Identificação das Funções Orgânicas


Para entender plenamente as funções orgânicas é muito simples, e com algumas relações que estabeleceremos aqui, você conseguirá entendê-las ainda com maior facilidade.

Imagine que, em uma visita ao supermercado, as seções já não estão mais separadas, mas todas misturadas. As frutas estão junto com os doces, os produtos de higiene junto com os artigos automotivos e assim por diante. Encontrar cada coisa ficaria bem complicado, não é mesmo?

Pois é, esse exemplo já é o suficiente para que possamos entender que, separar os itens que se assemelham uns aos outros em pequenos grupos específicos pode nos auxiliar muito, não é mesmo? Essa mesma ideia pode ser facilmente aplicada na identificação das funções orgânicas, em que cada uma das substâncias químicas é separada em grupos para que os estudos voltados para tais compostos sejam facilitados.

Funções Orgânicas

A identificação das funções orgânicas

No que se refere à química orgânica, devemos concluir que ela é composta por várias funções orgânicas, ou seja, grupos de compostos orgânicos que contam com propriedades químicas parecidas.

Com base em condições específicas e com substâncias já pré-determinadas, os compostos que fazem parte de um mesmo grupo de função orgânica conseguem se comportar de forma muito similar, motivo pelo qual são “juntados”.

A semelhança nesse comportamento de caráter químico está diretamente relacionada com a presença de um mesmo grupo funcional. Sendo assim, o grupo funcional nada mais é do que um agrupamento de átomos presente em uma mesma estrutura de cadeia de carbonos. Ele é também o grande responsável pela semelhança nesses compostos.

Além disso, não se esqueça de que a principal diferença entre os compostos orgânicos e inorgânicos está nessa presença de átomos de carbono, que ficam distribuídos nas cadeias ligadas de forma direta ao hidrogênio. Enquanto o ácido carbônico é inorgânico, o metano (CH4) já é um composto orgânico. As moléculas desses compostos orgânicos podem ser sintetizadas por nós humanos, ou seja, por organismos naturais – além dos artificiais, como em laboratórios.

Levando-se em consideração que os compostos orgânicos se dividem com base em seu número de átomos constituintes, na própria natureza de cada ligação ou nos radicais ligantes, confira neste artigo a identificação das funções orgânicas.

A identificação das funções orgânicas

• Hidrocarbonetos

Os hidrocarbonetos são compostos orgânicos que contam unicamente com átomos de hidrogênio e de carbono. Sendo assim, sua nomenclatura é formada pelo prefixo + infixo e o “o” no final. Essa função orgânica conta com uma extensa variedade de combustíveis. Alguns exemplos de hidrocarbonetos são: butano, metano, propano, etileno (eteno) e acetileno (etino).

• Álcoois

Os álcoois, por sua vez, contam com um grupo funcional formado apenas por uma ou mais hidroxilas, diretamente ligada(s) a um carbono de caráter saturado. A nomenclatura é formada pelo prefixo + infixo e o “ol” no final. Alguns exemplos, nesse caso, são o propanol, metanol e etanol.

• Fenóis

Os fenóis contam com a hidroxila, representada pelo OH, ligada diretamente a um carbono insaturado e de anel benzênico, sendo este o motivo pelo qual conseguem se diferenciar dos álcoois.

• Aldeídos

Os aldeídos são facilmente identificados, uma vez que contam com carbonila na ligação com um hidrogênio. A nomenclatura finaliza com “al”, sendo alguns exemplos o etanal e a metanal, em que sua solução mais aquosa forma o formol.

• Cetonas

Já nas cetonas essa carbonila fica disposta entre duas ligações de carbona. A nomenclatura é formada pelo prefixo + infixo + e o
famoso “ona” no final. Um dos exemplos mais comuns e utilizados no nosso dia a dia é a propanona, conhecida popularmente como acetona para unhas.

Ácidos carboxílicos

Os ácidos carboxílicos têm a carbonila ligada diretamente a algum grupo de hidroxilas, ou seja, uma carboxila. A nomenclatura é um pouco diferenciada, uma vez que essa função orgânica se trata de um ácido, sendo ela formada por: ácido, prefixo, infixo e o “oico” ao fim. Alguns exemplos são os ácidos metanoicos e o ácido etanoico.

• Ésteres

Os ésteres derivam diretamente de ácidos carboxílicos, em que o hidrogênio da carboxila (-COOH) da cadeia é substituído por algum outro grupo orgânico. Alguns exemplos são o butanoato de etila, etanoato de pentila e etanoato de isopentila.

• Éteres

O éteres conta com o oxigênio entre os dois carbonos, como no exemplo: C – O – C. Alguns exemplos são o etoxietano e metoxietano.

• Aminas

As aminas são criadas quando um ou outros hidrogênios são substituídos por cadeias carbônicas. A metilamina, trimetilamina e etilamina são exemplos.

• Amidas

Essa função orgânica é identificada quando um grupo acila entra no lugar de algum hidrogênio. Etanamida e metanamida são exemplos.

• Nitrocompostos

Como o próprio nome já diz, é quando o gruo nitro (NO²) se junta à uma cadeia carbônica. Alguns exemplos são o nitropropano e nitroetano.

• Haletos orgânicos

Por fim, temos também os haletos orgânicos, que são formados por pelo menos um halogênio ligado à cadeia carbônica. Bromopropano e clorobenzeto são exemplos.