Resumo sobre a Idade Contemporânea


A Idade Contemporânea é o período histórico que a humanidade vive atualmente. Com data de início em 1789, final do século XVIII, o acontecimento que marca seu ponto de partida é a Revolução Francesa.

Resumo sobre a Idade Contemporânea

Logo nos primeiros anos da Idade Contemporânea, destacou-se o pensamento iluminista e a sua corrente filosófica, que colocava a razão no patamar de importância mais alto. Imperava um entusiasmo pelas ciências, consideradas a solução para os problemas sofridos pela humanidade, e pela evolução da civilização, que adquiria cada vez mais conhecimento, desenvolvia novas tecnologias e avançava rapidamente no âmbito social.

É também na Idade Contemporânea que o sistema capitalista se consolida e se desenvolve no ocidente. A expansão capitalista impulsionou o neocolonialismo, o nacionalismo e a disputa territorial e comercial entre potências econômicas europeias, gerando conflitos em escalas mundiais.

Século XVIII e século XIX

Em 14 de julho de 1789, houve a queda da Bastilha, a prisão política símbolo do governo de Luís XVI, rei da França. Essa data é um marco para a Revolução Francesa, pois representou a vitória dos revolucionários sobre a nobreza e a consolidação do capitalismo.

Usa-se a Revolução Francesa como ponto de partida para a Idade Contemporânea devido aos impactos que essa luta gerou em vários lugares ao redor do mundo. É a partir da vitória da burguesia e das massas que um novo sistema de governo ganhará espaço no cenário e inspirará até hoje o nosso modelo de política: constitucional, republicano, defensor da propriedade privada, representativo e com exército militar.

Após o período da Revolução Francesa, Napoleão Bonaparte assume o poder na França e se autodenominou imperador, declarando guerra à Inglaterra, até então a maior potência econômica no mundo.

As guerras napoleônicas tiveram um forte impacto para a geopolítica, pois proporcionaram a vinda da família real para o Brasil, possibilitando o processo de independência; a destruição do Império Romano-Germânico; o declínio do Império Espanhol, influenciando a independência da América Espanhola; além de estimular os nacionalismos e a unificação de territórios que formariam a Itália e a Alemanha.

O final do século XVIII foi marcado pela primeira revolução industrial, onde a ciência ingressou em um processo de constante e rápida evolução, possibilitando a invenção da máquina a vapor e outras tecnologias.

Já o século XIX é o momento de dissolução dos impérios. Após a derrota de Napoleão, a Inglaterra assumiu a soberania mundial, exercendo o controle de 25% da população e 20% do território do planeta.

Com a segunda revolução industrial ocorrendo na Inglaterra, descobertas e invenções em várias áreas da ciência começaram a acontecer e serviram de suporte para avanços tecnológicos alcançados no século XX.

É nesse período que as Américas iniciam o seu processo de independência. O Brasil conquistou sua alforria de Portugal em 1822 e a América Espanhola teve todos seus países independentes entre 1808 e 1829, depois de inúmeros conflitos armados. Apenas Cuba e Porto Rico ficaram sob o domínio espanhol até 1898, quando ocorreu a Guerra Hispano-americana.

Os Estados Unidos enfrentaram a Guerra Civil entre 1861 e 1865. Estados do Norte e Estados do Sul entraram em confronto devido a divergências econômicas. O conflito foi encerrado com a vitória dos republicanos nortistas e um total de 600 mil mortos.

Também é no século XIX que Alemanha e Itália unificam seus territórios e surgem nações com ambiciosos interesses econômicos e territoriais.

O liberalismo impulsionou a aplicação do neocolonialismo – dominação territorial, econômica e política dos países africanos por mão de obra barata, matéria-prima e mercado consumidor – em grande escala pelas potências europeias.

Século XX e século XXI

O século das grandes guerras foi marcado por inúmeros conflitos armados e pelo maior conflito ideológico. Em 1917, nascia na Rússia um modelo de governo que era contrário aos interesses capitalistas, fruto da revolta civil no país. Representada pela URSS, a alternativa governamental não agradou os Estados Unidos e, após o fim da 2º Guerra Mundial, travou uma batalha ideológica com o país, resultando na vitória americana e na dissolução da União Soviética.

Esse período marcou mudanças tecnológicas com a invenção do telégrafo, do telefone, da lâmpada e do rádio. Essas transformações agiram de forma profunda na sociedade e possibilitaram a expansão em massa do capitalismo. Mas nem só a saúde, a comunicação e o mercado foram beneficiados. Os avanços no campo bélico foram imensos, resultando na criação da bomba atômica.

Grandes conflitos afetaram a geopolítica global. Estimuladas por interesses econômicos, territoriais e nacionalismos, grandes potências europeias travaram embates que impactaram o mundo inteiro. A primeira guerra mundial deixou 9 milhões de mortos e 30 milhões de feridos. Já na segunda grande guerra, o extermínio de judeus contabilizou 6 milhões de mortos, totalizando mais de 66 milhões de vítimas fatais.

No século XXI, encontramos o atentado de 11 de setembro, a guerra ao terrorismo, a primavera árabe, a grande revolução digital e a crise migratória na Europa estimulada pela guerra na Síria.