Resumo sobre os principais Imperadores da História


O imperador Alexandre III da Macedônia nasceu em Pela, em 20 de julho de 356 a.C. Assumiu o Império da Macedônia aos 20 anos de idade, após o assassinato de seu pai. Conhecido como Alexandre, o Grande, foi um dos maiores conquistadores do mundo antigo. Na juventude, teve como tutor o filósofo Aristóteles.

Resumo sobre os principais Imperadores da História

No ano 334 a.C., o jovem imperador, liderando um exército de macedônios e gregos, conquistou o litoral da Ásia Menor. Seguiram para Síria, derrotando o exército da Pérsia, na Batalha de Isso. Alexandre III era impiedoso. Os povos que tentaram resistir ao seu julgo foram escravizados ou condenados à morte.

Aclamado pelos egípcios, libertos do domínio persa, Alexandre III foi consagrado como imperador do Egito, onde fundou a cidade de Alexandria. Na Mesopotâmia, mesmo com um arsenal de guerra inferior, as tropas de Alexandre III conseguiram derrotar mais um destacamento do exército persa. O lendário imperador conquistou imensos territórios na Europa, Ásia e África. Alexandre, o Grande, morreu jovem, no ano de 323 a.C., vítima de uma enfermidade intestinal.

Imperador da Pérsia

O príncipe Ciro, o Grande, notabilizou-se ao vencer os povos medos (arianos da Ásia Central), dando início ao Império Persa. É considerado um dos grandes estrategistas militares da Antiguidade. O espírito expansionista do soberano o levou a conquistar inúmeros territórios, atualmente ocupados pelo Iraque, Irã, Jordânia, Egito, Israel, Líbano, Síria, Kuwait, Turquia, Afeganistão e partes da Líbia, Paquistão e Grécia.

Embora os povos dominados tivessem liberdade para trabalhar e professar suas religiões, eram obrigados a servir o exército e pagar impostos. Ciro, o Grande, morreu no ano de 530 a. C. em mais uma batalha, mas seus sucessores deram continuidade à política expansionista.

Imperador romano

Caio Júlio César nasceu em Roma. Membro do exército, participou de campanhas em territórios asiáticos e turcos. Ocupou cargos importantes até tornar-se chefe de governo, no ano de 59 a. C. Logo que assumiu o posto, deu início a uma sangrenta ação militar para conquistar a Gália (França e Bélgica). Conseguiu ocupar centenas de cidades e tribos, escravizando milhares de gauleses. Contrariando a ordem de Pompeu para regressar a Roma, Júlio César atravessou o norte da Itália, iniciando uma guerra civil, derrotando as tropas de Pompeu, em Farsala.

De volta a Roma, transformou a república em um império, assumindo a condição de “ditador perpétuo”. Graças à ação militar de Júlio César, Cleópatra, com quem manteve uma relação amorosa, foi coroada a Rainha do Egito.

Antes de morrer, Júlio César planejava expandir seu império com a conquista do reino de Partos, região situada entre os mares Aral e Cáspio. Mas foi assassinado antes por conspiradores (60 senadores), liderados por seu filho adotivo, Marcus Julius Brutus. Neste fato, está a origem da famosa frase “Até tu, Brutus?!”, que teria sido proferida pelo imperador Júlio César, antes de sucumbir à morte, ao ver que, entre seus algozes, estava Brutus.

Em testamento, Júlio César havia determinado que todos os seus bens fossem distribuídos entre a população de Roma. Júlio César foi um homem culto, elogiado, inclusive por Cícero, um dos maiores oradores de Roma. O imperador escreveu dois livros de gramática latina. É autor de “Comentários”, coleção de sete livros, que contam a conquista da Gália e a guerra civil romana.

Imperador Constantino Magno

O imperador romano Constantino I nasceu no ano de 272, em Naissus, cidade situada no atual território da Sérvia. Assumiu o Império Romano, após a morte de seu pai, Constâncio Cloro, em 306. Durante seu reinado, encerrado no ano de 337, Constantino I travou diversas batalhas, defendo os territórios do Império Romano, contra a invasão de povos de origem germânica. Convertido ao cristianismo, ele pôs fim à perseguição aos cristãos. Com este ato, Constantino I consolidou seu poderio político.

No ano de 325, promoveu o I Concílio de Niceia, que confirmou a natureza divina de Jesus Cristo. Nesta ocasião, o concílio estabeleceu uma nova data para a comemoração da Páscoa e promulgou a lei canônica. Outro feito importante foi a construção da cidade de Constantinopla, atual Istambul, capital turca, no período de 326 a 330. Esta cidade tornou-se a capital do Império Romano, de onde Constantino governou até o fim da vida. Ele morreu no ano de 337, aos 65 anos, em Nicomédia, atual Izmit, no território turco.

Império Napoleônico

Napoleão Bonaparte é reconhecido como grande estrategista militar e político astuto. Nasceu em 1.769, em Ajaccio, na Córsega Francesa. Estudou na Escola Militar de Paris, especializando-se em artilharia. O Império Napoleônico é marcado por muitas guerras. Consagrou-se como um dos maiores generais da Revolução Francesa.

Lutou contra monarquias absolutistas na Áustria, Prússia e Rússia. Outro alvo de Napoleão foi a Inglaterra. Para fragilizar aquele país, obstáculo aos planos expansionistas, Napoleão decretou o Bloqueio Continental, restringindo as relações econômicas entre as nações subjugadas pelo império francês e a Inglaterra.

O Império Napoleônico começou a ruir em 1812, quando a Rússia decidiu infringir o Bloqueio Continental e retomar o comércio com a Inglaterra. O exército francês não suportou o rigoroso inverno russo. Com o apoio da Prússia e Áustria, a Rússia invadiu a França, em 1.815. Derrotado, Napoleão foi para o exílio na ilha de Elba.

Neste período, articulou o exército e retomou o comando do império por um período de 100 dias, quando foi, finalmente derrotado, na Batalha de Waterloo. Desta vez, Napoleão Bonaparte ficou exilado na Ilha de Santa Helena no Atlântico Sul, até a sua morte, em 1.821.

Gostou deste texto? Aprenda mais sobre história geral em nosso blog!