Resumo dos Povos Pré-colombianos


Era notória a influência religiosa e do cristianismo ao longo de toda a Idade Média. O isolamento e os pensamentos sobre divindades acrescidos da invasão bárbara da Alta Idade Média faziam com que essas pessoas vivessem escondidas (ou reclusas) nos feudos. Mas, devido aos avanços da burguesia mercantil e do aumento das grandes navegações muitos desses conceitos foram repensados. Só que, mesmo assim, lendas místicas sobre terras e paisagens lindíssimas regadas de fartura e exotismo alimentavam a mente dos povos europeus. Relatos sobre bestas selvagens, seres marinhos e indescritíveis criaturas chegavam ao conhecimento dos europeus.

Com a descoberta da América os colonizadores europeus foram lançados a essa realidade do imaginário atrelado aos conceitos e valores que não representavam a real condição dos povos pré colombianos. E, num misto de admiração e repúdio, no final do século XV , justamente com a chegada dos espanhóis ao continente, três grandes civilizações eram descobertas: Incas, Maias e Astecas. E todas essas comunidades eram grandes e independentes o suficiente como qualquer outro centro urbano da Europa.

Povos Pré-colombianos

Os Incas

Na primeira parte do nosso resumo sobre os povos pré colombianos estão os Incas. A língua falada entre eles era o quéchua, que era dito em centenas de dialetos. Os povos que eram conquistados pelos Incas poderiam ter a sua forma de falar, desde que o idioma principal fosse o quéchua. Sua escrita não foi desenvolvida, todavia criaram um complexo de nós em cordas para números. Somente pessoas altamente capacitadas e treinadas conseguiam decifrar essas contagens, que até os dias atuais ainda não foram bem traduzidas.

Os Incas foram estimados em cerca de 12 milhões de pessoas num sistema extremamente parado, sem perspectivas ou acensão social. Os pobres permaneceriam pobres, assim como as demais classes. O regime era feito através de um Imperador frio e sanguinário, que impunha severas punições aqueles que não seguissem as suas leis.

Os Incas possuíam um alto conhecimento astronômico e aplicavam seus conhecimentos de física e geometria em praticamente todas as suas construções, mesmo que a base dessas construções fossem feitas de pedras, como era o costume.

Os Maias

Avançamos no nosso resumo sobre os povos pré colombianos falando dos Maias. Ao contrário os Incas, os Maias não possuíam idioma próprio e misturavam vários dialetos que, apesar de semelhantes, tinhas suas variações de entendimento. As construções de seus templos místicos e palácios traziam em suas paredes inscrições em hieróglifos. Nessas inscrições haviam os registros de guerras, dinastia e outras composições históricas de seu povo.

Sua população era estimada em 4 milhões de pessoas, distribuídas entre cabanas de madeira e construções de pedras (apenas em palácios, repartições públicas ou alta sociedade Maia). E, ao contrário da paz em que pesquisadores achavam que vivia a civilização Maia, as guerras entre cidades eram quase constantes.

Os Maias possuíam armas um pouco arcaicas e com concepções primitivas, casos de arco e flecha com veneno na ponta, lanças, escudos de madeira etc. E também faziam o uso de pedras pontiagudas que eram arremessadas com suas mãos. Para isso alguns homens eram treinados com objetivos de mira e força.

Nas áreas da ciência e tecnologia podemos citar que os Maias tinham belíssimos entendimentos astronômicos e, através de cálculos matemáticos desenvolveram grande capacidade de entendimento para suas posteriores construções. Compreendiam que a base numérica partiria de um denominador zero e, através dele, criaram o seu calendário, composto por 260 dias que eram determinados pela complexa movimentação dos astros.

Os Astecas

Nosso resumo sobre os povos pré colombianos termina falando dos Astecas, que eram compostos por cerca de 6 milhões de pessoas. Seu idioma era o nahuati, que era uma compilação de vários idiomas indígenas. Também eram chamados de “Lago da Lua” (mexica).

Sua forma de escrever era no mínimo inusitada: usavam pictógrafos, que eram sinais em forma de serpentes, seres humanos e demais figuras da natureza, o que formavam suas variadas formas de escrita. Alguns arremetiam a sons de sílabas. Outros simbolizavam ideias.

O que hoje é conhecida como a Cidade do México na época dos Astecas era chamada de Tenochtitlan e era a maior cidade das antigas civilizações das Américas. As cabanas eram feitas de lama seca e madeira e seus templos eram construídos de forma a que ficassem alinhados com os astros.

Seu império era administrado por militares, burocratas e sacerdotes. A classe menos favorecida era composta por escravos e serviçais. Para construir ascensão social o povo Asteca tinha que demonstrar grande bravura nas guerras e lutas. Os camponeses eram convocados para participarem das lutas e orientados a não matarem seus inimigos, que seriam feitos de prisioneiros e, posteriormente, usados em sacrifícios. Seu calendário do ano solar era preciso e composto por 365 dias. Seu número base de contagem era o 20.

Suas construções eram impecáveis. Tenochtitlan, por exemplo, foi erguida sob solo pantanoso, irregular, devidamente preparada e drenada. Ali os Astecas levantaram mais de 100 torres e pirâmides.