Resumo sobre Teutons


Os Teutons, mais conhecidos por Teutões, foram povos germânicos que habitaram o centro e o norte da Europa por volta do século 120 a.C. Para incentivar e facilitar a pesquisa sobre esse grupo histórico, preparamos este resumo sobre Teutons.

Resumo sobre Teutons

Teutões e sua história

Os Teutons, ou Teutões, foram identificados e estudados por autores antigos, tanto os gregos quanto os romanos. Eles são descendentes da metade leste do Império Franco. Os Teutons não se constituíram de apenas um povo, mas sim de uma junção de vários, como francos, saxões, alamanos, suevos, burgúndios, gépidas, lombardos, longobardos e godos. Originalmente, os Teutões ocupavam a região da Jutlândia. A Jutlândia é uma península que atualmente se encontra entre o extremo norte da Alemanha e uma parte continental da Dinamarca. Esta área também já foi chamada de península Címbrica, devido a outras grandes populações no local, como os cimbros, os jutos e os anglos.

Esses outros povos, inclusive, conviveram e se misturaram com os Teutões em diversos períodos de sua permanência na Jutlândia. Neste resumo sobre Teutons vemos que sua principal aliança foi com os cimbros. Depois de se unirem, os Teutões e os cimbros migraram juntos para o sul e para o oeste, até chegarem ao vale do rio Danúbio e, em seguida, até a Gália. Lá, os Teutões e os cimbros saíram vitoriosos de diversos conflitos com invasores até serem derrotados, bem como separados, pelos romanos, sob o comando do general Caio Mário. Isso se deu em 102 a.C.

Ao perderem para os romanos, o rei dos Teutons, Teutobod, morreu. As mulheres do grupo, por outro lado, foram capturadas e suas ações a partir disso se tornaram lenda: por volta de 300 delas eram reféns e, como seriam forçadas a formar matrimônio com romanos, apesar das súplicas para que fossem apenas aprisionadas em uma ordem religiosa feminina, elas foram todas encontradas mortas em uma manhã, decorrência de um suicídio coletivo.

Neste ponto de nosso resumo sobre Teutons, passamos para os resquícios desse grupo, que passou a viver mais próximo da Alemanha Central a partir do século II.

Em 962, Otto I, ou Otão, o Grande, tornou-se o primeiro imperador do Sacro Império Romano-Germânico. Já que o alcance desse império se estendeu a partes da Alemanha, da Polônia, da Áustria, da Suíça, da Itália e dos países Bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia), os Teutões, sendo germânicos, conseguiram se beneficiar em algumas áreas com a associação germânico romana. Eles adquiriram o conhecimento e a cultura italiana, além do comércio, da ciência e das artes.

O termo Teutons, ou Teutões, passou a se tornar mais amplo e a ser utilizado como designação para pessoas falantes de línguas germânicas.

Em decorrência da expansão religiosa que passou a acontecer progressivamente nos séculos seguintes, todos os povos germânicos foram convertidos do paganismo para o cristianismo e, com isso, os Teutões passaram a coexistir com os romanos.

Mais tarde, surgiram alguns nomes conhecidos até a atualidade, como o dos Cavaleiros Teutônicos. Além de outros soldados germânicos recrutados pelos romanos, bem treinados para manter a paz, sufocar rebeliões e impedir o avanço de rebeldes e vikings, haviam também os cavaleiros que trabalhavam para a Igreja Católica, principalmente em época de Cruzadas. Os Cavaleiros Teutônicos, no caso, foram uma das mais famosas ordens das Cruzadas, cujo objetivo era difundir o cristianismo através da força e da violência.

Seu nome completo era Ordem dos Cavaleiros Teutônicos de Santa Maria de Jerusalém, ela foi fundada no final do século XII. Os membros dessa Ordem usavam vestes brancas com uma aparente cruz negra.

A maioria dos membros da Ordem eram nobres germânicos, incluindo famílias soberanas do Império Alemão e da Prússia. Nascida em Israel, mas rapidamente espalhada pela Europa, A Ordem Teutônica acumulou terras e propriedades conforme conquistava áreas diversas e só foi realmente extinta por determinação de Napoleão Bonaparte em 1809.

Povos germânicos

Este resumo sobre Teutons é parte de um grande cenário envolvendo os povos germânicos da Europa, que possuem uma história extensa e que chega até a atualidade. Depois que os Teutões foram generalizados, sua história e a de todos os germanos se unificaram ainda mais. Portanto, alguns pontos são mais bem analisados se vistos em sua totalidade. Por exemplo, algumas características de povos germânicos.

• Estrutura social baseada em família monogâmica e patriarcal, clãs e tribos;
• Chefes de tribo exerciam funções militares, judiciais e religiosas;
• Ainda que os chefes tomassem decisões importantes, elas ainda precisam passar pela assembleia composta de guerreiros e chefes de família;
• Separação de classes sociais entre nobreza, homens livres, homens semi-livres e escravos;
• As principais atividades econômicas eram a agricultura e a pecuária;
• Cultuavam as forças da natureza e pendiam para a veneração de deuses nórdicos, como Odin e Thor;
• Seus registros são escassos, visto que se preocupavam em gravar runas em joias e armas apenas para decoração e por motivos religiosos.