Substantivo Composto


A primeira pergunta é, na verdade: o que é um substantivo? Bom, trata-se de algo que se designa a sua essência, a sua própria substância. É um termo que vem do latim “Subtantivu” e que quer dizer substancial. Trocando em miúdos, substantivo nada mais é do que qualquer palavra que dá nome a tudo aquilo que existe.

Substantivo Composto

É o que dá nome aos seres, as coisas, a todo o que ouvimos, imaginamos, sentimos, ou vemos, por exemplo:

  • Casa
  • Roupa
  • Amor
  • Grito
  • Música
  • Computador
  • Mês
  • Tábua
  • Televisão
  • Celular
  • Aeromoça
  • Engenheiro
  • Mato
  • Papel
  • Bonecas
  • Carinho
  • Alma
  • Médicos

A curiosidade que é qualquer palavra existente pode se tornar um substantivo, desde que seja acrescentado um artigo precedente a ela, por exemplo: “O não é uma palavra bastante má” aqui temos um exemplo que um advérbio que fora, outrora, substantivado. Outro exemplo: “O odiar e o amar não reconhecem limites verdadeiros”, nesse caso, dois verbos (odiar e amar) tornam-se substantivos.

Normalmente, nas orações do nosso idioma, o substantivo atua principalmente nas funções relacionadas com o verbo: atuando com o núcleo do sujeito, bem como dos complementos verbais (sendo eles indiretos ou diretos) e do agente passivo. Ainda há casos em que ele atua como núcleo do complemento nominal, podendo ser o aposto também, com núcleo do predicativo ou do objeto, sendo ainda como núcleo do vocativo do sujeito. Ainda será possível encontra-lo como núcleo de adjuntos adnominais e adverbiais- desde que tais funções estejam sendo desempenhadas por um determinado grupo de palavra.

Eles também podem sofrer variações de gênero (masculino e feminino), de grau (diminutivo e aumentativo) e de número (plural ou singular). Quando a algo que ele se designa, pode ser: substantivo próprio, substantivo comum, concreto, abstrato, simples, composto, derivado e também primitivo.

Substantivo simples e substantivo composto

Os substantivos simples são aqueles que têm em sua origem, apenas um radical. São simples porque eles têm apenas um significado. Veja alguns exemplos:

  • Árvore
  • Amor
  • Chuveiro
  • Roupa
  • Casa
  • Livro
  • Dinheiro
  • Florista
  • Felicidade

Já os substantivos compostos, como próprio nome nos faz acreditar, são compostos por mais de um radical. Veja alguns exemplos:

  • Beija-flor
  • Girassol
  • Pé-de-moleque

Eles têm sua origem em substantivo simples, mas há dois processos linguísticos durante sua composição: por justaposição e por aglutinação.

Substantivo composto: justaposição e aglutinação

Nessa transformação linguística, o que ocorre é a formação de novas palavras através de duas ou mais palavras simples, podendo ser, inclusive, seus radicais. Essas palavras novas que se formaram são substantivos compostos e possuem um significado completamente diferente do anterior. Nesse caso, a justaposição ocorre através de duas ou mais palavras, de modo que elas serão, em sua maioria, separadas pelo uso do hífen (mas não sendo regra geral para detecção de seu aparecimento).

Nesse caso, mantêm-se a mesma ortografia que era utilizada antes da junção das palavras, sem que haja nelas supressão de nenhum fonema. Veja alguns exemplos:

  • Arco-íris
  • Bem-me-quer
  • Saca-rolha
  • Amor-perfeito
  • Cachorro-quente
  • Cavalo-marinho
  • Peixe-espada
  • Segunda-feira
  • Cor-de-rosa
  • Água-de-colônia
  • Fim de semana
  • Couve-flor
  • Mandachuva
  • Paraquedas
  • Girassol
  • Pontapé

Já na aglutinação, ocorre a fusão dessas palavras, alterando todo o seu radical, de modo que os elementos passarão a ser inteirados. Além disso, eles passam também a perder a sua identidade original, tanto fonológica quanto ortográfica, podendo inclusive haver supressão de fonemas- ocorre a junção de algumas letras ou então, o esquecimento delas na hora da pronúncia. Veja:

  • Aguardente (água + ardente)
  • Planalto (plano + alto)
  • Destarte (desta + arte)
  • Embora (em + boa + hora)
  • Vinagre (vinho + acre)
  • Fidalgo (filho + de + algo)

Muitas vezes no nosso dia, usamos palavras compostas e não sabemos, ou escrevemos em Redes Sociais sem o uso devido do hífen, o que acaba transformando completamente o sentido das palavras e logo, aquilo que se pretende dizer.

Novo acordo ortográfico e os substantivos compostos por justaposição

Como é sabido, o novo acordo ortográfico, que fora promulgado em 2009, mas que entrou em vigor, obrigatoriamente, em 2016, trás observações importantes sobre o uso ou não uso de hífen.

No caso de palavras que utilizarem o hífen por serem substantivos compostos por justaposição, o mesmo irá ser mantido, cujos elementos se formam através de uma unidade com o próprio significado, perdendo o significado das palavras quando eram substantivos comuns, veja os exemplos:

  • Segunda-feira
  • Decreto-lei
  • Arco-íris
  • Guarda-chuva

O mesmo acordo prevê que o hífen não poderá mais ser utilizado em locuções substantivas, pronominais, adjetivas, prepositivas, conjuncionais e adverbiais. Veja alguns exemplos:

  • Café com leite
  • Sala de jantar
  • Cão de guarda
  • Fim de semana
  • Cor de vinho
  • À toa

Para essa regra acima, que acabamos de citar, algumas exceções serão permitidas, como nos casos em que for consagrado a sua utilização, ou seja, aqueles casos em que o uso do hífen caiu no uso das pessoas, nos costumes da escrita, mas devem possuir um significado próprio. Veja:

  • Água-de-colônia
  • À queima-roupa
  • Pé-de-meia
  • Cor-de-rosa
  • Mais-que-perfeito
  • Ao Deus-dará