Água-régia


Dentro do universo da química, algumas misturas se tornam tão conhecidas que acabam recebendo nomes especiais. É o caso da água-régia, que nada mais é do que a união de 2 substâncias. A seguir aprenda tudo sobre o assunto e quais são as aplicações desta mistura química que ficou tão famosa.

Água-régia

O que é água-régia?

Água-régia é o nome dado a uma mistura que une ácido clorídrico e ácido nitrídrico de forma concentrada. Geralmente isso ocorre em uma proporção de três partes para uma.

Altamente corrosiva, a mistura se torna levemente amarelada, mas não é daí que recebe este nome tão importante. A palavra régia tem origem no latim e significa real e esta alcunha foi dada a esta substância porque ela tem a capacidade de dissolver materiais nobres, inclusive o ouro, capacidade que é extremamente rara.

Mas não se trata de uma mistura capaz de dissolver qualquer tipo de material, já que alguns mais inertes como o irídio e o tantálio, por exemplo, não sofrem nenhuma alteração. Além disso, apesar do alto poder corrosivo, a água-régia possui uma vida útil bastante curta e por isso, deve ser utilizada assim que preparada, sempre com muito cuidado.

Não se sabe, com certeza, como e quando foi descoberta, mas a primeira utilização desta mistura é atribuída a um importante alquimista chamado Geber. Nascido na região onde hoje fica o Irã, era filho de farmacêutico e estudou, além do Alcorão, matemática, alquimia e diversos outros assuntos.

Geber possui, até hoje, uma grande importância no mundo da química. Apesar de ter ele próprio um grande misticismo, foi ele um dos primeiros a tentar separar a ciência que envolve a alquimia de superstições e pensamentos mágicos. Acredita-se inclusive que diversos equipamentos que ainda são utilizados nos laboratórios espalhados pelo mundo todo, são criação e desenvolvimento deste homem. Até o alambique é considerado uma obra sua.

Este alquimista do passado também foi um dos responsáveis por influenciar diversos outros alquimistas que vieram depois dele em busca da “pedra filosofal”.

Mas, entre outras descobertas, foi a água-régia que acabou deixando sua história ainda mais conhecida, já que a capacidade de dissolver e purificar o ouro, gerou interesse em pessoas de todos os cantos do planeta. A criação desta substância só se deu porque, foi Gerber quem descobriu os dois ácidos que compõe a mistura:

* ácido clorídrico
* ácido nitrídrico

Ou seja, podemos dizer portanto que o conhecimento de uma substância que tem o poder de dissolver, separar e purificar metais nobres, não é nenhuma novidade. Durante todos estes anos, desde sua criação, a água-régia tem sido aplicada para se conseguir diferentes tipos de objetivos.

Como a água-régia funciona e suas aplicações

O ataque aos metais nobres acontece a partir da água-régia, porém seus componentes em separado não conseguem alcançar o mesmo resultado. Cada um deles, em conjunto, é capaz de executar uma tarefa distinta.

O ácido nitrídrico possui um alto poder oxidante e consegue dissolver minúsculas partículas de ouro formando assim íons. Enquanto isso, o ácido clorídrico age formando íons de cloreto que ao reagirem diretamente com os de ouro acabam separando-o.

Além do ouro, ela é capaz de dissolver uma grande diversidade de metais, principalmente quando a solução dos ácidos é aquecida. Por este motivo, ainda hoje é altamente aplicada em laboratórios químicos e industriais.

A técnica é aplicada quando há a necessidade de separar um metal para ser avaliado mais tarde ou na solubilização de amostras. O uso da água-régia também é muito útil em testes expeditos, nos quais é preciso avaliar e identificar objetos e ligas metálicas para verificar a existência ou não de ouro, prata ou até platina. Este tipo de aplicação é bastante comum em laboratórios que prestam serviços específicos para joalherias e casas de penhor.

Há até uma história contando o quanto a água-régia pode ser utilizada em prol de algo maior e que foi um dos principais motivos para a popularização deste composto. Durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto os nazistas tomavam conta da Europa, o químico húngaro George de Hevesy estava na Dinamarca quando esta era invadida pela Alemanha.

Ele utilizou a água-régia para dissolver as medalhas de ouro advindas dos prêmios Nobel de James Frank e Max Von Laue, que eram seus colegas, e guardar o material na prateleira de seu laboratório dentro do Instituto Niels Bohr a fim de deixá-las em segurança. Ao final da guerra, Hevesy voltou então ao local onde precipitou a mistura, a fim de conseguir separar o ouro novamente.

Mas atenção! A preparação da água-régia demanda cuidados e bastante conhecimento dos ácidos envolvidos e nunca deve ser feita próxima a outros compostos, devido ao seu alto poder oxidante.
É preciso acertar nas quantidades dos mesmos bem como na da água para que funcione. Além disso, a mistura não deve ser preparada em grandes quantidades e só pode ser manuseada com a utilização de equipamento de segurança, pois até sua inalação pode apresentar riscos.