Resumo do Império Bizantino: As permanências e as mudanças


Império Bizantino

O império bizantino foi um dos mais importantes impérios da história do mundo, existindo a partir da fundação de Constantinopla, no ano de 395. A duração do império bizantino faz também com que seja lembrado como um dos mais duradouros, uma vez que perdurou até 1453.

As permanências do império bizantino

O império bizantino pode ser conhecido também como império romano do oriente, pois manteve uma série de coisas que eram praticadas anteriormente pelo império romano.

Assim, o império bizantino fez com que permanecessem em vigor tradições do império romano, de maneira que seu legado chegou até o oriente mesmo após a derrocada deste império ocidental.

Os aspectos institucionais de Roma foram uma das principais permanências do império bizantino, de maneira que as leis seguidas pelo império romano fossem colocadas em prática também em Constantinopla, de maneira que sofressem alterações mínimas.

Da mesma forma, os aspectos culturais também permaneceram no império bizantino, fazendo com que a crença cristã fosse instaurada e seguida também nos locais de alcance deste império.

As mudanças do império bizantino

Com o passar dos anos e a proximidade com as tradições orientais, o império bizantino sofreu algumas mudanças que fizeram com que ganhasse características próprias, contrastando com a herança vinda de Roma.

Uma destas mudanças foi a adoção, durante o século III, do grego como idioma oficial do império bizantino. Isto fez com que houvesse uma aproximação ainda maior com os povos asiáticos.

Além disso, outra mudança significativa no império bizantino foi o desprezo instaurado para com imagens e ícones advindas do ocidente, como as imagens de santos, da virgem Maria ou mesmo de Cristo.

Desta forma, passou a haver o surgimento de novos questionamentos sobre os dogmas cristãos, bem como suas crenças, levando a um posterior corte de relacionamentos entre as igrejas ocidentais e orientais.