como ela se configurou, ou seja, como exatamente a nossa república foi proclamada.

Resumo da Proclamação da República do Brasil – contexto

A nossa república foi proclamada no dia 15 de novembro de 1889, pelo Marechal Deodoro da Fonseca, que por meio de um golpe militar, tornou possível a derrubada da Monarquia, que cedeu espaço para a República Federativa e Presidencialista do Brasil. Vamos ver agora quais foram as principais causas que levaram a isso, afinal, um movimento tão grandioso jamais acontece “da noite para o dia”.

• O sistema monárquico brasileiro estava claramente em crise, em uma verdadeira decadência, porque já não servia mais para suprir as necessidades sociais que gritavam cada vez mais. Vale lembrar que o Brasil foi o último país da América a se tornar uma república, ou seja, fica claro que uma Monarquia, já quase no século XX, não se sustentava mais. A sociedade estava mudada, carecia de menos autoritarismo, mais liberdade econômica e mais democracia.

• O imperador D. Pedro II estava constantemente interferindo nas decisões da Igreja Católica e acabou perdendo o apoio dela. Vale lembrar que, nesse momento, a Igreja Católica ainda era uma instituição muito poderosa e respeitada.

• O exército era outro setor que estava descontente com a Monarquia, e razões para isso não faltavam! Além da corrupção que acontecia na corte, o Império ordenou que os militares não podiam se manifestar perante a imprensa sem que tivessem uma autorização do Ministro de Guerra. Essa medida não os agradou em nada.

• Os cafeicultores, que eram uma elite poderosa da época, também não apoiavam mais a manutenção do poder monárquico, principalmente porque eles mesmos desejavam ter mais poder político, o que não era possível durante o império.

• A classe média, formada por jornalistas, estudantes, professores, artistas, profissionais liberais, funcionários públicos e outros estava crescendo cada vez mais no Brasil, principalmente nos centros urbanos. Essas pessoas desejavam participar mais das decisões políticas e, por conta disso, se identificavam dos ideais republicanos, os quais começaram a apoiar.

• O movimento republicano começou a crescer e ganhar força, principalmente graças a todos esses fatores citados acima. Os setores que estavam descontentes com a monarquia depositaram suas expectativas nesse movimento, acreditando que com ele seria possível melhorar a situação do país. As grandes cidades do sudeste, como São Paulo, por exemplo, foram as que mais sentiram essa onda republicana se espalhar.

• A Abolição da Escravatura, datada de 1888 foi mais um duro golpe para o imperador. Os grandes fazendeiros se sentiram desamparados, porque teriam que pagar para os trabalhadores e isso ia lhes custar muito caro. Se já estavam descontentes com a Monarquia, esse fato só contribuiu para que esse sentimento se intensificasse.

Resumo da Proclamação da República do Brasil – como aconteceu?

Diante de todos esses fatos que acabamos de citar, e de outros menos importantes, podemos notar que a Monarquia realmente estava a ponto de sucumbir. O Imperador, D. Pedro II, estava cada vez mais pressionado e encurralado, perdendo o apoio e a confiança dos setores sociais que o mantiveram no poder até aquele momento.

Além de tudo isso, a saúde de D. Pedro II também estava debilitada, de modo que ele estava cada vez mais distante do seu papel como administrador, o que facilitou o ganho de força do movimento republicano.

Em 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca, com apoio de todos aqueles que compartilhavam dos ideais republicanos, deu um golpe militar, demitiu o Conselho de Ministros e assinou oficialmente um manifesto que proclamava a república e instaurava um governo provisório.

Três dias depois, a família real voltou para Portugal, enquanto o Brasil ingressava na República da Espada.