Romance Naturalista


Naturalista

O romance naturalista é composto por obras nas quais a análise social é o que prevalece em seu desenvolvimento. Esta análise social é feita sempre com base em grupos humanos que sofrem com a marginalização imposta a si pela sociedade.

É importante ressaltar que a análise é feita sempre com base nos grupos, e não com foco apenas em indivíduos, mas sim na forma como estes grupos reagem à marginalização que lhes é imposta.

Isto pode ficar mais claro quando observados alguns exemplos mais específicos, como na obra “O cortiço”, de Aluísio Azevedo. Nesta obra, o personagem principal, observado por diversos críticos, é o próprio cortiço, ou seja, o local onde se reúnem os personagens, sendo sua coletividade o ponto principal da história.

Assim, o romance naturalista é uma forma mais abrangente do comportamento humano, no qual se defende que os homens devem ser analisados de maneira científica para que se determinem as razões para que se comporte de determinadas maneiras.

Características do romance naturalista

O romance naturalista possui algumas características importantes que o diferenciam de outros gêneros literários ou mesmo de subgêneros do romance, devendo assim ser analisados quando estudadas estas obras.

Confira a seguir as principais características do romance naturalista:

– No romance naturalista, há uma concepção de que o homem é um ser autômato. Isto significa que seu comportamento é guiado por meios físico-sociais, hereditariedade, além de leis físico-químicas que o guiam em suas ações.

– Há a necessidade de que o homem seja analisado de maneira científica, permitindo assim o estudo de seu comportamento.

– Outra característica do romance naturalista é a preferência por temas de patologias sociais, sendo os principais deles a miséria, criminalidade, sexualidade, entre outros.

– O amoralismo também é uma característica muito presente no romance naturalista, sendo muito difícil de ser encontrado em outros gêneros do romance.