Lei de Hess, Entropia e Introdução à Eletroquímica


Lei de Hess

Lei de Hess

A Lei de Hess permite o cálculo da variação da entalpia em um sistema de reação química, independentemente do número de etapas desta. Segundo Hess, a variação de entalpia da reação depende unicamente de dois fatores: o estado inicial e o estado final dos reagentes e dos produtos.

Ou seja, os estados que ocorrem nas etapas intermediárias da reação podem ser desconsiderados no cálculo da variação da entalpia. Assim, esta (AH) é igual a soma das variações de entalpia que se dão ao longo do processo.

Introdução à eletroquímica e ao conceito de entropia

A eletroquímica compreende o estudo das reações que originam corrente elétrica ou que ocorrem por influência de uma corrente elétrica. Neste contexto, é muito importante ter em mente que em determinadas reações químicas, os elementos podem passar por trocas com doação e recebimento de elétrons.

Deste modo, determina-se que no processo de oxidação:

• O agente oxidante passa por redução, recebendo elétrons.
• O agente redutor é aquele que passa por oxidação, sofrendo perda (ou doação) de elétrons.

Já a entropia é um conceito da termodinâmica, que determina a medida da desordem em um dado sistema. Segundo seu autor, Rudolf J. E. Clausius, todo o universo, incluindo toda reação química apresenta uma tendência à desordem, e, por conseguinte, ao aumento da entropia.

Na química, a entropia é observada como uma distribuição mais eficiente da energia e da matéria nos sistemas. Neste contexto, a espontaneidade da reação pode ser relacionada com o aumento da entropia em termos de espontaneidade cinética das reações, aumento entrópico pela distribuição da matéria e trocas térmicas com aumento da distribuição de energia.

Desta forma, pode-se notar que as reações exotérmicas, por exemplo, são mais espontâneas que as endotérmicas, visto que elas acontecem com mais facilidade, devido à sua energia de ativação mais baixa.